O Douro vai ganhar trilhos pedonais com barcos rabelos como miradouros

O percurso pedonal vai ter 14 quilómetros ao longo da margem do Rio Douro sobre passadiços, pontes e trilhos sinuosos.

Fotogaleria
Os miradouros em forma de barco de rabelo vão ser a imagem de marca do novo passadiço DR
Fotogaleria
O percurso vai ser construído ao longo da margem do Rio Douro DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR

Castelo de Paiva, no distrito de Aveiro, vai ter um percurso pedonal com 14 quilómetros ao longo da zona ribeirinha do Douro. Pelo caminho, a Câmara quer construir “dois ou três miradouros” em forma de barcos rabelo que "irão ficar quase sobre o rio e potenciar uma vista maravilhosa”, conta Gonçalo Rocha. Esta vai ser a imagem de marca do percurso que “vai ser um dos mais interessantes ao longo do Douro”, promete o presidente da autarquia.

O itinerário “liga os principais pontos de interesse da região”, passando pela aldeia classificada de Gondarém, com as tradicionais casas de xisto e pelos cais de acostagem de Midões e do Castelo.

O percurso Viver o Douro vai “começar na praia do Choupal”, junto à foz do Rio Arda, em Pedorido, o ponto do concelho mais próximo do Porto e onde vai ser feita uma requalificação para instalar vários equipamentos, incluindo zona de merendas.

Nesta primeira fase, a meta vai ser junto à zona da Foz do Rio Sardoura. Posteriormente, o percurso irá ser alongado até à Praia do Castelo, perfazendo 20 quilómetros de extensão.

O percurso vai intercalar “pontes”, “zonas de passadiço” e “trilhos de terra batida”, explica Ricardo Vieira, um dos arquitectos paisagistas responsáveis pelo projecto. A “vegetação autóctone” está a ser preservada, garante o responsável da APROplan, sendo possível observar medronheiros, amieiros e choupos ao longo do trilho. Juntamente com a organização ambiental Quercus, parceira do projecto, vão ser expostos ao longo do trajecto painéis informativos sobre a fauna e a flora do local.

O objectivo é “atrair turistas nacionais e estrangeiros” e “valorizar o concelho”, diz Gonçalo Rocha. Por agora, tirando alguns segmentos que “são usados por pescadores”, ainda não se pode passar pela via que o município está a planear. O presidente da Câmara de Castelo de Paiva diz que o percurso vai ter pouca intervenção humana, uma vez que um dos objectivos é “promover a autenticidade da paisagem e da região”.

A Câmara já teve aprovação para o investimento de 500.000 euros para realizar o projecto apoiado por fundos comunitários do Norte2020. O concurso para a elaboração do percurso Viver o Douro já está a decorrer e o Presidente da Câmara, Gonçalo Rocha, disse ao PÚBLICO que as obras devem começar “já em Junho” e serão rápidas, mas ainda não sabe quando irá estar acabado e aberto ao público.

Este é o primeiro e o maior trajecto dos cinco com diferentes tipologias que a câmara vai construir nos próximos tempos. Gonçalo Rocha fala de "uma grande ambição" para transformar o concelho num dos mais atractivos no Vale do Douro para os turistas. Para isso a autarquia está a desenvolver uma estratégia global de promoção dos recursos naturais e regionais que promovam o desenvolvimento rural e turístico que incluirá, em breve, outros quatro percursos pedonais distribuídos pelas seis freguesias do concelho. O Viver O Payva D’Ouro vai incluir a descoberta do rio Paiva, das vinhas verdes, das serras e dos fósseis e minas do Pejão.

Texto editado por Ana Fernandes