Os bons rapazes também sabem ganhar

Durante 17 anos, Matthew Hayman foi conhecido como um capitão de rota. Até ao recente triunfo no Paris-Roubaix.

Foto
DR

Se esteve atento ao mundo do desporto nos últimos meses, o nome Matthew Hayman soar-lhe-á familiar. Se isso não acontecer, não se preocupe: até à assombrosa vitória no Paris-Roubaix, nem alguns dos mais fervorosos adeptos do ciclismo conseguiriam unir um rosto ao nome deste veterano australiano. A estória que hoje lhe contamos é um daqueles contos de fadas improváveis. Durante anos, mais precisamente 17, o homem que nasceu no subúrbio de Camperdown, a 20 de Abril de 1978, foi conhecido como um capitão de rota, um cérebro na estratégia de equipa. Em suma, um trabalhador e não um campeão.

Radicado na Europa desde 1997, ano em que se mudou para a Holanda com o irmão e assinou um contrato com a equipa de desenvolvimento da Rabobank, Hayman dedicou toda a sua carreira a ajudar os outros. Tornou-se profissional na formação holandesa, “a única família” que conheceu desde que emigrou, e por lá ficou até 2009 – terá sido aí que foi contagiado com a paixão pelo Paris-Roubaix e pelo pavé.

Cauteloso e sentimental, preferiu ir rejeitando ofertas. Mas a mudança tornou-se inevitável perante o aliciante projecto da então embrionária Sky. “Precisava de sair da minha zona de conforto”. Aos 32 anos, o australiano, que conquistou o ouro na prova de estrada dos Jogos da Commonwealth em 2006, abraçou o seu segundo projecto profissional, sem, no entanto, retirar grandes benefícios pessoais: a única vitória chegou na Paris-Bourges de 2011.

Avesso à mudança, Hayman deixou-se seduzir pela proposta da sua equipa nacional, a Orica-BikeExchange, que o convidou para ajudar na formação dos mais jovens e para trabalhar com alguns dos mais proeminentes ciclistas australianos. O apelo nacional foi mais forte e o antigo vice-campeão mundial de juniores de contra-relógio (1996) embarcou, em 2014, na aventura que ia mudar a sua vida. Com a idade a passar e a reforma ao virar da esquina, Hayman viu a possibilidade de lutar pelo seu sonho de criança esfumar-se. A cinco semanas do Paris-Roubaix, fracturou o braço numa queda. Os médicos garantiram-lhe que a convalescença era incompatível com o pavé.

O australiano fez ouvidos moucos. Treinou-se em casa, no seu “mundo virtual”, e a 10 de Abril lá estava, preparado para a 15.ª presença consecutiva no "Inferno do Norte". O resto é história viva do ciclismo. Hayman, que tinha estado quase toda a jornada em fuga, bateu no risco de meta o grande favorito, o "rei" Tom Boonen, evitando que o belga se tornasse o melhor de sempre no Paris-Roubaix. “Ele vive, ele respira para esta prova. Nas últimas edições, cada vez que o víamos no autocarro no final, estava em lágrimas a lamentar o azar que teve”, revelou a posteriori Shayne Bannan, o manager da Orica-BikeExchange. Este ano, no entanto, as lágrimas de Hayman foram de pura felicidade.

Unanimemente considerado como um dos bons rapazes do pelotão – o seu director desportivo recebeu mensagens de parabéns de 12 das 18 equipas do WorldTour , o veterano chega ao Tour como uma das grandes estrelas da formação australiana. “Adoro o meu trabalho, treinar, correr. Adoro correr para a equipa, ganhar por intermédio dos outros. Este não é um desporto em que podes continuar se não amares o que fazes”.