E não é que António Costa tomou mesmo conta dos filhos de João Miguel Tavares?

O primeiro-ministro respondeu ao artigo de opinião que leu no PÚBLICO e tomou conta da prole do colunista.

Foto
António Costa recebeu os filhos de João Miguel Tavares em São Bento DR

O primeiro-ministro, António Costa, leu a crónica de João Miguel Tavares, no PÚBLICO, e respondeu-lhe a dizer que, sim, que ficava com os filhos. “Mandou-me um email muito simpático a dizer que, se eu tinha assim tantos problemas [por causa da tolerância de ponto], ficava com as crianças de manhã, porque à tarde ia para a visita do Papa”, conta o cronista bem-disposto, já depois de ter posto uma fotografia no Facebook para assinalar como ambos cumpriram a promessa.

E assim foi. De manhã, o pai lá foi deixar a criançada ao Palácio de São Bento e foi recebido, mais uma vez de forma muito simpática, conta, por António Costa. “Ele é simpaticíssimo”, admite João Miguel Tavares, sem deixar de brincar, no entanto, com o risco de confiar os filhos a um socialista afável. “Se fossem maiores de idade, se calhar não os deixava ir, porque ainda corria o risco de votarem no PS”, diz, com mais uma gargalhada.

Com o dia atribulado que garante ter tido (ele e a mulher tinham mesmo compromissos inadiáveis, assegura), ainda nem teve tempo de perceber bem o que andaram por lá a fazer os garotos durante toda a manhã. O pai sabe que almoçaram no Palácio de São Bento, imagina que tenham brincado no jardim: “Não sei, mas eles também levavam coisas para fazer. Estavam contentes”, diz. Os meninos são quatro e têm quatro, nove, 11 e 13 anos.

E, pronto, por uma manhã, os quatro miúdos tiveram como baby-sitter nem mais nem menos do que o próprio primeiro-ministro. Pelo menos, simbolicamente. Porque só a pequenada poderá contar se foi mesmo António Costa quem os andou a vigiar durante aquelas horas. Mas já não deverá ser hoje que se ficará a saber se tudo correu sem incidentes, se as crianças se portaram bem, se o primeiro-ministro já foi cansado para Fátima, depois de ter à sua responsabilidade quatro petizes à solta em São Bento. João Miguel Tavares diz que, quando chegar a casa nesta noite, os filhos já estarão a dormir.

Por telefone, o cronista garante que não estava a fazer bluff na crónica intitulada Caro António: fica você com os meus filhos, ok? Tinha mesmo compromissos e a mulher, médica na área da oncologia, consultas que não podia desmarcar. “À tarde já tínhamos empregada”, explica. O PÚBLICO não achou que fosse verdade quando viu a fotografia no Facebook, mas João Miguel Tavares confirmou logo: “Fui, fui! Deixei-os lá”.

Na crónica, João Miguel Tavares usava o humor e a ironia para provocar António Costa por causa da decisão de conceder tolerância de ponto à função pública. Não sendo funcionário público e com os filhos numa escola pública, sugeria duas soluções ao primeiro-ministro: “Uma solução seria Vossa Excelência arranjar-me um emprego na função pública até à próxima quinta-feira”. Mas, assim tão em cima da hora, mais fácil de concretizar, propunha, seria isto: enquanto eu trabalho, Vossa Excelência fica-me com os putos”. E pedia apenas: “Porque sei da sua infatigável disponibilidade para resolver todos os problemas dos portugueses, agradecia muito que me indicasse para o mail que encontra no final deste texto qual seria a melhor porta do Palácio de São Bento para eu largar os meus filhos nessa sexta-feira.” E foi isso mesmo que fez António Costa.