Ex-bastonário dos médicos quer importar para Coimbra o modelo de Moreira no Porto

Para a primeira acção da sua candidatura à Câmara de Coimbra, José Manuel Silva convidou o autarca independente do Porto, para falar da sua experiência.

Fotogaleria
José Manuel Silva evr Enric Vives-Rubio
Fotogaleria
Rui Moreira PAULO PIMENTA

Nunca estiveram juntos, mas existe uma enorme admiração mútua. Ambos são independentes e têm pela frente o desafio das eleições autárquicas: Rui Moreira que se recandidata no Porto; e José Manuel Silva, o ex-bastonário da Ordem dos Médicos (OM), que se estreia em Coimbra.

Num gesto invulgar, se não mesmo inédito netas lides autárquicas, José Manuel Silva convidou o presidente da Câmara do Porto para participar, no dia 29, numa conferência que assinala a primeira iniciativa de campanha do ex-bastonário em Coimbra. O autarca portuense, que em 2013 roubou a câmara da segunda cidade do país ao PSD, tornou-se num ídolo para este independente. “O Porto é um excelente exemplo e, com humildade e com muito interesse, pretendemos ouvir na primeira pessoa a experiência autárquica de Rui Moreira e aprender com ela”, declarou ao PÚBLICO o médico de Coimbra.

Generoso nos elogios ao autarca portuense, diz que “Rui Moreira foi o primeiro candidato a ganhar uma autarquia de grandes dimensões, desbravando um caminho que pode facilitar e potenciar que outros o percorram da mesma forma”. “Nós, em Coimbra, protagonizamos uma candidatura completamente independente, sem qualquer apoio, e queremos dinamizar e projectar a cidade para o futuro “, declara.

“Rui Moreira afirmou-se como uma figura nacional, com uma voz forte e independente que muito tem beneficiado a cidade. É um exemplo, e sendo uma figura nacionalmente conhecida, despertará, seguramente, a atenção das pessoas”, sustenta. O candidato, que criou o novo movimento Somos Coimbra, revela que a ideia de convidar o independente que preside ao Porto “surgiu naturalmente”. Além de ganhar as eleições, fez um bom trabalho, unanimemente reconhecido, e o difícil era não nos termos lembrado dele”, observa. Sublinhando que decidiu candidatar-se por uma “questão de convicção”, José Manuel Silva afirma que, quando aborda as pessoas na rua, sente que “é possível repetir a experiência do Porto em Coimbra". "Essa é a percepção que temos quando falamos com as pessoas. A população está receptiva a outras iniciativas independentes”, sustenta.

Entusiasmado com o projecto que tem para a cidade que adoptou, o médico adianta que a sua “principal preocupação” é apresentar aos cidadãos uma candidatura verdadeiramente independente, sem qualquer condicionamento partidário, inclusiva, abrangente, com uma voz forte - e os cidadãos de Coimbra decidirão”.

José Manuel Silva e o movimento Cidadãos Por Coimbra, que em 2013 elegeu um vereador, ainda tentaram um entendimento. Mas encontrou uma oposição feroz por parte do sector próximo do Bloco de Esquerda no movimento, que nas últimas autárquicas não apresentou candidato, para apoiar o CPC. É por isso que José Manuel Silva se viu obrigado a criar o seu próprio movimento, o Somos Coimbra.

Afirmando que, se perder as eleições, assumirá o lugar de vereador no executivo, o candidato, que chegou a militar no PPD/PSD quando era ainda estudante, inspira-se agora no presidente da autarquia portuense: “Rui Moreira demonstrou na segunda cidade do país que é possível uma segunda via, e agora as pessoas mobilizam-se”.

Ao PÚBLICO, o candidato confessou a sua “grande curiosidade” em ouvir o que Rui Moreira tem para dizer aos eleitores de Coimbra e disse que sempre confiou na vitória deste. “Acreditei que era possível. A sua vitória poderá ter surpreendido muita gente, mas a minha expectativa era a de que venceria as eleições e faria um bom trabalho que o país reconheceria (...) Rui Moreira veio proporcionar confiança a quem queira apostar em candidaturas independentes”.

Lisonjeado com o convite, o presidente da Câmara do Porto enaltece também o percurso do candidato a Coimbra e não esconde a admiração que tem por ele e pela forma como tem estado na vida pública. “Não diz coisas evidentes, por isso é uma pessoa com quem simpatizo. Nunca estivemos juntos, mas tenho por ele muita consideração”.

Rui Moreira destaca o “enorme potencial que Coimbra tem, com a qual o Porto pode partilhar experiências”, e revela que foi esse o espírito com que se disponibilizou para marcar presença na primeira acção da candidatura do independente José Manuel Silva. “Coimbra é uma cidade que tem perdido dimensão e muita dinâmica e eu vou partilhar as ideias que apresentei ao Porto”, avança. “A ideia que eles têm é uma ideia semelhante à do Porto, ou seja, pretendem criar um movimento cívico envolvendo cidadãos de vários quadrantes políticos, alguns que nunca estiveram ligados à política, como era o meu caso”, compara.

Rui Moreira admite que as recente alterações à lei eleitoral autárquica potencia o aparecimento de candidaturas como a do ex-bastonário da OM. O autarca do Porto considera que valeu a pena ter escrito aos vários grupos parlamentares, sensibilizando-os para que a lei eleitoral autárquica fosse actualizada em relação às candidaturas protagonizadas por grupos de cidadãos: “Apesar de tudo, conseguiu-se aquilo que era fundamental - era não ficarmos feridos pela imponderabilidade. Se me pergunta se gostava que a lei fosse mais longe, gostava, mas aquilo que conseguimos permite-nos avançar com alguma tranquilidade", diz o autarca, para quem ficaram acauteladas as candidaturas independentes face ao "o perigo de alguém [que integre as listas] morrer, ficar inibido de se candidatar ou de haver uma traição qualquer”.