Educação sexual: responder a perguntas sim, adiantar informação não

Daniel Sampaio defende que a metodologia é o mais importante na abordagem das questões relativas à educação sexual.

O psiquiatra Daniel Sampaio defende que a permanência na escola deve ser aproveitada para abordar temas relacionados com a educação sexual
Foto
O psiquiatra Daniel Sampaio defende que a permanência na escola deve ser aproveitada para abordar temas relacionados com a educação sexual ENRIC VIVES-RUBIO

O psiquiatra Daniel Sampaio, que integrou o grupo de trabalho que esteve na base da lei que introduziu a educação sexual nas escolas em 2009, não tem dúvidas de que a interrupção voluntária da gravidez (IVG) deve ser introduzida como um conteúdo a abordar no 2.º ciclo de escolaridade. E por razões até preventivas: “Como a primeira menstruação nas raparigas está a aparecer cada vez mais cedo, podem iniciar a sua vida sexual e engravidar.”

Daniel Sampaio tem contudo um grande "mas" a colocar a esta abordagem e que se prende com a metodologia. “É sempre o mais importante. A IVG, como aliás todos os aspectos da educação sexual, devem ser abordados a partir das dúvidas levantadas pelos jovens”. “Não se deve adiantar informação nessas idades que não seja solicitada”, resume.

Quanto às críticas a esta abordagem, lembra que são “as mesmas vozes” que se opuseram à introdução da educação sexual nas escolas, por entenderem que esta é uma missão que compete às famílias. “Só que os jovens estão muitas horas nas escolas e os pais estão a trabalhar, por isso a escola deve ser aproveitada como espaço” para estas aprendizagens, diz, ressalvando que os pais “devem ser ouvidos” sobre este processo.