O Porto é outra vez o destino europeu do ano. “Somos os maiores”

Presidente da câmara do Porto diz que mesmo que ninguém do país tivesse votado, a cidade teria vencido na mesma.

Foto
Rui Moreira não teme que o número de turistas na cidade cresça ainda mais Paulo Pimenta

O Porto volta a ser, em 2017, o destino europeu do ano, com uma votação recorde e que chegou de sítios absolutamente inesperados. Vá-se lá explicar porque é que os votos solitários de sítios como as ilhas Caimão, Feroé e Fiji, ou o Congo foram todos para o Porto. O presidente da câmara da cidade, Rui Moreira, tem uma explicação simples: “Somos os maiores.”

Foi assim que o autarca terminou a conferência de imprensa em que admitiu estar “contente” com a terceira distinção para a cidade, na competição promovida pela European Consumers Choice. E razões não lhe faltam. O Porto não só obteve 32% dos votos totais, como conseguiu a maior votação de sempre, com 138.116 votos, tendo sido a escolha de países tão improváveis como o Afeganistão ou a Antígua, locais que enviaram dois votos cada e todos para o Porto.

Mas a cidade venceu também em países com o maior número de participações, como os Estados Unidos, o Reino Unido, França, Dinamarca, África do Sul, Coreia do Sul, Suécia, Irlanda ou Canadá. De facto, quase 57% dos votos chegaram de fora de Portugal, com a cidade a vencer em 85 países, tendo sido a escolha de moradores em 174. Razões que levaram o presidente da Câmara do Porto a defender que, mesmo que nenhum português a residir em território nacional tivesse votado, a cidade teria vencido na mesma.

A concorrência era feroz, com cidades como a italiana Milão (2.º lugar), a polaca Gdansk (3.º lugar), a capital grega, Atenas (4.º lugar), Viena (7.º lugar) ou a espanhola Madrid (10.º lugar) a apresentarem-se à competição. Mas o Porto acabaria por vencer, e sem o apoio do Turismo do Portugal, disse ao PÚBLICO Rui Moreira. “Quando Lisboa concorreu, o Turismo de Portugal fez cinco acções [de promoção], este ano, fez zero. A única coisa que fez foi colocar um post no Facebook deles”, disse o autarca.

O agradecimento do presidente da câmara foi, por isso, para o Associação de Turismo do Porto, que promoveu a campanha de apelo ao voto na cidade, com figuras conhecidas da música, desporto ou moda. Rui Moreira preferiu destacar a participação do reitor da Universidade do Porto, Sebastião Feyo de Azevedo. “Ter um outdoor com o reitor a dar a cara pelo Porto… É sinal que a cidade está junta, está unida. Isto foi, acima de tudo, um esforço da cidade”, disse.

E, afinal, o que é que o Porto tem? “A cidade acumula vários factores: tradição, é extraordinariamente cosmopolita e um local onde as pessoas se sentem muito bem. E temos uma visão optimista, uma marca de que as pessoas também gostam”, disse o autarca nos Paços do Concelho, na tarde desta sexta-feira, meia hora depois de se conhecerem os resultados.

Realçando que esta foi “uma semana extraordinária para o Porto”, o presidente da câmara não quis centrar-se em problemas, e questionado sobre se o turismo crescente poderá vir a tornar-se problemático para a cidade, respondeu: “O Porto tem uma dimensão geográfica igual à de Bordéus e tem 10% do turismo que esta cidade tem. O que seria se estivéssemos fechados, tristes, a perder campeonatos?”. E com o campeonato como mote, o autarca disse mesmo que o próximo objectivo da cidade é ganhar “o tetra”, ainda que tal não possa acontecer já no próximo ano, já que, segundo as regras da competição, o vencedor não pode candidatar-se no ano seguinte.

Nélson Garrido
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Fernando Veludo
Nélson Garrido
Paulo Pimenta
Paulo Ricca
Paulo Pimenta
Nélson Garrido
Adriano Miranda
Diogo Baptista
Diogo Baptista
Adriano Miranda
Nélson Garrido
Diogo Baptista
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Paulo Pimenta
Adriano Miranda
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Manuel Roberto
Adriano Miranda
Paulo Ricca
Fotogaleria