Marés Vivas: quando era cool ser nadador-salvador

Foi a série mais vista de sempre, com mais de mil milhões de espectadores em todo o mundo. Quem nunca correu em câmara lenta na praia que atire a primeira pedra.

Fotogaleria
Parte do elenco com Mitch Buchannon (David Hasselhoff) ao centro DR
Fotogaleria
As esculturais nadadoras-salvadoras eram um dos atractivos da série DR
Fotogaleria
C.J. Parker (Pamela Anderson) foi uma das imagens de marca DR
Fotogaleria
O spin-off havaiano de Marés Vivas manteve os mesmos ingredientes, só a cor dos fatos-de-banho mudou DR
Fotogaleria
O elenco do filme que deverá estrear em 2017 DR

Quem nunca correu em câmara lenta na praia, qual Mitch Buchannon (David Hasselhoff) ou C.J. Parker (Pamela Anderson), que atire a primeira pedra. E quem nunca cantou desafinadamente o icónico tema de abertura de Jimi Jamison? Não sei ao certo quando a vi. Quando recuo no tempo, lembro-me apenas de ser miúda e estar colada à televisão. Também não sei se vi todos os episódios, mas o mais provável é que não tenha visto. Talvez por isso nem me lembre de grande coisa da história ou se calhar é porque não havia grande história ali: umas intrigas entre amigos, arrufos de namorados e um salvamento heróico por dia. Eis o resumo abreviado na minha cabeça de Baywatch ou Marés Vivas, na tradução portuguesa. Bom ou mau, a verdade é que a série deu-me um Verão infinito e brincadeiras várias.

Não será por acaso que Baywatch, que passou na televisão entre 1989 e 1999 e depois até 2001 numa espécie de spin-off no Havai, entrou para o Guiness como a série mais vista de sempre em televisão com mais de mil milhões de telespectadores em todo o mundo. Nem será por acaso que Hollywood prepara o seu regresso para 2017 não em série televisiva mas em filme, realizador por Seth Gordon com Dwayne Johnson, Zac Efron ou Alexandra Daddario.

Confirmados nesta nova produção estão já os incontornáveis David Hasselhoff e Pamela Anderson, sabendo-se já que não retomarão os seus antigos papéis – mas talvez seja melhor assim, deixemos o passado lá atrás. Já houve outras adaptações no passado e a coisa não correu muito bem, veremos o que acontecerá com esta. A verdade é que não há encanto como o primeiro, que é com quem diz pelos episódios de 50 minutos.

A história daquele grupo de nadadores-salvadores de Los Angeles que sobreviviam a tudo parecia só funcionar ali no pequeno ecrã. Apesar de não ter tido um começo fácil. A série foi cancelada logo à primeira temporada mas Hasselhoff, o líder dos nadadores-salvadores, acreditou que havia razões para apostar na produção e assumiu, a par do seu papel de actor, o cargo de produtor executivo.

Fossem os tubarões que atacavam os banhistas, um grupo de ladrões que lançavam o caos na praia ou até mesmo um terramoto, não havia nada quem travasse aquele grupo, sempre atento, mesmo que estivesse dividido entre mil e uma situações. Elas sempre em fatos-de-banho minúsculos, que me levavam a pensar, admito que com alguma inveja, na ginástica que teriam de fazer para os vestir, e eles de calções e peito ao léu. Tudo parecia tão simples e tão leve. Podia chover e fazer frio na rua que para mim, na hora de Baywatch, era sempre Verão.

Imaginei-me, é claro, a ser nadadora-salvadora e pergunto-me se não terá havido um ligeiro aumento de nadadores-salvadores nesta época.

Não me cheguei a aventurar, nem sei se tinha idade para isso na altura (não me parece!), mas na praia nada me impediu de improvisar alguns dos movimentos arrojados da série. Era a minha irmã dentro de água a esbracejar e a pedir socorro e eu qual protagonista a correr para a água para a salvar – invertemos os papéis algumas vezes, é verdade, mas eu fiz-me valer do facto de ser a irmã mais velha para ficar quase sempre com os louros. Acho que uma vez a brincadeira não correu tão bem. Tenho uma vaga ideia de termos sido chamadas à atenção por um nadador-salvador dos verdadeiros, que para minha desilusão estava longe daqueles que eu via na televisão. Ele não achou muita piada ao jogo, ficou confuso. Estava a trabalhar e nós a atrapalhar. Não bastava o rapaz estar longe do estereótipo criado no meu imaginário como ainda por cima me repreendia.  Nessa altura percebi, a realidade pode ser chata. A às vezes a televisão tem mais piada.

Nome original: Baywatch

Protagonistas: David Hasselhoff, Jeremy Jackson, Michael Newman, Pamela Anderson, Chris Fiore, Gregory Alan Williams, Alexandra Paul

Anos em que passou na TV: 1989-2001 (em Portugal passou na TVI a partir de 1995)

Esta série é publicada à segunda e à terça-feira. Próxima série: O Fantasma do Louvre

Sugerir correcção
Comentar