Reportagem

Escolher entre a prisão e as bombas em Alepo

O avanço das tropas governamentais deixa as populações civis perante um dilema de vida ou de morte.

O regime tem autocarros à espera de quem decide ir para as áreas que controla
Foto
O regime tem autocarros à espera de quem decide ir para as áreas que controla Youssef Karwashan/AFP

À medida que as forças governamentais avançavam para o bairro rebelde de Sakhour, em Alepo, Hasan al-Ali enfrentava a escolha entre continuar onde estava e ser capturado pelo exército, ou fugir para um enclave rebelde cada vez mais pequeno sob constantes bombardeamentos.

Este pai de três crianças optou pela segunda hipótese – embora a comida, combustível, água e medicamentos estejam a esgotar-se nas áreas rebeldes – tão grande é o seu medo do Governo de Bashar al-Assad que os insurrectos tentam remover do poder há quase seis anos.

“Não trouxe nada comigo. Trouxe as crianças, corri para o meu carro e fui… Tomámos a decisão no último minuto, porque o exército poderia atacar a qualquer momento”, conta o homem de 33 anos, a partir do Leste de Alepo. Para Ali e milhares de outros habitantes das áreas que caíram para o exército nos últimos dias, o perigo e as privações do Leste parecem uma aposta mais segura do que a possível prisão ou o recrutamento no exército, caso se mudem para as áreas governamentais.

Mas enquanto alguns fugiram para o interior dos últimos bairros rebeldes, outros decidiram arriscar o perigoso cruzamento da linha da frente até às partes da cidade controladas pelo Governo, encarando esta opção como mais segura do que permanecer com quem está em desvantagem.

“Espero que a Síria regresse ao que era e que as pessoas possam ter a segurança e a paz que havia antes”, diz Abed al-Salam Ahmad, que viajou para o sector governamental com a sua mulher e as seis filhas depois de a sua casa ter sido atingida por uma bomba. O ex-operário de construção descreve as condições da casa como tão más que nem os animais iriam conseguir suportá-las e diz que os habitantes eram maltratados pelos rebeldes – algo que estes negam. A sua família fugiu ao amanhecer, escapando à troca de tiros quando atravessava a linha da frente. Ahmad falou com a Reuters TV numa fábrica de algodão abandonada na área de Jibreen, uma das duas instalações industriais abertas pelo Governo para receber os desalojados.

Os caminhos divergentes escolhidos por Ali e Ahmad ilustram as escolhas aterradoras que os civis enfrentam ao fugir de uma das batalhas mais ferozes da guerra síria. Tanto os rebeldes como o Governo se têm acusado mutuamente de manipular os receios dos habitantes de Alepo em seu favor. Os militares dizem que os rebeldes têm divulgado notícias falsas sobre abusos cometidos pelo Governo para impedir as pessoas de deixarem as zonas rebeldes. Pelo seu lado, os rebeldes dizem que as pessoas que falam em maus-tratos no seu território o fazem por medo do regime de Assad.

Desde que o exército avançou através da zona norte do enclave rebelde, há uma semana, capturando vários bairros grandes muito habitados, pelo menos 30 mil pessoas fugiram através da linha da frente a partir das áreas rebeldes, disse o gabinete que coordena as operações humanitárias da ONU. Milhares de outros – os números são mais difíceis de determinar porque as organizações internacionais não se encontram no Leste – recuaram para o sector dos rebeldes, incluindo para os bairros densamente habitados da Cidade Velha.

Muita fome

“Há muita fome. Eles estavam a dar-nos todos os dias ou a cada dois um saco de pão, ou seja, cinco pedaços de pão pita”, disse uma mulher que deu o nome de Um Ali, ou “mãe de Ali”, que fugiu para o sector governamental da sua casa no bairro de Jeb al-Qubba. Depois de o exército terminar a verificação dos seus documentos de identidade e dos da sua família, ela espera que possam mudar-se para casa do irmão num bairro na zona ocidental, que está nas mãos do Governo.

Muitos dos que escolheram permanecer nas áreas rebeldes acreditam que a verificação dos documentos de identidade é a antecâmara para detenções em massa, tortura e execuções extrajudiciais, e citam notícias de acções semelhantes – todas descritas por Damasco como fabricadas.

Na quarta-feira, o Observatório Sírio dos Direitos Humanos [ONG ligada à oposição, com sede em Londres e uma rede de activistas no terreno, cuja informação é frequentemente correcta] disse que o Governo deteve centenas de pessoas. Uma fonte militar síria negou e disse que enquanto as identidades estão a ser confirmadas, ninguém estava a ser detido, mas é a habitual a ONU denunciar detenções deste tipo em cidades onde o exército chega ou entre populações em fuga para zonas controladas por Assad.

Kalil Halabi, 35 anos, um farmacêutico do bairro de Shaar, perto da nova linha da frente, mudou-se com a sua mulher e filhos para a Cidade Velha rebelde, depois do que descreveu como onze dias de bombardeamentos cada vez mais intensos. “A destruição é indescritível, membros, membros de corpos queimados. Edifícios caíram e foram incendiados, mesquitas foram totalmente destruídas”, afirmou. “Perdemos muitas pessoas… por causa das bombas-barril e dos rockets. Alguns morreram, outros ficaram com lesões permanentes.” Outros do mesmo bairro fugiram na direcção contrária, procurando abrigo em áreas governamentais.

40 anos numa casa

Para as pessoas com quem a Reuters falou, a decisão de abandonar a casa, mesmo perante tão grande privação e depois de uma guerra que começou em 2011 e chegou à sua cidade em 2012, surge como ponto de viragem. Mahmoud Zakaria Rannan, costureiro do bairro de Sheikh Najjar que tem seis filhos e era proprietário de uma pequena loja, diz que a sua família decidiu finalmente sair depois de ele ter sido ferido e quando a sua casa foi bombardeada. “Estive na minha casa 40 anos, iria eu deixá-la algum dia?”

A família foi para o bairro de Sheikh Khudr e depois para a Cidade Velha. Mas à medida que os combates continuavam, decidiram por fim juntar-se ao irmão de Rannan no bairro governamental de Adamiya. “Temos crianças e eu estou ferido… tivemos de andar muito devagar”, explicou. A viagem incluiu uma caminhada de duas horas através da cidade, que começou às 4h da manhã. “Havia um grande grupo connosco. Eles atacaram-nos até na auto-estrada do aeroporto.”

Alguns dos que permanecem cercados no sector rebelde podem ainda esperar escapar por via de um acordo, semelhante ao que permitiu que milhares abandonassem Daraya, nos arredores de Damasco, e fossem para Idlib, controlada pelos rebeldes, após anos de cerco. “Irei para outra área, vou levar a minha família e procurar refúgio noutro sítio, numa zona libertada, onde não esteja o regime”, diz Hasan al-Ali. Não confio nada no regime para ficar nas áreas que controla”.

Sugerir correcção