Opinião

Fátima nunca existiu

Fátima é um espaço mágico que não carece de histórias pueris para se afirmar.

Há dois caminhos para a relação de cada ser humano com a fé. Um será o da aceitação, por decorrências de lugar, de educação ou de adequação ao tempo; o outro será o da permanente tentativa para encontrar uma razão para sistematizar o problema do nascimento da nossa muito específica realidade, para se assumir uma linha de rumo que não esbarre na não resposta.

O primeiro grupo tem a vida facilitada. Nascer e morrer num registo rotineiro perante uma qualquer religião é cómodo, não nos cria problemas de consciência, não nos coloca perante interpelações. É o princípio da felicidade pela ignorância. Normalmente, há uma circunstância que se observa no dia em que aparece a interrogação e a consequência é deixar de acreditar.

A leitura das religiões perante a realidade do Homem carece de um aprofundamento ideológico e programático para que se torne firme, para que se saiba porque por ali seguimos. Este caminho é difícil, mas é o único que faz com que não desapareça a teologia, que promove a contínua desinquietude entre ciência e religião. Bento XVI sabia bem tudo isso e, por isso, nos deu pistas em Introdução ao Cristianismo, Criação e Pecado ou Fé e Futuro.   

O cristianismo assume uma parte decisiva nas culturas ocidentais. Somos o que somos no sul europeu católico pela incapacidade de nos reinventarmos, constatamos uma débil forma de arriscar perante a vida e perante o futuro; nos povos do norte, fundados a partir das primeiras grandes cessações no século X, a religião é, em parte, instituidora progressiva da liberdade individual.

A Igreja Católica Apostólica Romana, em que nos confessamos de forma critica para que a cada dia não fique tudo na mesma, foi-se construindo através de sucessivas teocracias. A ameaça do “turco”, a salvação da alma através das maiores atrocidades, a implicação de um poder que fez de Roma uma Santa Sé transformada em Estado, provocaram a reinvenção dos artifícios rituais e das limitações individuais que, mesmo depois de se ter confrontado com a realidade científica, continua a significar inflexibilidade.

A Santíssima Trindade, em que quero acreditar, porque a fé é o nível superior da razão, não se confrontou, até ao século XIII, com a necessidade de Santos, com a reconfirmação alucinatória de aparições e de invenções. Ou seja, nos primeiros séculos do cristianismo ninguém tentou incorporar oficialmente os deuses pagãos no cristianismo, ninguém fez Santos para assomar militância à relação única com Deus através de Jesus.

Os templos marianos que existem pelo mundo não carecem da invenção das aparições ou das intervenções de Nossa Senhora. Nem Lourdes sustenta as visões de Bernardette Soubirous, nem Santa Maria de Montserrat transportou a Himler, em 1940, a bênção que impediria a 2.ª Guerra Mundial, nem a Virgem de Meritxell voltou ao lugar onde teria sido encontrada por três vezes, nem Nossa Senhora del Pilar apareceu ao apóstolo Santiago. E há, ainda, a leitura da devoção a Maria Santíssima de forma profundamente colonial, com a consagração da natividade da Virgem da Aparecida, através de uma história infantil contada pelos padres José Alves Vilela e João de Morais e Aguiar, no século XVIII, ambos da Companhia de Jesus.

Fátima é um templo mariano. Basta-se com essa consideração. Elevar Maria é mais importante do que a expiação do corpo através de sacrifício pelos joelhos sacrificados em sangue. Fátima é um espaço mágico que não carece de histórias pueris para se afirmar, que se impõe pela necessidade de uma recolha individual perante a intercessão de Maria perante Deus.

As aparições, os segredos e, agora, as canonizações, são um atentado à nossa inteligência e à nossa fé. Porque as exposições históricas nos indicam o primarismo dos relatos, porque a existência de um testemunho consagrado por três crianças ignorantes nunca se poderia cumprir. Fátima foi construída, nas suas fundações, num tempo de complementaridade com um regime, era necessária uma narrativa que a fizesse acrescentar medo, obrigações e demissões de cidadania.

Do século XIII até hoje, a criação de Santos teve muitos enquadramentos, razões, até caprichos. O século XIX providenciou o início de uma leitura não empírica da canonização de um ser comum, entendeu conceder à certificação da ciência a salvação de um corpo perante uma sentença final da medicina. A própria medicina nos diz que não há milagre quando não consegue encontrar razões para um resultado não esperado. Porque cada ser humano é diferente e cada corpo e cada alma se cumprem, perante as desesperanças, de forma diversa. Neste mundo não há milagres por apelo a anteriores viventes terrenos e não há, por isso, Santos.

Este ano não se observam 100 anos da primeira aparição de Nossa Senhora aos pastorinhos; não se verifica qualquer cumprimento de aniversário de uma mensagem que alguém inventou; não podia, sequer, transformar-se a visita papal na criação de mais dois lugares na constelação dos Santos. O que hoje se impõe é que Fátima se reinvente, que seja o local de acolhimento perante Deus, que quem continua a seguir uma linha de procura de um ser superior seja levado a uma inteligente opção pela fé.

Francisco, mesmo que a contragosto, vem a Fátima. Faz a sua parte. Não como Bispo de Roma, mas como Chefe de Estado da burocracia vaticanista.