Manuscrito inédito da irmã Lúcia vai integrar museu em Ourém

Novo núcleo museológico vai ser inaugurado em Setembro pela Câmara de Ourém.

Foto
Novo museu surge no ano do centenário das aparições em Fátima Nelson Garrido

Um manuscrito inédito da irmã Lúcia vai ser exibido pela primeira vez no novo núcleo museológico que a Câmara de Ourém prevê abrir em Setembro nos antigos Paços do Concelho, em cuja cadeia estiveram os videntes de Fátima.

O documento, redigido pela irmã Lúcia em Coimbra a 18 de maio de 1998, a pedido do antigo presidente do município David Catarino, relata em apenas seis linhas o período em que os três pastorinhos estiveram em Ourém, em 1917. "No tempo das aparições, os pastorinhos de Fátima, foram detidos e levados para Ourém, estiveram, parte do tempo, em casa do Administrador, parte na cadeia juntamente com outros presos, que os trataram bem procurando distrai-los e rezando com eles, o terço", lê-se no manuscrito, no qual a irmã Lúcia (1907-2005) justifica ao ex-autarca que "por falta de saúde" só conseguiu responder à carta naquela data.

À agência Lusa, o presidente da Câmara Municipal de Ourém, Paulo Fonseca, afirmou que o núcleo nos velhos Paços do Concelho, vai ter "motivos de relevo para a História das aparições que é importante sublinhar e, no fundo, trazer à luz do dia e este ano do centenário é a época mais relevante para isso". "Com certeza que os interessados pelo fenómeno das aparições, e pela importância e pelo impacto que Fátima tem gerado no mundo, em crescendo, terão curiosidade de conhecer mais este elemento das aparições que é a estada dos pastorinhos aqui", declarou Paulo Fonseca, assinalando que este polo "vai ser um elemento relevantíssimo de uma rota dos pastorinhos em Ourém".

Segundo o autarca, "de futuro, e a partir deste centenário, as pessoas vão saber que a História de Fátima está complementada num polo museológico em Ourém". A chefe da Divisão de Acção Cultural da Câmara de Ourém, Ana Saraiva, explicou por que razão o manuscrito nunca foi mostrado publicamente. "Este documento deveria de estar contextualizado. Não faria tanto sentido estar na Casa do Administrador, faz mais sentido estar neste espaço onde realmente foi o espaço de interrogatório. Lá foi um espaço de acolhimento familiar, mais afectivo", justificou Ana Saraiva.

O futuro núcleo vai incluir negativos de vidro e fotografias de António Passaporte (Évora, 1901 - Lisboa, 1983). "Ele fez todo um conjunto de fotografias (...) sobre as aparições" e os "primeiros momentos" de aglomeração de pessoas na Cova da Iria, assim como "a produção da escultura de Nossa Senhora de Fátima na oficina de Thedim", referiu a responsável. "Esse processo está fotografado e é muito interessante", acrescentou Ana Saraiva, assinalando que "foi uma aquisição que o município fez e são documentos que nunca estiveram expostos e algumas imagens são inéditas".

No espaço vão, também, ser projectados pequenos filmes cedidos pela Cinemateca alusivos aos acontecimentos de Fátima, cujo centenário se assinala a 12 e 13 de maio, com a presença do papa Francisco que vai canonizar os beatos Francisco e Jacinta Marto.