Costa responde a Schäuble: "Contra factos não há argumentos"

Ministro das Finanças alemão disse esta quarta-feira que Portugal se deve certificar de que "não precisa" de um resgate.

O primeiro-ministro respondeu aos jornalistas, no Porto, à saída da cerimónia de inauguração do Centro Tecnológico da Euronext
Foto
O primeiro-ministro respondeu aos jornalistas, no Porto, à saída da cerimónia de inauguração do Centro Tecnológico da Euronext LUSA/JOSÉ COELHO

O primeiro-ministro respondeu esta quarta-feira com dados económicos positivos da economia portuguesa, salientando que "contra factos não há argumentos", depois de o ministro das Finanças alemão ter dito que Portugal se deve certificar da necessidade de um novo resgate.

"Os números são simples: 2,1% de défice, o melhor em 42 anos de democracia, 2% de saldo primário positivo, diminuição de um ponto da dívida líquida, estabilização da dívida bruta e começo da redução, estabilização do sistema financeiro, criação de 118 mil postos de trabalho líquidos. Estes são os números. E contra factos não há argumentos", declarou António Costa.

O primeiro-ministro respondia aos jornalistas, no Porto, à saída da cerimónia de inauguração do Centro Tecnológico da Euronext, que vai criar 120 postos de trabalho.

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, disse esta quarta-feira que Portugal se deve certificar de que "não precisa" de um resgate e lembrou que a pressão imposta pelos planos de resgate "funcionou bem". "Certifiquem-se de que não precisam de resgate", disse o ministro alemão numa conferência de imprensa em Berlim, citado pela agência financeira Bloomberg.

António Costa afirmou ainda que há "empresas estrangeiras que apostam e confiam em Portugal" assim como há "empresas alemãs que estão em Portugal e que estão a alargar o seu investimento em Portugal".