Segunda época de reintrodução do lince termina com libertação de fêmea

Desde Dezembro de 2014 já foram libertados 19 animais na natureza, no Parque Natural do Vale do Guadiana.

O momento em que “Moreira” foi devolvida à natureza
Foto
O momento em que “Moreira” foi devolvida à natureza DR

O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) anunciou ter terminado nesta quarta-feira a segunda época de reintrodução de lince-ibérico em Portugal com a libertação na natureza de uma fêmea da espécie no Alentejo.

Num comunicado enviado às redacções, o ICNF explica que a fêmea hoje libertada, no concelho de Mértola, no distrito de Beja, chama-se Moreira e nasceu a 6 de Março de 2015 no Centro de Cria de Lince-Ibérico El Acebuche, na Andaluzia, em Espanha.

Com a libertação de Moreira, "terminou a segunda época de reintrodução de exemplares de lince-ibérico" em Portugal, no âmbito do Projecto de Recuperação da Distribuição Histórica do Lince-Ibérico em Espanha e Portugal LIFE+Iberlince.

"Dá-se, assim, mais um passo em direcção ao estabelecimento de uma população selvagem e viável [de lince-ibérico], numa área geográfica que já foi parte da sua área de distribuição histórica, regressando à coexistência milenar com os humanos", frisa o instituto.

Segundo o ICNF, "para o lince-ibérico, uma população viável será alcançada quando se obtiverem cerca de 50 fêmeas estabilizadas no território", o que se "espera prosseguir" com a segunda época de processo de reintrodução da espécie.

Desde Dezembro de 2014, quando começou a libertação de exemplares de lince-ibérico em Portugal, já foram libertados 19 animais na natureza, no Parque Natural do Vale do Guadiana, no concelho de Mértola, no âmbito do projecto e nas duas épocas de reintrodução, mas só 17 estão vivos, após a morte de duas fêmeas.

O ICNF já confirmou o nascimento na natureza de três crias de lince-ibérico, filhas de duas fêmeas do núcleo de animais já libertados no concelho de Mértola, o que constitui "um dos mais relevantes marcos na já longa história da conservação do lince-ibérico em Portugal", iniciada há mais 30 anos com a campanha da Liga para a Protecção da Natureza (LPN) Salvemos o lince e a serra da Malcata.