“Quando estamos lá, 'tá-se bem, só pensamos em sexo”

O PÚBLICO falou com um homem gay de 31 anos que adoeceu em Janeiro e esteve internado, com hepatite A. Toma drogas e participa em encontros onde tem “muitos parceiros de uma só vez”.

Os chamados encontros “chemsex” são muitas vezes descritos como festas ou orgias
Foto
Os chamados encontros “chemsex” são muitas vezes descritos como festas ou orgias Paulo Pimenta

A palavra “chemsex” não lhe diz nada. J. costuma fazer sexo em grupo sob o efeito de drogas, mas desconhece a expressão inglesa que descreve aquele comportamento e que na terça-feira à noite, depois das notícias que a associavam a um surto de hepatite A, levou muita gente a interrogar-se sobre as práticas sexuais a que se referia. J. vive em Lisboa, tem 31 anos e aceitou falar ao PÚBLICO sob anonimato. É um dos muitos homens gay portugueses afectados pelo recente surto desta doença.

Desde Janeiro, foram registados mais de 100 casos de hepatite A, de acordo com a Direcção-Geral da Saúde que, nesta quarta-feira, sublinhava que “pode acontecer com qualquer indivíduo”, reconhecendo, contudo, que muitos dos doentes são homens que fazem sexo com homens. “Sei de muitos casos recentes”, garante J.. “Agora, quando algum amigo publica no Facebook a dizer que está doente, ou no hospital, pergunto logo se tem hepatite A. O sexo com muitas pessoas ao mesmo tempo faz aumentar as probabilidades, mas eu não faço sexo de risco, tenho é muitos parceiros de uma só vez e sei que para se passar a hepatite às vezes basta um beijo.”

Festas ou orgias?

Os chamados encontros “chemsex” são muitas vezes descritos como festas ou orgias, mas J. apresentou uma perspectiva pouco sensacional destas práticas. “Encontramo-nos em casa de um amigo, depois basta contactar outros através do Grindr [rede social para telemóveis, muito popular entre o público gay]. Dizemos que somos 10 ou 20 e procuramos quem queira ir lá a casa. É o normal. Ou então enviamos mensagens a alguns que costumam estar connosco. O objectivo é termos todo o tipo de sexo. As drogas que usamos são as mesmas que há uns anos se vendiam nas smartshops. O bloom é uma delas, também há o GHB. Tudo isso afecta muito o fígado. O bloom liga uma ficha na cabeça, estimula o desejo. Quando estamos lá, 'tá-se bem, só pensamos em sexo.”

J. adoeceu na primeira semana de Janeiro, mas já em Dezembro do ano passado tinha conhecido uma pessoa com hepatite A. Foi o primeiro caso de que ouviu falar. Imediatamente, associou o problema aos encontros.

“Fui ao hospital porque tinha os olhos completamente amarelos e fiquei com medo. Contei o que tomava e o que não tomava e diagnosticaram-me hepatite A.” Ficou internado em Santa Maria durante duas semanas. “Os meus sintomas eram olhos amarelos, pele amarela, cocó muito branco e xixi escuro, parecia Coca-Cola. Também tinha um mal-estar na barriga, do lado direito. As pessoas pensam que é dor de barriga e começam a tomar ben-u-ron [paracetamol], mas isso ainda é pior para o fígado.”

Blow e miau-miau

Bloom, a substância que J. consome com frequência — “não é todas as semanas, mas já uso há muito tempo” — é um estimulante artificial com efeitos idênticos aos das anfetaminas: excitação, energia, perda de apetite, empatia. Blow e miau-miau são outros dos nomes de rua da substância a que os especialistas chamam mefedrona. Tornou-se corrente em Portugal a partir de 2009, dois anos depois de ter sido identificada pelas autoridades pela primeira vez, segundo o World Drug Report, da ONU.

Circulou legalmente durante vários anos, vinda da China, da Índia e de alguns países do Leste europeu. Em Lisboa, vendia-se por cerca de 30 euros em smartshops, as lojas de “drogas legais”. Em meados de 2013, o Governo ilegalizou dezenas de substâncias psicoactivas e obrigou ao encerramento das smartshops. O negócio transferiu-se para o mercado negro. As embalagens custam cerca de 40 euros, segundo J. “É preciso falar com quem sabe, ir tomar um café, conversar pessoalmente. Mas também não é uma coisa totalmente escondida.”

O entrevistado confirmou a ideia corrente de que estes encontros para sexo podem durar dois dias, de sexta a domingo. Regra geral, os participantes levam o corpo à exaustão. “O meu consumo é controlado, mas conheço pessoas que consomem de forma descontrolada”, afirma J. “Ficam duas noites sem dormir e quase sem comer.”