As histórias das mulheres que combateram o regime na clandestinidade

Durante dois meses, até Maio, o site Esquerda.net vai contar a vida das portuguesas que, durante a ditadura, viveram na clandestinidade

Foto
Isabel do Carmo numa manifestação da FUR em 1975 memoriando.net

Mariana Carneiro, editora do site Esquerda.net, tinha em casa uma história de clandestinidade. Na verdade, tinha várias, a da mãe, a da tia e a da avó. No entanto, esta não foi a única razão por que decidiu dar voz às mulheres que, durante os anos de Salazar, lutaram contra o regime e entraram na clandestinidade.

"A ideia foi contar o lado feminino da luta contra o fascismo. Achei que era preciso – como dizia a historiadora feminista Fina d'Armada – colocar os quotidianos na História e quem melhor do que as mulheres para o fazerem", diz Mariana Carneiro ao PÚBLICO.

O primeiro testemunho, publicado neste domingo no site Esquerda.net, um meio de comunicação do Bloco de Esquerda, é o da mãe. Esta terça-feira é o da médica Isabel do Carmo, e na quinta-feira é a vez da blogger Joana Lopes. Todas as semanas, de Abril a Maio, sairão três testemunhos. E tanto podem ser mulheres mais comprometidas politicamente, com consciência política, como outras mais anónimas, continua Mariana Carneiro.

Foto
Daniel Rocha

"Há muitas histórias desconhecidas, e a ideia é contar a história da resistência antifascista no feminino", informa a socióloga, lembrando que os rostos masculinos já são conhecidos. "É importante ter o conhecimento dos acontecimentos históricos da forma como as pessoas o viveram, porque estas mulheres não saíram formatadas para serem revolucionárias", acrescenta.

Foto
Daniel Rocha

O primeiro testemunho é o da mãe, Maria da Graça Marques Pinto, que teve a primeira filha na clandestinidade. Uma parte dos testemunhos é escrita pelas próprias mulheres, na primeira pessoa, mas também há outros que resultam de entrevistas. É nessas conversas que Mariana Carneiro descobre outras mulheres sobre as quais quer saber mais. Mas também há situações em que é complicado descobrir porque são conhecidas pelos seus nomes falsos, os da clandestinidade.

As mulheres podem ser de várias gerações e de vários quadrantes políticos. Tem sido mais difícil encontrar mulheres mais velhas – "mas tenho uma de 92 anos", diz. Por exemplo, Mariana Carneiro falou com uma antiga operária da indústria conserveira que não tinha propriamente consciência política, mas que lutava contra a "opressão e os abusos do patronato".

Estas histórias, concluída a sua publicação, podem dar origem a um livro? Mariana Carneiro não põe a ideia de parte, mas só a concretizará se as mulheres que derem o seu testemunho concordarem e se houver alguma editora interessada. Este projecto pretende "dar voz a quem não aparece nos livros de História. São experiências que humanizam a luta contra a ditadura", termina