Portugueses dormem pouco, mal, e nada fazem para o contrariar

Estudo revelado esta quinta-feira evidencia que os portugueses se deitam tarde e dormem menos do que deviam, o que pode ter fortes implicações na saúde.

Foto
As mulheres têm a sua quantidade e qualidade de sono mais afectadas do que os homens josé sarmento matos/Arquivo

Dois em cada três portugueses não dormem o suficiente, descansando sete ou menos horas por dia e 49% dos inquiridos dizem não conseguir dormir bem durante a noite. São estas as principais conclusões de um estudo realizado pela Conforama e divulgado esta quinta-feira. O presidente da Associação Portuguesa do Sono (APS), Joaquim Moita, diz que estes resultados são “preocupantes” e que estão “em linha com outros estudos que têm vindo a ser publicados”. “Os portugueses dormem pouco, dormem mal e não fazem nada para o contrariar”, sintetiza o médico, considerando que “a situação em Portugal é pior do que em outros países”.

Para o especialista, as pessoas deitam-se muito tarde em Portugal, “seja por razões laborais ou recreativas” e, por outro lado, as fábricas e escolas começam a funcionar desde muito cedo. “É dada pouca oportunidade às pessoas para dormir”, conclui Joaquim Moita. No estudo, é aclarado que 63% das pessoas se deita à meia-noite ou mais tarde e 28% já depois da uma hora da manhã. O presidente da associação considera essencial que se durma entre sete a nove horas por dia, “sendo profundamente errado dormir menos de seis horas e mais do que dez”.

O estudo foi realizado em Janeiro pela Conforama – uma cadeia de lojas de mobiliário especialista em sofás e colchões –, com recurso a uma amostra de 1200 pessoas com idade superior a 18 anos, sendo 48,3% homens e 51,7% mulheres. O presidente da APS considera que este estudo “é uma boa iniciativa da empresa”, pois ajuda a divulgar a “importância do sono”, que se aplica a todas as faixas etárias.

“É frequente as crianças levantarem-se às 6h da manhã para apanharem autocarros para a escola; depois chegam a casa tarde e ainda têm trabalhos para fazer”, exemplifica Joaquim Moita, acrescentando que o “cansaço físico e psíquico não são bons para promover o sono de qualidade”.

Tanto nas crianças como nos jovens e adultos, a privação de sono pode traduzir-se em consequências graves: diabetes, doenças cardiovasculares, sonolência diurna, problemas de memória e problemas de desenvolvimento cognitivo. Mais de metade das pessoas inquiridas reconheceram que dormir bem é essencial para melhorar a qualidade de vida, ainda que o estudo revele que, em contrapartida, são desconhecidas certas vantagens, como o reforço do sistema imunitário ou a melhoria do estado de humor.

Uma das conclusões do estudo com que Joaquim Moita não concorda é a de que os homens dormem menos do que as mulheres. “As mulheres dormem menos do que os homens e há razões para isso”, diz o médico, explicando que, a nível biológico, podem interferir os períodos menstruais, as flutuações hormonais ou a gravidez. A isto acresce um factor social: “as mulheres têm um papel complicado, têm que trabalhar e têm que desempenhar um conjunto de tarefas que ainda não estão devidamente distribuídas – tarefas relacionadas com os filhos e com a casa”, analisa Joaquim Moita. Estas exigências provocam um aumento da ansiedade e de stress nas mulheres que, por sua vez, prejudica a quantidade e qualidade de sono.

As condições de sonho

Três em cada cinco pessoas afirmaram que o colchão era “fundamental para garantir uma boa qualidade de sono”, ainda que 29% das pessoas admitam ter escolhido o modelo do seu colchão em função do preço. Joaquim Moita diz que um bom colchão é, de facto, um requisito para uma noite de sono bem dormida, sendo o melhor colchão “aquele que permite dormir bem”. Não obstante, o médico refere que o colchão deve evitar o aquecimento excessivo do corpo durante a noite, devendo ainda ter “propriedades elásticas que permitam que o corpo esteja confortável, sobretudo para quem tem doenças osteoarticulares”.

O médico aconselha ainda a que o quarto esteja a uma temperatura de 18 a 20ºC e que a obscuridade seja uma prioridade. “Não vale ter televisores no quarto, é um disparate”, diz Joaquim Moita, acrescentando que também não se deve utilizar smartphones nem tablets uma hora antes de dormir, uma vez que estes dispositivos emitem a chamada “radiação azul”. Esta radiação é “importantíssima em termos biológicos” mas, durante a noite, dificulta o adormecimento uma vez que inibe a produção de melatonina – a hormona do sono.

O presidente da APS dá ainda alguns conselhos para melhorar a qualidade das horas passadas nos braços de Morfeu. Deve-se levantar todos os dias à mesma hora – nos fins-de-semana pode levantar-se, no máximo, uma hora mais tarde – e deitar, igualmente, à mesma hora. Deve-se evitar fumar e beber álcool, devendo-se optar por refeições ligeiras, sobretudo ao jantar; o exercício físico é recomendável desde que seja moderado e não seja feito logo ao acordar ou antes de deitar. Outra recomendação é evitar os fármacos como as benzodiazepinas e alprazolam que ajudam a adormecer mas prejudicam a qualidade do sono, podendo ainda ter um potencial aditivo, refere o médico.

Na loja da Conforama da Amadora foi realizado esta quinta-feira o evento “Cama Gigante por Uma Boa Causa”, em que foi construída uma cama com cinco metros de largura e seis de comprimento, composta por 24 colchões individuais que foram posteriormente doados à instituição de solidariedade social AEIPS (Associação para o Estudo e Integração Psicossocial). Esta instituição desenvolveu um projecto chamado “Casas Primeiro”, que oferece a pessoas sem-abrigo a oportunidade de escolha e manutenção de uma casa individual. “Este tipo de donativo permite que pessoas em situação de sem-abrigo tenham acesso imediato a uma habitação individualizada”, disse, em comunicado, a presidente da instituição, Teresa Duarte.