Fez-se passar por jornalista e roubou a camisola de Tom Brady (outra vez)

A camisola do herói da Super Bowl 51 tinha desaparecido na noite de glória de Tom Brady. Foi agora encontrada no México. E estava junto de outra camisola na final de 2015.

Tom Brady já conquistou cinco Super Bowls na carreira, todas com os New England Patriots.
Foto
Tom Brady já conquistou cinco Super Bowls na carreira, todas com os New England Patriots. Reuters/ADREES LATIF

A liga de futebol americano (NFL, na sigla inglesa) anunciou esta segunda-feira que foi recuperada a camisola roubada a Tom Brady no final da Super Bowl 51, a 5 de Fevereiro, quando os New England Patriots recuperaram de um desvantagem de 25 pontos para conquistarem o seu quinto título da NFL. O objecto foi localizado no México na posse de alguém que tem um historial de roubar memorabilia para depois lucrar com a sua venda.

O porta-voz da NFL, Brian McCarthy, anunciou no Twitter que, depois de uma investigação conjunta entre as equipas de segurança dos New England Patriots, o FBI e outras forças da autoridade, foi possível reaver a camisola que Brady utilizou no jogo que em que o americano foi eleito a figura do encontro (MVP, na popular sigla inglesa). A peça, cujo valor de venda ascende aos 500.000 dólares, foi encontrada na posse de um indivíduo que detinha uma credencial de jornalista internacional para a Super Bowl.

O chefe da polícia de Houston, Art Acevedo, referiu que o paradeiro da camisola de Brady foi localizado no México e que a peça foi recuperada com a ajuda do FBI e das autoridades mexicanas.

McCarthy disse que na mesma busca foram também encontrada a camisola que Brady usou na Super Bowl 49. A revista Rolling Stone escreveu que o analista da Fox Sports, Jay Glazer, disse que os Denver Broncos acreditam que o capacete e chuteiras do seu jogador Von Miller, usados na Super Bowl 50, terão sido roubados pela mesma pessoa, que tem historial de se fazer passar por jornalista. 

“Eu não acredito que ele seja mesmo membro dos media. Mas ele estava a fazer-se passar por um membro da imprensa internacional. Conseguiu credencial [para a Super Bowl]”, afirmou Glazer. O analista disse que as imagens das câmaras de vigilância registam o suspeito a entrar, sem qualquer material, no balneário dos Patriots atrás do treinador da equipa, Bill Belichick, e a sair depois com “qualquer coisa debaixo do seu braço”.

Depois da conquista da Super Bowl 51, evento para o qual, segundo o The New York Times, foram emitidas aproximadamente 5700 credenciais para a imprensa, o balneário dos Patriots encheu-se de jogadores da equipa, do corpo técnico e de membros dos media. Nas imagens das câmaras de vigilância, vê-se também o presidente do clube, Robert Kraft, a dirigir-se a Tom Brady, que diz que “alguém roubou” a sua “camisola de jogo”, apontando para o local onde o furto foi cometido. “Eu pus [a camisola] no meu saco, saí e depois não estava lá”, disse Brady, citado no site da NFL. O mistério é agora desvendado: a camisola viajou de Houston para o México.