Papa anuncia canonização de Francisco e Jacinta a 13 de Maio em Fátima

Os dois pastorinhos, que morreram com nove e dez anos de idade, serão os mais jovens santos não-mártires da Igreja Católica. O seu culto passará a ser universal.

Canonização será um dos pontos altos da passagem de Francisco por Fátima
Foto
Canonização será um dos pontos altos da passagem de Francisco por Fátima Adriano Miranda

Dezassete anos depois de João Paulo II ter beatificado Francisco e Jacinta Marto, o Papa Francisco dá no próximo dia 13 de Maio, em Fátima, o passo que faltava para que os dois irmãos sejam considerados santos: a cerimónia de canonização foi marcada para esse dia, prometendo ser um dos pontos altos das comemorações do centenário das Aparições.

A partir desse dia, o culto aos dois pastorinhos passará a ser considerado universal, segundo a Igreja Católica, que terá em Jacinta Marto, que morreu com nove anos, a mais nova santa não-mártir entre os católicos. O seu irmão, Francisco, foi também afectado pela chamada gripe pneumónica, dez meses antes. Ambos carregavam já uma fama de santidade, muito por conta das provações a que, juntamente com a prima Lúcia, tinham sido submetidos, depois de terem declarado que viram a Virgem Maria aparecer de branco, em cima de uma azinheira, na Cova da Iria, onde todos costumavam pastorear o rebanho da família.

Por, nesse dia 13 de Maio de 1917, terem sido “receptáculos” da mensagem divina acerca do iminente fim da I Guerra Mundial, segundo a Igreja Católica, as crianças, pobres e analfabetas, foram retiradas à família, interrogadas e induzidas a cumprir longos período de fome, sede e penitências várias antes de morrerem, depois de vários meses combalidos pela pneumónica que, entre 1918 e 1919, terá vitimado para cima de 40 milhões de pessoas. Enterrados no cemitério de Ourém, os seus restos mortais haveriam de ser trasladados para a Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, mas apenas na década de 50, sendo que o rosto de Jacinta, segundo o relato da terceira vidente, Lúcia, que viveria em clausura até aos 97 anos de idade, se manteria "íntegro" aquando da primeira trasladação, de Ourém para Fátima, em 1935.

A confirmação, por parte do Papa, de que a cura de uma criança brasileira se tratou de um milagre inexplicável pela lente da medicina fora dada já em Março. O jornal oficial do Vaticano adianta agora alguns pormenores sobre o caso, ocorrido em 2013. A criança tinha seis anos quando, em casa do avô, caiu acidentalmente de uma janela com cerca de sete metros de altura. Sofreu um grave traumatismo crânio-encefálico, com perda de matéria cerebral. Foi operada e, segundo os médicos, caso sobrevivesse, viveria em estado vegetativo ou, no melhor dos cenários, com graves deficiências cognitivas. Apesar do prognóstico, a criança recebeu alta pouco depois sem qualquer dano neurológico ou cognitivo. No momento do incidente, o pai da criança invocou os dois pequenos beatos e, nessa mesma noite, a família e uma comunidade de freiras rezaram pela intercessão das crianças de Fátima.

Era o segundo milagre que faltava para a canonização. O primeiro, que sustentara a beatificação das duas crianças, ocorrera em 1987, quando a portuguesa Maria Emília dos Santos, paralisada há mais de duas décadas, recomeçou a andar por via daquilo que acreditou ser a intervenção dos pastorinhos de que era devota.

Cumpridos os trâmites, o Papa Francisco anunciou esta quinta-feira durante o consistório (reunião de cardeais) que a cerimónia de canonização decorrerá no dia 13 de Maio, durante a missa que vai celebrar no santuário. As reacções ao anúncio, do lado da Igreja portuguesa, foram em tom apoteótico. Os sinos do Santuário de Fátima tocaram a repique, cerca das 9h40, quando a notícia lá chegou. O reitor do santuário, Carlos Cabecinhas, sublinhou que a escolha de Francisco traduz o reconhecimento de Fátima como “escola de santidade” e falou de uma “alegria indizível. “Escolher Fátima para este acto solene da Igreja universal é reconhecer a importância mundial de Fátima”, sublinhou, já depois de ter lembrado que é em Fátima que estão as relíquias e os túmulos das crianças mortas. O bispo de Leiria-Fátima, António Marto, também sentiu uma “indescritível alegria” que considera ser compartilhável por todos os que “reconhecem nos pastorinhos o exemplo luminoso de um caminho de santidade que, através do Imaculado Coração de Maria, nos conduz até Deus”.