Santa Maria da Feira recebe encontro mundial das indústrias criativas

Aquele que é tido como o maior evento mundial para profissionais do sector das artes de rua irá decorrer de 24 a 26 de Maio de 2017.

Foto
Há vinte anos que Santa Maria da Feira aposta nas artes de rua PAULO PIMENTA / PUBLICO

Santa Maria da Feira vai acolher de 24 a 26 de Maio do próximo ano o seminário internacional para o desenvolvimento das artes de rua, o Fresh Street, com mais de 400 decisores de todo o mundo a discutirem o futuro desse sector económico-cultural. O presidente da câmara, Emídio Sousa, acredita que, “pelo número de players internacionais” que participarão no evento, este Fresh Street será o equivalente ao Web Summit das indústrias criativas”. O município que acolhe o festival Imaginarius conseguiu superar cidades como Paris (França) e Hull (Inglaterra) na disputa pela segunda edição do evento bienal promovido pela rede europeia Circostrada.

A comparação com o mega-evento que reune dezenas de milhares de pessoas pode pararecer exagerada, mas Gil Ferreira, vereador da Cultura, insiste que“a importância deste seminário para a região Norte e para o país é idêntica à importância que o Web Summit tem para Lisboa e para o país”. “Está prevista a presença de 450 delegados, oriundos de quatro continentes, para discutir os caminhos da criação artistística contemporânea para o espaço público”, vincou o autarca.

As inscrições para participantes só arrancam na próxima semana, mas o pré-programa da iniciativa tem já confirmados 55 oradores de referência mundial, como o director do Sziget Festival da Hungria, o responsável pelo Centro de Artes de Rua da Coreia do Sul, a directora do colectivo egípcio Mahatat for Contemporary Art e o coordenador de efeitos pirotécnicos do festival norte-americano Burning Man.

Bruno Costa, director do Fresh Street #2, antecipa “três dias de trabalho intensivo”, com base num programa bilingue que, abrangendo mais de 30 sessões temáticas ou plenárias sobre aspectos de interesse global e regional, culminará na elaboração de um documento público sobre “o estado da arte do sector e a sua estratégia de futuro”.

Nesta segunda edição do evento – o primeiro Fresh Street decorreu em 2015, em Barcelona – irão, também, decorrer “sessões com foco específico em territórios de expressão portuguesa - como o Brasil, Cabo Verde e Macau - e terá também em discussão os caminhos das políticas públicas para o apoio às artes de rua, já que o programa acolhe, em paralelo, um encontro de decisores políticos à escala europeia”, revelou Gil Ferreira, sem deixar de se mostrar agradado com o facto de Santa Maria da Feira ter visto aprovada a sua candidatura ao acolhimento do evento. “É um reconhecimento de duas décadas a trabalhar os temas das artes de rua”, avaliou. Com Lusa