AMA acusa governo russo de envolvimento em doping sistemático

Relatório independente aponta participação do ministro dos Desportos e também dos serviços secretos.

Vitaly Mutko, o ministro russo dos Desportos
Foto
Vitaly Mutko, o ministro russo dos Desportos VASILY MAXIMOV/AFP

O Governo russo dirigiu e deu apoio a um programa de dopagem no desporto, com participação activa do ministro dos Desportos e também dos serviços secretos, de acordo com um relatório independente da Agência Mundial Antidopagem (AMA). O relatório do professor canadiano Richard McLaren refere que o programa “à prova de falhas” foi colocado em prática pelos responsáveis russos, inclusivamente durante os Jogos Olímpicos de Inverno Sochi 2014.

De acordo com o documento, o ministro dos desportos da Rússia, Vitaly Mutko, teve “participação activa” neste sistema, que teve a assistência dos serviços secretos nos laboratórios antidopagem de Moscovo e Sochi. “O laboratório de Moscovo operou para a protecção de atletas russos dopados, dentro de um sistema ‘à prova de falhas’ conduzido pelo estado”, especifica o relatório de Richard McLaren.

Na mesma conclusão, o responsável diz que o “laboratório de Sochi operou um método de troca de amostras, para permitir que os atletas russos dopados competissem nos Jogos Olímpicos de Inverno”.

A análise diz ainda que o ministro dos desportos russo teve uma intervenção directa no processo. “Dirigiu, controlou e supervisionou a manipulação dos resultados dos atletas ou da troca da amostra, e contou com a participação e assistência activa da FSB (serviços federais secretos russos), do CSP (Centro de Preparação Desportiva dos Atletas Russos) e dos laboratórios de Moscovo e Sochi”, lê-se.

Richard McLaren foi encarregado da investigação às acusações feitas pelo antigo director do laboratório antidopagem, Grigory Rodchenkov, actualmente a viver nos EUA, e que revelou como os serviços secretos ajudavam a ocultar o doping. “Estou firmemente confiante no nosso relatório”, disse McLaren, acrescentando que o mesmo “é credível e verificável”.

O professor responsável disse também que o testemunho de Rodchenkov foi credível e que se trata de alguém verdadeiro. De acordo com McLaren, cujo relatório foi nesta segunda-feira tornado público em Toronto, o programa intrincado de doping na Rússia “trabalhava como um relógio suíço” e ajudou pelo menos 15 atletas a serem medalhados.

O documento não visa apenas os Jogos Olímpicos de Sochi, mas também os Mundiais de atletismo de 2013, em Moscovo, com McLaren a apontar para a troca de amostras de urina positivas, antes das mesmas serem levadas para análise.

A intervenção de Richard McLaren no escândalo surgiu a pedido da Agência Mundial Antidopagem (AMA), no seguimento das acusações feitas por Grigory Rodchenkov quanto à manipulação de amostras nos Jogos de Sochi.

O Comité Olímpico Internacional (COI) recebeu as conclusões do relatório McLaren com preocupação. “Mostram um ataque chocante e sem precedentes à integridade do desporto e dos Jogos Olímpicos. Por isso, o COI não hesitará em tomar as sanções mais pesadas ao seu alcance contra quaisquer indivíduos ou organizações envolvidas”, prometeu o presidente do organismo, Thomas Bach.