Comandos ignoraram ordem para suspender curso fatal

General mandou parar prova dos Comandos mas esta prosseguiu na manhã seguinte. Militares responsáveis pela continuação da prova incorrem num crime de insubordinação por desobediência.

Foto
Chefe das Forças Terrestres diz que a sua decisão resultaria “no encerramento definitivo da Prova Zero” PEDRO CUNHA

O comandante das Forças Terrestres, general Faria Menezes, ordenou a paragem dos exercícios da instrução da chamada Prova Zero, após a morte de Hugo Abreu. O chefe militar não queria que estes continuassem na manhã de 5 de Setembro, mas a ordem não foi cumprida e a prova continuou. 

De acordo com uma fonte ligada ao processo-crime, o comandante das Forças Terrestres dirigiu-se efectivamente ao Campo de Tiro de Alcochete assim que lhe foi transmitida a informação da morte de Hugo Abreu e, no local, decidiu cancelar toda a instrução prevista para o dia seguinte o que, segundo realça numa carta entregue recentemente às autoridades judiciais, resultaria “no encerramento definitivo da Prova Zero”.

A confirmar-se toda a informação transmitida aos investigadores, os militares responsáveis pela continuação da instrução incorrem no crime de insubordinação por desobediência do Código de Justiça Militar, que prevê uma pena entre um a quatro anos de prisão, nas circunstâncias relatadas, ou seja, “em tempo de paz e em presença de militares reunidos”. Cinco oficiais e dois sargentos estão já indiciados pelo Ministério Público por crimes de abuso de autoridade por ofensa à integridade física, um crime estritamente militar.

Na resposta escrita às perguntas da procuradora do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa, Cândida Vilar, que conduz o inquérito-crime às mortes de Hugo Abreu e Dylan da Silva registadas primeiros dias do curso 127 dos Comandos, o comandante das Forças Terrestres, general Faria Menezes, sublinha que “não houve qualquer concordância” da sua parte quanto à continuação dos exercícios e que a ordem era para a Prova Zero não prosseguir. Esta prova dura habitualmente três dias consecutivos durante os quais os militares têm poucas horas de descanso. Também a água e a alimentação são sujeitas a racionamento.

O general diz ainda que a opção foi assumida "no local e transmitida ao comandante do regimento, na presença dos restantes oficiais, e sancionada pelo chefe de Estado-Maior do Exército, general Rovisco Duarte”. Isto, “sem prejuízo da continuação” do curso 127, decisão que seria avaliada "posteriormente" pelo Comando do Exército.

A decisão, acrescenta, foi tomada depois de se reunir, entre outros, com o comandante do Regimento dos Comandos, coronel Dores Moreira, e o director da Prova Zero, tenente-coronel Maia. Acrescenta ainda que os pareceres dos presentes foram “consensuais”.

No dia seguinte, porém, a instrução continuou com os instruendos ainda aptos que não estavam na enfermaria, de acordo com as inquirições de alguns envolvidos que constam do inquérito-crime consultado pelo PÚBLICO.

Na véspera – pelas 21h45 – a morte do 2.º furriel Hugo Abreu tinha sido declarada, 22 instruendos tinham necessitado de assistência na tenda de campanha de primeiros socorros, e o soldado Dylan da Silva, que viria a morrer no Hospital Curry Cabral no dia 10 de Setembro, fora levado para o Hospital das Forças Armadas, em Lisboa.

Vários instruendos no hospital

A 5 de Setembro depois da formatura às 7h20 da manhã, os instruendos iniciam cerca de uma hora de ginástica educativa e mais uma hora de técnicas de combate – como correr e rastejar – até fazerem uma pequena marcha em direcção ao local onde estavam as viaturas que os levaram de Alcochete (onde se realiza a Prova Zero) até ao Regimento dos Comandos da Carregueira, concelho de Sintra.

Na carta dirigida à investigação conduzida pelo DIAP em colaboração com a Polícia Judiciária Militar, o general Faria Menezes relata com pormenor as diligências tomadas na noite de 4 de Setembro. Porém, no que se refere à manhã de 5 de Setembro, não transmite detalhes sobre o desenrolar dos acontecimentos em Alcochete, de onde saíra de madrugada, pelas 4h. Diz apenas que durante o dia recebeu um “relatório verbal” do coronel Dores Moreira da “efectiva chegada da coluna” ao Regimento de Comandos na Carregueira. Por essa altura foi informado de que todos os instruendos tinham tomado conhecimento da morte de Hugo Abreu, do internamento de Dylan da Silva e do transporte de “alguns militares” para o Hospital das Forças Armadas.   

Entre esses, de acordo com as peças processuais do inquérito-crime, estavam quatro recrutas que não tinham passado pela enfermaria na véspera, além de dois que tinham estado na enfermaria e, mais tarde, tiveram de dar entrada nos cuidados intensivos do hospital militar.