Nova tendência do CDS junta Adriano Moreira, Manuel Monteiro e Ribeiro e Castro

Movimento Esperança em Movimento quer realizar encontros mensais

 A nova tendência do CDS-PP Esperança em Movimento anunciou esta quinta-feira a realização de encontros mensais temáticos, que em Março reúnem Adriano Moreira, Manuel Monteiro e Ribeiro e Castro, os "únicos presidentes verdadeiramente democratas-cristãos" do partido.

A Esperança em Movimento, que tem no sábado a sua primeira iniciativa, uma conferência sobre "bons exemplos autárquicos", em Cascais, pretende formalizar-se enquanto tendência interna, de matriz democrata-cristã, disse à Lusa Abel Matos Santos.

"O CDS tem uma carta fundacional que assenta nos princípios da democracia-cristã. O CDS nos últimos anos teve algumas derivas. Sentimos que, neste tempo novo e com esta liderança nova, era positivo e útil regenerar e voltar a por na ordem do dia os valores fundacionais do partido: a democracia-cristã", defendeu Abel Matos Santos.

Matos Santos, psicólogo de profissão, é vice-presidente da concelhia de Lisboa do CDS-PP, chegou a integrar o movimento interno do CDS Alternativa e Responsabilidade, de Filipe Anacoreta, e é conhecido por posições contra a adoção por casais do mesmo sexo.

Sublinhando que não se trata de "um movimento de rutura, de luta pelo poder ou de oposição à líder, mas um movimento que pretende acrescentar valor pela positiva", Matos Santos anunciou a realização de encontros mensais.

"Em Março, vamos reunir três figuras nacionais de prestígio e talvez os únicos presidentes verdadeiramente democratas-cristãos que o partido teve: Adriano Moreira, Manuel Monteiro e Ribeiro e Castro", afirmou.

A primeira iniciativa do movimento decorre no sábado, em Cascais, dedicada às "melhores práticas autárquicas do século XXI", para a qual foi convidada a presidente do partido, Assunção Cristas, para o encerramento, e o presidente da Câmara de Cascais e coordenador autárquico do PSD, Carlos Carreiras, a abrir.

O presidente da Câmara de Ponte de Lima e o presidente da Juventude Popular constam igualmente do programa.

Abel Matos Santos diz ter 100 pessoas inscritas para o encontro, número semelhante ao de subscritores do movimento, que para ser formalizado como uma corrente de opinião no partido precisa de 300 assinaturas.

"Nunca existiu nenhuma tendência formalmente organizada dentro do partido", sublinha Abel Matos Santos, que, apesar de ter participado no movimento AR, diz trata-se de organizações distintas, já que a última não terá sido constituída formalmente como corrente de opinião.

Os estatutos do CDS prevêem, no capítulo V, a existência de "correntes de opinião", que, de acordo com o artigo 43, "têm direito a indicar um representante para a Comissão Política Nacional, a serem ouvidos pelos órgãos deliberativos nacionais do Partido, neles se fazerem representar e a apresentar documentos".