Uma fenda de luz e outras notícias portuguesas “da frente”

Aires Mateus e Souto de Moura integram a presença portuguesa na exposição Reporting from the Front, a convite de Alejandro Aravena.

Foto
Antevisão da instalação Fenda, do atelier Aires Mateus DR

Pela terceira vez nas últimas quatro edições, o atelier dos irmãos Aires Mateus vai estar presente na Bienal de Arquitectura de Veneza. A convite do comissário geral do evento, Alejandro Aravena, os autores da sede da EDP em Lisboa vão apresentar a instalação Fenda, com a qual respondem à pergunta-desafio do comissário chileno: “Qual é a vossa batalha?”

Depois de admitir ter sido com um misto de surpresa e satisfação que receberam o convite de Aravena – “São escolhas pessoais dos comissários, e nós não nos conhecemos, nunca tivemos nenhum contacto, nem pessoal nem de trabalho”, refere –, Francisco Aires Mateus antecipou para o PÚBLICO o que será aquela instalação. “Partindo do princípio de que a arquitectura é uma disciplina muito abrangente, que permite batalhas muito distintas, centrámo-nos na questão do espaço”, diz o arquitecto, acrescentado que, com Fenda, quiseram marcar “o regresso à essencialidade do espaço mas na sua relação com o homem, no seu lugar antropológico”, lembrando continuar a ser esse “o valor essencial da arquitectura”.

Fenda é um cubo de medidas imperfeitas, já que terá, do lado de fora, as dimensões de 7x7x4 metros, e, no interior, de 5x5x4 metros. Entra-se nele abrindo uma cortina preta de burel, e atravessando uma parede, um barramento de betão com um metro de espessura. “Lá dentro, está-se numa espécie de gruta, cuja fenda de luz vai abrindo e fechando o percurso do visitante, mudando a escala da nossa apreensão do espaço”, explica Francisco Aires Mateus.

Nas suas presenças anteriores, Francisco e Manuel Aires Mateus apresentaram, em 2012, a instalação Radix, e, dois anos antes, integraram o Pavilhão de Portugal ao lado de Álvaro Siza, Ricardo Bak Gordon e João Luís Carrilho da Graça, na exposição No place like...

Carrilho da Graça está também este ano de regresso a Veneza, o mesmo acontecendo com Eduardo Souto de Moura, que em 2008 assinou, com Ângelo de Sousa, a instalação Cá fora: arquitectura desassossegada, e, em 2012, teve também uma obra muito próxima do seu mestre Álvaro Siza.

Outros nomes portugueses a integrar a mostra Reporting from the Front são Inês Lobo (Lisboa), menos é mais (Porto), Paulo David (Funchal) e Summary, de Samuel Gonçalves (Porto).