Menos portugueses procuram a Suíça

Quebra de fluxo migratório de Portugal para a Federação Helvética nota-se desde 2014, ano em que foi aprovada a iniciativa “contra a imigração em massa”.

No ano passado, 12.325 portugueses mudaram-se para a Suíça
Foto
No ano passado, 12.325 portugueses mudaram-se para a Suíça DENIS BALIBOUSE /REUTERS

Continua a ser um dos destinos preferidos de quem decide fazer as malas e sair do território nacional, mas menos desde a aprovação da iniciativa “contra a imigração em massa”. Pelo segundo ano consecutivo caiu o número de portugueses que emigraram para a Federação Helvética.

No ano passado, 12325 portugueses mudaram-se para aquele país, menos 2896 do que no ano anterior, indica o Observatório da Emigração, citando o Office Fédéral de la Statistique. Foi o segundo ano em que a emigração para a Suíça diminuiu: houve menos 24% em 2014 e menos 19% em 2015.

No site do Observatório, José Carlos Marques, professor adjunto na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Leiria aponta “estagnação económica, com um nível de crescimento que não chega a um por cento”, e instabilidade política” gerada em torno da livre circulação.

Não é um destino tão antigo como a França, a Alemanha ou o Luxemburgo. Nas décadas de 60 e 70, era desencorajador o estigma. A Suíça colocava os portugueses na lista de trabalhadores de “áreas distantes”, demasiado diferentes para se habituarem aos seus usos e costumes. Essa condição só foi revista na sequência da entrada de Portugal na Comunidade Económica Europeia, em 1986.

Na última década do século XX, a Suíça acolheu, em média, 1100 portugueses por ano. Ao longo da primeira década do século XXI, o fluxo foi crescendo, de forma progressiva, até estourar a crise do subprime: quatro mil em 2001, nove mil em 2002, 13 mil em 2004, 15 mil em 2007 e 17 mil em 2008.

Segundo dados do Office Fédéral de la Statistique, “com a introdução completa da livre circulação de pessoas, em 1 de Junho de 2007, houve um forte aumento na imigração, incluindo cidadãos da UE-17 e da EFTA [Associação Europeia de Comércio Livre]”. O número de portugueses continuou a aumentar, de ano para ano.

O país manteve um elevado nível de atracção nos anos em que Portugal, para responder à crise, se sujeitava a três planos de estabilidade e crescimento e um plano de ajustamento. Para a Suíça emigraram 12 mil portugueses em 2010, 15 mil em 2011, 18 mil em 2012, 20 mil em 2013.

As vozes nacionalistas e xenófobas ecoavam cada vez com mais força. Em 2014, a iniciativa “contra a imigração em massa” foi aprovada, com o apoio de 50,3% dos eleitores suíços. No ano passado, o país decidiu aplicar contingentes para trabalhadores estrangeiros. Já este ano, o Conselho Federal propôs uma quota anual de cidadãos da União Europeia (UE) que podem viver e trabalhar na Suíça.

No ano passado, havia 267 474 cidadão de nacionalidade portuguesa na Suíça, com maior incidência em Vaud, Genebra, Valais e Zurique. Um relatório, divulgado em 2015 pela Secretaria de Estado das Comunidades, em colaboração com a Secretaria de Estado das migrações, o Gabinete Federal das Estatísticas e o Gabinete das Seguranças Sociais), indica que trabalham, sobretudo, nos sectores da construção, da hotelaria, restauração e da agricultura.