“O património não é só uma marca para pôr a render”

Filme do Monty Python Terry Gilliam está a gerar polémica por causa das rodagens no Convento de Cristo, em Tomar, que puseram uma pira de madeira com 12 metros de altura a arder num dos claustros. Em causa, diz um antigo director, não está o que aconteceu, mas o que podia ter acontecido.

Foto
Foi no claustro da hospedaria que ardeu uma pira de 12 metros de altura DANIEL ROCHA

Uma pira com 12 metros de altura a arder no meio de um monumento que é património mundial causa, mais do que estranheza, preocupação. Não pelos danos que causou, mas pelos que poderia ter vindo a causar, independentemente da presença de peritos em efeitos  especiais, bombeiros e técnicos do património, independentemente da existência de um seguro destinado a cobrir eventuais acidentes. “Não é porque caíram seis telhas e há algumas pedras partidas que a situação é alarmante, é porque se fez uma enorme fogueira num dos claustros, é porque se levaram dezenas de botijas de gás para dentro de um conjunto que é único no mundo. Juntar fogo e botijas de gás no Convento de Cristo? Nunca devia ter acontecido.”

É assim que Jorge Custódio, arqueólogo e historiador do património que durante cinco anos (2002-2007) dirigiu o Convento de Cristo, em Tomar, reage à recente polémica gerada em torno da rodagem do filme The Man Who Killed Don Quixote naquele monumento que é património mundial desde 1983.

Entre 24 de Abril e 10 de Maio, a equipa que o Monty Python Terry Gilliam dirige nesta co-produção que junta a espanhola Tornasol, a belga Entre Chien et Loup, a francesa Kinology e a portuguesa Ukbar Filmes instalou-se neste monumento, filmando em vários espaços, da icónica charola (o oratório dos cavaleiros templários) à horta dos frades, passando por dois dos sete claustros do conjunto – o do silêncio (o principal ou de D. João III, jóia dos arquitectos João de Castilho e Diogo de Torralva) e da hospedaria.

Foi precisamente neste último que, noticiou na passada sexta-feira o programa de informação da RTP Sexta às 9, foram detectados estragos no monumento – telhas e pedras partidas – atribuíveis à rodagem, que ali terá chegado a contar com uma equipa de cem pessoas.

Foi também na sexta-feira que terminaram as filmagens de The Man Who Killed Don Quixote, projecto que persegue Terry Gilliam há quase 20 anos (foi assolado por problemas vários, dos financeiros aos meteorológicos, e manteve-se  inacabado até aqui) e que volta agora a estar na mira, desta vez dos que criticam, e as palavras são de Jorge Custódio, a “excessiva mercantilização do património”.

Quando se trata do Convento de Cristo, explica, a “pressão para fazer receita” é ainda maior, porque o interesse que o monumento desperta – com um valor artístico e arquitectónico que ultrapassa em muito a história de Portugal – é também ele maior: “Este é um monumento de grande simbologia para a história de Portugal e da Europa, muito complexo, porque documenta várias fases da Igreja. É altamente identitário. Não há seguro que cubra um monumento destruído e em cenário nenhum – em guião nenhum – o dinheiro deve ser mais importante do que o monumento.”

Inquérito a caminho

Entre os danos causados pelas filmagens estão “quatro fragmentos pétreos”, expressão usada tanto pela responsável da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), Paula Silva, como pela directora do convento, Andreia Galvão, na resposta conjunta enviada à RTP, quanto pela Ukbar Filmes, a produtora portuguesa. Há ainda seis telhas partidas, que esta empresa diz serem “convencionais e de fabrico recente”.

“A responsabilidade é da produtora”, disseram Paula Silva e Andreia Galvão na mesma resposta enviada à RTP, e o custo da reparação, estipulado após vistorias técnicas do convento e da empresa CaCO3, Conservação do Património Artístico, é de 3500 euros, diz ao PÚBLICO Pablo Iraola, da Ukbar. Inclui a substituição das telhas e uma limpeza geral, além da recuperação de danos como “um canto da base de uma coluna” com cerca de cinco centímetros, diz o produtor, ou “o bordo de um degrau” junto a um dos claustros.

A rodagem, devidamente autorizada pela DGPC, rendeu 172 mil euros ao Estado. O acompanhamento de técnicos do convento foi constante, diz a produtora portuguesa, e no claustro da hospedaria foi filmada uma cena em que uma imagem de uma santa é queimada numa pira feita de velharias, “uma fogueira inspirada por Las Fallas, em Valência”, explicava este fim-de-semana o realizador na sua página de Facebook. Reagia assim à notícia e à polémica subsequente, querendo pôr fim a “disparates ignorantes”.

O PÚBLICO procurou obter esclarecimentos junto da directora-geral do Património, mas foi informado por uma assessora de que Paula Silva não faria declarações. “O assunto está a ser avaliado internamente”, disse a mesma assessora. A directora do monumento, Andreia Galvão, também adiou para mais tarde quaisquer esclarecimentos.

No sábado, a DGPC fizera já saber que ia “abrir um inquérito para apurar a veracidade” de “algumas situações e acontecimentos tornados públicos” pelo programa da RTP que alegava também que haverá desvio de dinheiro na bilheteira do convento, à semelhança do que acontecera no Mosteiro dos Jerónimos e na Torre de Belém, objecto de uma investigação da Polícia Judiciária em 2014.

Lógica mercantilista

Maria de Magalhães Ramalho, a arqueóloga que preside à comissão portuguesa do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS-Portugal), diz que o que se passou na sequência da rodagem do filme de Terry Gilliam no Convento de Cristo é o reflexo de uma estratégia que tem vindo a comprometer a salvaguarda do património em Portugal e que tem olhado para monumentos, museus e até cidades como “imagem de marca” e não como “valor identitário que é preciso pôr acima de qualquer lógica mercantilista”.

A suborçamentação dos monumentos e museus tem empurrado directores e outras chefias para a realização de diversas iniciativas que muitas vezes põem em causa a própria integridade do património que o Estado é chamado a proteger, defende Ramalho, pondo no “mesmo pacote preocupante” as rodagens em Tomar e a recente exposição de veículos eléctricos no Museu Nacional dos Coches. “É preciso dizer a quem decide que o património não é só uma marca para pôr a render, para pôr a fazer dinheiro. É preciso acautelá-lo. Não vale tudo. Isto é insustentável em termos de futuro.”

Esperando que a situação no convento tenha servido para “reequacionar a rentabilização comercial” dos espaços de valor patrimonial ao cuidado do Ministério da Cultura e das autarquias, a presidente do ICOMOS-Portugal acrescenta: “Não sei como vai o senhor ministro explicar no Parlamento uma situação que não tem explicação. Como é que se autoriza uma fogueira num claustro do Convento de Cristo? Como é que se pode dizer que o que aconteceu foi um acidente? Não podemos desculpar os responsáveis – se os directores não têm condições para trabalhar com os orçamentos que recebem do ministério, têm de se unir e exigir mais condições.”

O ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, vai estar esta terça-feira na Comissão parlamentar de Cultura para falar da situação do Côa – já objecto de um relatório em jeito de queixa da comissão nacional ao ICOMOS internacional –, do estado da arqueologia náutica e subaquática e, por força das circunstâncias, do Convento de Cristo.

Jorge Custódio não se opõe a filmagens e outras iniciativas nos monumentos sob tutela da DGPC, mas diz que o cuidado que se deve pôr nas autorizações não pode permitir situações como a de Tomar. “O que tivemos ali foi uma autorização arbitrária, irreflectida ou mesmo irracional do monumento. É preciso impor condicionantes que garantam a sua integridade, coisa que aqui não aconteceu. Não se pensou o suficiente e, mesmo com a presença de alguns bombeiros e técnicos do monumento quando se fez a tal pira, talvez haja até incúria.”

O claustro da hospedaria – o nome advém de à volta dele se organizarem os quartos onde ficavam os que pernoitavam no convento, quer fossem representantes da Igreja e da corte, quer fossem peregrinos que se dirigiam à Terra Santa ou a Santiago de Compostela – é um dos mais importantes do conjunto, diz Jorge Custódio. Construído na primeira metade do século XVI (o conjunto é edificado entre os séculos XII e XVII), é como um “livro de arquitectura” e um “claustro para as relações externas”: “Ali ficava quem vinha de fora. E é por isso que por ali passaram figuras muito importantes da nossa história. A vida interna do convento passava pelo chamado 'claustro do silêncio' e pelo dos corvos.”

Quando foi director do convento, recorda Custódio, foram ali rodados três filmes, incluindo O Quinto Império, de Manoel de Oliveira, e foram vários os pedidos de autorização que teve de indeferir: “Havia pedidos para uso de fogo em grandes quantidades e nós dissemos não. Autorizei peças com um ou outro archote, velas e lamparinas, mas mais nada. Nunca autorizei que se levassem dezenas de bilhas de gás para dentro daquele convento.”

Para este arqueólogo e historiador, o que é preciso fazer agora é apurar a verdade dos factos – “é fundamental encontrar os responsáveis em todo este processo e, depois, responsabilizá-los efectivamente”.

Seguro de 2,5 milhões

E será que é possível saber que problemas tinha o claustro da hospedaria antes da chegada de Terry Gilliam e da sua equipa?

Pablo Iraola remete para o Convento de Cristo o detalhe sobre os danos pré-existentes no monumento e os resultantes das filmagens, mas garante que foram sempre procuradas soluções que não afectassem o património. “Nunca usámos uma coluna para suster um cabo”, exemplifica, “cada decoração foi feita em paredes falsas, não há um furo”. Uma nota da Ukbar alega ainda que o perito chamado ao local pelas entidades responsáveis considerou que “nenhum destes danos foi causado por algum tipo de uso indevido ou excessivo”, mas sim que “poderia ter acontecido a qualquer visitante”. O PÚBLICO tentou contactar a CaCO3, empresa de conservação e restauro a que pertence este perito e que trabalhou já em vários monumentos nacionais, como os palácios nacionais da Ajuda e de Mafra, sem sucesso.

A produtora era obrigada a fazer um seguro de responsabilidade civil no valor de 2,5 milhões de euros, mas nem sequer vai accioná-lo, diz Pablo Iraola, que não sabe ainda quando começarão as reparações. Já Terry Gilliam, via Facebook, é mais intempestivo: “Tudo o que fizemos lá foi para proteger o edifício… E fomos bem sucedidos. Não se abateram árvores, não se partiram pedras”, diz, elogiando “um dos mais gloriosos edifícios” que já viu.

Na verdade, houve algumas pedras partidas e as árvores que estavam no claustro desapareceram – mas segundo a produtora portuguesa o corte das árvores “ocorreu durante a limpeza no final da rodagem, tendo os serviços do convento de Tomar justificado a decisão com o facto de não se tratarem de espécimes autóctones (foram plantados há alguns anos para a rodagem de outro filme)”. “Tirámos uma árvore e podámos três; foi o convento que tirou as podadas”, especifica Iraola, porque “estava no seu plano de manutenção” para o claustro da hospedaria.

A cena da fogueira neste claustro é dada como exemplo de eventos no convento que “podem incluir artes de pirotecnia em locais considerados apropriados, desde que devidamente acompanhados por profissionais credenciados, por bombeiros e protecção civil", indicavam Paula Silva e Andreia Galvão na mesma resposta conjunta à RTP. Foi filmada por “uma equipa experiente”, defende o produtor, a da empresa de efeitos especiais espanhola Reyes Abades, que já montou uma falsa pira no mesmo Convento de Cristo para outro filme e que trabalhou com fogo na catedral de Salamanca ou no Teatro Romano de Mérida.

Segundo a produção, a pira de Tomar era composta por uma estrutura de aço coberta de madeira tratada com materiais retardadores de fogo e com 12 metros de altura. No local estavam elementos dos bombeiros e da protecção civil.

Questionado pelo PÚBLICO sobre se o pedido de cedência do espaço contemplava uma cena com pirotecnia, o produtor diz: “Não há dúvida de que tinham conhecimento do que estávamos a fazer e não houve oposição.” Acrescenta ainda não ter sido identificado “nenhum” dano relacionado com a cena do sacrifício da santa, que terá durado cinco minutos, alimentados por cerca de 40 botijas de gás, e que a sua equipa estava alertada para os cuidados a ter durante os muitos dias de estadia no convento. Em torno da cena estavam mais de 20 extintores e dois circuitos de água, adianta, por seu turno, a Reyes Abades.