Funchal volta a ser palco de uma etapa da Extreme Sailing Series

A Madeira receberá, pelo segundo ano consecutivo, uma das mais importantes competições da vela mundial.

Lloyd Images
Foto
Lloyd Images

Depois de no ano passado ter merecido elogios pela excelente organização da prova, a Madeira voltará a receber este ano uma das escalas do circuito Extreme Sailing Series, uma das mais importantes competições da vela mundial. A prova, que vai disputar-se entre 29 de Junho a 2 de Julho, terá novamente como palco a baía do Funchal e Eduardo Jesus, secretário Regional da Economia, Turismo e Cultura, realça que esta é mais uma oportunidade para recolocar a Madeira na rota dos “grandes eventos desportivos internacionais”.

Há um ano, apesar de a organização do evento ter sido realizada em contra-relógio – o cancelamento da etapa turca abriu a oportunidade de o Funchal entrar na rota da competição -, a etapa madeirense mereceu fortes elogios do norte-americano Morgan Larson, um dos mais consagrados velejadores mundiais: “O Funchal foi o melhor local de prova em que estive até hoje. Faltou-lhe algum vento, é certo, mas, à parte essa questão, que nunca ninguém conseguirá controlar, não há nenhuma crítica que eu possa fazer à organização do evento”.

Com a fasquia elevada, a baía do Funchal voltará a receber alguns dos mais reputados velejadores mundiais, e Eduardo Jesus admite que o grande desafio que se coloca este ano será “superar as expectativas e o alcance de 2016”.

“Esta é mais uma oportunidade de afirmação para a ilha da Madeira, que no ano passado, através das Extreme Sailing Series, ficou colocada no mapa dos grandes eventos desportivos internacionais e reforçou o seu posicionamento estratégico, a sua competitividade e atractividade, junto de novos públicos, tendo por base uma comunicação renovada, cada vez mais aliada ao desporto e ao mar”, referiu o governante madeirense.

Na apresentação do evento, realizada nesta quinta-feira na Gare Marítima do Porto do Funchal, estiveram ainda presentes Andy Tourell, director de prova da OC Sports (empresa detentora do circuito) e Sérgio de Jesus, presidente da Associação Regional de Vela da Madeira. Tourell referiu que, com a realização da prova no Funchal, se cumpre “um dos objectivos chave deste circuito, que é o de promover a vela em novos mercados e audiências”. “Em 2016 muitos de nós descobriram esta jóia no meio do Atlântico e esperamos que as Extreme Sailing Series continuem a contribuir para que o arquipélago mantenha a liderança mundial nos destinos ilhas”, acrescentou o britânico.

Uma das novidades da etapa madeirense das Extreme Sailing Series deste ano será a estreia a nível mundial dos Flying Phantoms, catamarãs super-velozes e leves (pesam apenas 165 kg): “Pelo menos 16 barcos, para dois tripulantes, vão competir na baía do Funchal, incluindo uma equipa portuguesa formada por Hélder Basílio e José Caldeira. A inclusão desta versão de menor escala dos GC32 permite a descoberta de novos talentos e aumenta a oferta aos fãs, imprensa e parceiros”, destacou Andy Tourell.

A prova madeirense será a terceira etapa das Extreme Sailing Series, depois das passagens por Muscat (Omã) e Qingdao (China). O circuito segue depois para Hamburgo (Alemanha), Cardiff (País de Gales), San Diego (EUA) e Los Cabos (México).

As equipas que vão competir na baía do Funchal são a Land Rover BAR Academy, a Alinghi, a SAP Extreme Sailing Team, a Oman Air, a Red Bull Sailing Team e a NZ Sailing Team.