Andy Murray com derrota anormal

Líder do ranking ATP foi eliminado por Albert Ramos em Monte Carlo. Djokovic sofreu mas segue em frente.

LUSA/SEBASTIEN NOGIER
Foto
LUSA/SEBASTIEN NOGIER

Aos 29 anos, Albert Ramos obteve em Monte Carlo a melhor vitória da carreira: derrotou o número um do ranking e garantiu a sua primeira presença em quartos-de-final em torneios da categoria Masters 1000. Uma dupla proeza inesperada para quem viu Andy Murray liderar o set decisivo, por 4-0.

“O mais normal seria perder o encontro, mas foi um daqueles dias que às vezes acontecem. Lutei, continuei a lutar, mesmo a 0-4, pensei que precisava de jogar todos os pontos. E, no fim, ganhei, não sei o que dizer”, disse Ramos (24.º mundial), após eliminar o britânico, por 2-6, 6-2 e 7-5, em duas horas e meia.

Murray, três vezes semifinalista no Monte Carlo Country Club, procurava a 100.ª vitória da carreira em terra batida. O líder do ranking até começou bem, dominando o set inicial, mas no segundo não conseguiu manter o nível e nem sequer dispôs de um break-point. O encontro, que teve 13 breaks, parecia estar sob controlo de Murray quando venceu os primeiros quatro jogos do set decisivo, mas bastou um mau jogo de serviço para a situação se inverter.

“Num dos jogos em que sofri o break, não joguei bem, mas depois ele começou a jogar melhor. Ambos tivemos oportunidades, mas senti dificuldades na parte final. Tomei decisões erradas e isso é uma coisa que vou ter que analisar com a minha equipa”, admitiu Murray.

Pouco depois, o escocês estava a servir a 4-4 (0-40) e, embora tenha anulado esses três break-points, nunca se mostrou tranquilo. De facto, dois jogos depois, cederia mesmo o serviço permitindo que Ramos servisse para fechar o encontro. Na sexta-feira, no quartos-de-final, Ramos defronta Marin Cilic (8.º), que eliminou Tomas Berdych (12.º), por 6-2, 7-6 (7/0).

Mais tarde, chegou a pensar-se numa segunda surpresa no Monte Carlo Rolex Masters (e novamente protagonizada por um espanhol), mas Novak Djokovic acabou mais forte e venceu, por 6-2, 4-6 e 6-4, Pablo Carreño Busta (19.º) que soube anular a vantagem de um break que o sérvio deteve no início do set decisivo. Segue-se o belga David Goffin (13.º), que afastou o austríaco Dominic Thiem (9.º), por 7-6 (7/4), 4-6 e 6-3.

Já Rafael Nadal deu uma lição de ténis na terra batida como presente a Alexander Zverev (20.º), que completou 20 anos. O número sete no ranking, detentor de nove troféus de Monte Carlo, dominou o alemão, com um duplo 6-1. Nos “quartos”, Nadal vai encontrar o argentino Diego Schwartzman (41.º). Pelo caminho ficou igualmente Stan Wawrinka (3.º), vítima de Pablo Cuevas (27.º), vencedor (sem enfrentar um único break-point) com um duplo 6-4. Nos “quartos”, o uruguaio defronta o francês Lucas Pouille (17.º).