Argelinos detidos em Lisboa já tinham tentado entrar ilegalmente na Europa

Um dos cinco homens detidos vai ser repatriado ainda neste domingo. Os restantes serão presentes segunda-feira a tribunal.

Foto
Os cinco argelinos chegaram num voo da TAP vindo de Argel e deviam seguir para Cabo Verde Raquel Esperança (arquivo)

Um dos cinco argelinos que tentaram entrar ilegalmente em Portugal neste sábado ao fim da tarde, no aeroporto de Lisboa, vai ser repatriado ainda neste domingo para Argel, confirmaram ao PÚBLICO várias fontes. O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) vai escoltar o cidadão no voo de regresso à Argélia. 

Este argelino, ao contrário de outros quatro que tentaram fugir através da placa do aeroporto, manteve-se na sala de embarque da zona internacional e acabou detido pelo SEF, tendo passado a noite no centro de detenção existente no aeroporto.

Já os outros quatro foram detidos pela PSP, encontrando-se à guarda desta força até serem, esta segunda-feira, presentes a tribunal. O juiz decidirá se os julga imediatamente em processo sumário ou se lhes aplica uma medida de coacção até serem julgados mais tarde. O SEF acompanhará o processo, já que os imigrantes se mantêm em território português ilegalmente.

Foto
O momento da fuga protagonizada por quatro dos cinco argelinos detidos DR

Destino: Cabo Verde

Este incidente, o primeiro desta gravidade em Portugal, obrigou ao encerramento da pista do aeroporto de Lisboa durante 34 minutos, o que levou ao desvio de alguns voos para Faro e Porto.

Este grupo de argelinos saiu no sábado à tarde de Argel, num voo da TAP, com bilhete para Cabo Verde. Faziam escala em Lisboa, onde deveriam apanhar um novo avião para Cabo Verde. Alguns deles já tinham tentado entrar ilegalmente na Europa, através de outros países da União Europeia (UE), com o mesmo esquema: voar para um país fora da união, mas com escala num país europeu. A vantagem é que desta forma não necessitam de visto, porque estão apenas de passagem no espaço Schengen, não chegando formalmente a entrar em nenhum país da UE.

A Unidade Nacional Contra Terrorismo da Polícia Judiciária esteve a colaborar neste caso apenas para despistar alguma eventual ameaça, tendo concluído que os cinco argelinos não estão ligados a qualquer organização terrorista e apresentam cadastros criminais limpos. “São apenas imigrantes ilegais, que tentaram entrar em território português”, resume um responsável daquela unidade, desvalorizando o caso.

A ministra da Administração Interna também disse esta tarde que se tratou de uma "tentativa desesperada de imigração ilegal" e garantiu que o protoloco de segurança do aeroporto funcionou.