James Bond teve uma vida real e andou pelo Estoril, onde nasceu

Foi um dos mais importantes agentes dos serviços secretos durante a Segunda Guerra Mundial. Trabalhou para alemães, ingleses e americanos. Dusko Popov, um advogado e playboy sérvio, serviu de inspiração a Ian Fleming quando criou a personagem de James Bond em Casino Royale, aliás Casino Estoril.

Fotogaleria
Larry Loftis, o advogado americano autor de Na Toca do Lobo RUI GAUDÊNCIO
Fotogaleria
Hotel Palácio, no Estoril, onde se hospedava Dusko Popov CARLA ROSADO

Os espiões exercem a vingança por entre a falta de escrúpulos e as sombras do disfarce, apunhalam sem remorso e matam sem remissão. Mas um espião tem de ser sobretudo um “homem do espectáculo”. O sérvio Dusko Popov (1912-1981) nasceu para esse papel, capaz de usar todas as máscaras conforme a situação exigisse: impostor e vilão, patriota e herói, amante e assassino. Foi nele que o escritor inglês Ian Fleming, oficial da informação naval britânica encarregue de seguir Popov em Lisboa e no Estoril, em Maio de 1941, por causa de uma avultada maquia que os serviços secretos britânicos lhe tinham entregado, se inspirou para criar a sua personagem James Bond, o espião ao serviço de Sua Majestade. Dusko Popov, atraente, elegante e charmoso, era um agente duplo (mais tarde triplo), talvez o mais importante de todos eles durante a Segunda Guerra Mundial. Um advogado americano, Larry Loftis, escreveu agora a sua biografia em jeito de thriller, com segredos e conspirações: Na Toca do Lobo (editora Vogais). É a história do James Bond na vida real, a passear-se por Lisboa e pelo Estoril.

Lisboa era nesses anos “a última das capitais felizes” e “o porto da boa esperança” para milhares de refugiados. Os cafés ficavam abertos toda a noite e as línguas que ali se falavam não eram apenas o inglês, o francês, o alemão, mas também o romeno, o japonês e o russo. Os restaurantes estavam cheios. As bancas de jornais abarrotavam com edições do New York Times, Der Spiegel, Time, London Daily Mail, ou do Saturday Evening Post. Aviões alemães e ingleses estavam estacionados lado a lado na base aérea de Sintra e os espaços de propaganda política dos dois países ocupavam por vezes lojas localizadas lado a lado. Os espiões do Eixo e dos Aliados alojavam-se nos mesmos hotéis e sentavam-se lado a lado nos bares de hotéis elegantes em Lisboa, Estoril ou Cascais. Agentes da Gestapo observavam a descontracção de judeus endinheirados na praia do Tamariz. O Casino do Estoril vibrava a noite inteira, em todas as noites. Encontrar uma cama na cidade era tarefa árdua, de tal maneira que o correspondente do Times de Londres escreveu, em Dezembro de 1940, que os generais americanos dormiam em sótãos porque não conseguiam alugar quartos em hotéis. Tanto a Grã-Bretanha como a Alemanha mandavam centenas de diplomatas e espiões para Lisboa. Um jornalista americano, referido por Larry Loftis no seu livro, contou que quando o chefe da Gestapo em Portugal entrava no casino, os croupiers cumprimentavam-no em alemão e os oficiais das SS levantavam-se das mesas para lhe apertarem a mão.

Agente duplo no casino

Nascido em 1912, na Sérvia, Dusko Popov era neto de um banqueiro e industrial, e passou a infância entre a casa da família em Belgrado e o refúgio de Verão em Dubrovnik. Aos 16 anos, o pai inscreveu-o numa escola elitista nos arredores de Londres, mas de onde acabou por ser expulso ao fim de um mês. Foi transferido para um liceu em Paris, e mais tarde estudou Direito na Alemanha, em Friburgo, onde também se doutorou. Na década de 30, já com os nazis no poder, Popov chamou a atenção do Reich devido às suas conversas de café e acabou por ser preso. Quando tudo se aprontava para que fosse secretamente deportado para um campo de concentração (de onde só se sai “depois de morto”, como lhe disse um outro prisioneiro de cela), foi “inexplicavelmente” libertado e mandado ir de volta a casa na Sérvia. O facto da sua libertação “inexplicável” deveu-se a influências movidas por um seu amigo alemão, Johnny, de uma família rica de armadores – Johnny foi a pessoa que mais influenciou a vida de Dusko. Popov, que tinha uma incrível memória fotográfica, era culto e falava correctamente cinco línguas, escreveu nas suas memórias que Johnny tinha um conhecimento enciclopédico e que as suas “recordações eram infalíveis”.

Em Fevereiro de 1940, Popov era um bem-sucedido advogado de negócios em Dubrovnik, e tinha negócios que passavam pela embaixada alemã. Um secretário da embaixada propôs-lhe então que se infiltrasse em determinados círculos sociais e económicos para obter informações sobre um banqueiro. Dusko Popov lembrou o diplomata que a Alemanha o expulsara do país, ao que o secretário respondeu: “o passado está esquecido”. Popov hesitou por algum tempo, não precisava de mais negócios nem de mais dinheiro. Dias depois foi contactado pelo seu amigo Johnny para lhe pedir que servisse de intermediário num negócio de barcos, e este informa-o de que se tinha juntado a uma das duas agências secretas de informações, a Abwehr. O mote estava dado, mas a vida reservara mais surpresas a Popov: dias depois, um sargento inglês, chefe da delegação do MI6, contacta-o para uma reunião. Dusko falou-lhe do recrutamento alemão, e o sargento disse-lhe para entrar no jogo. Saiu de lá sem perceber bem onde estava: por respeito ao amigo Johnny não era propriamente um agente britânico, e estava prestes a tornar-se num agente da Abwehr. Não tardaria a ser um agente duplo. Um oficial inglês descrevê-lo-á assim: “era firme como aço, implacável, e tinha uma coragem e um sangue-frio que lhe permitiam circular vezes sem conta entre os quartéis-generais dos serviços secretos alemães em Lisboa e Madrid, quando corria o risco de ser abatido”.

Lisboa era um pântano de espiões a esbracejarem entre mentiras e rumores. A informação era o bem mais valioso em circulação: mesmo os porteiros de hotel, os camareiros ou os empregados de balcão, poderiam estar a ser pagos por um qualquer país. A juntar a tudo isto, havia a polícia secreta portuguesa, a PVDE (Polícia de Vigilância e Defesa do Estado), chefiada pela figura misteriosa do Capitão Agostinho Lourenço. Um oficial do MI6 descreveu os agentes portugueses como “germanófilos com excesso de zelo”, e diz que era fácil encontrá-los no aeroporto, em paragens de eléctrico e na maioria dos átrios dos hotéis. Foi a esta azafamada colmeia de refugiados, diplomatas, informadores, agentes secretos e espiões, que Dusko Popov veio parar para “retirar o seu mel”.

No final de Novembro de 1940, ao chegar a Lisboa, e cumprindo as instruções recebidas, Dusko Popov contactou um major alemão e foi recolhido na Rua Augusta; depois, seguindo ordens da Abwehr instalou-se no exclusivo hotel Aviz, onde na altura vivia um dos homens mais ricos do mundo, Calouste Gulbenkian. Todo o hotel transpirava aristocracia no seu mobiliário francês do século XVII, nas pinturas nas paredes, nas peças em ferro forjado. O hotel Aviz era controlado pelos alemães. Mas poucos dias depois, Dusko Popov muda-se para o hotel Palácio, no Estoril, que era, tradicionalmente, pró-Aliados. Começava a sua aventura portuguesa.

Bond e Edgar Hoover

Dusko Popov fazia-se acompanhar quase sempre de uma mulher, quando não de duas ou três, nas suas movimentações. Entre vários episódios acontecidos, fica para a história da espionagem uma noite de Maio de 1941 no Casino do Estoril. Ian Fleming, então oficial da marinha britânica, tinha sido encarregado de seguir Popov para proteger o dinheiro que este trazia consigo, pertença do MI6. Dusko foi para o casino e apercebeu-se de que era seguido por Fleming. Decidiu afrontá-lo, em jeito de divertimento, apostando numa mesa de bacará todo esse dinheiro, 50 mil dólares – à época uma enorme fortuna. Uma proeza que teve um feliz desenlace. Esse episódio surge mais tarde no primeiro livro de Fleming, Casino Royale: o casino era o do Estoril, os penhascos da Bretanha eram em Cascais, e os hotéis Hermitage e Splendide eram os hotéis Palácio e Parque. James Bond afinal era Dusko Popov, que pouco tempo depois se tornaria ainda num agente triplo, ao serviço do FBI; J. Edgar Hoover ignorou os seus avisos sobre o interesse dos japoneses em Pearl Harbor.