Crónica de jogo

O Benfica só perdeu o 35 durante três minutos

Vitória por 4-1 sobre o Nacional da Madeira. Gaitán marcou dois golos e foi a grande figura da tarde.

Fotogaleria
AFP PHOTO / PATRICIA DE MELO MOREIRA
Fotogaleria
AFP PHOTO / PATRICIA DE MELO MOREIRA
Fotogaleria
AFP PHOTO / PATRICIA DE MELO MOREIRA
Fotogaleria
AFP PHOTO / JOSE MANUEL RIBEIRO
Fotogaleria
AFP PHOTO / PATRICIA DE MELO MOREIRA
Fotogaleria
AFP PHOTO / JOSE MANUEL RIBEIRO
Fotogaleria
AFP PHOTO / PATRICIA DE MELO MOREIRA
Fotogaleria
AFP PHOTO / PATRICIA DE MELO MOREIRA
Fotogaleria
AFP PHOTO / PATRICIA DE MELO MOREIRA
Fotogaleria
AFP PHOTO / PATRICIA DE MELO MOREIRA
Fotogaleria
AFP PHOTO / PATRICIA DE MELO MOREIRA
Fotogaleria
AFP PHOTO / JOSE MANUEL RIBEIRO
Fotogaleria
AFP PHOTO / PATRICIA DE MELO MOREIRA
Fotogaleria
AFP PHOTO / PATRICIA DE MELO MOREIRA
Fotogaleria
AFP PHOTO / JOSE MANUEL RIBEIRO
Fotogaleria
AFP PHOTO / PATRICIA DE MELO MOREIRA
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Nuno Fox

A festa estava preparada, mas podia não haver festa. O Benfica dependia apenas de si, só que tinha de trabalhar para celebrar, porque o Sporting iria fazer o mesmo no Minho. Mas os “encarnados” fizeram mais do que o suficiente para garantirem o seu 35.º título de campeão nacional, triunfando sobre o Nacional da Madeira na Luz por 4-1 na jornada que encerrou o campeonato. Trinta e nove anos depois, o Benfica voltou a ser tricampeão, na época de estreia de Rui Vitória no banco benfiquista.

Durante os 90 minutos, mais a compensação, o 35 só não esteve na Luz durante três minutos, entre os 20’ e os 23’. Foi o tempo que passou entre o golo de Teo Gutiérrez, em Braga, e o primeiro de Gaitán, na Luz. Nesses três minutos, a hierarquia do campeonato mudou, mas, assim que o argentino marcou o primeiro, a festa “encarnada” ganhou outra consistência e foi em crescendo, com o acumular de golos, até à explosão final.

PÚBLICO -
Foto

O Nacional de Manuel Machado era o último obstáculo e até chegou a assustar aos 10’, com um remate perigoso de Agra ao lado, após boa jogada de Mauro. Mas o Benfica controlava o jogo com competência e sem nervos, disposto a resolver as coisas cedo. Aos 23’, a primeira explosão. Jonas deu o toque para Pizzi, que, face ao adiantamento de Gottardi, conseguiu meter a bola em Gaitán e o argentino, de ângulo difícil, fez o primeiro.

Antes do intervalo, foi Jonas a juntar mais um à sua conta, marcando aos 39’, após um excelente passe de Gaitán.

Alimentado pelo público entusiasta e pronto para a festa, o Benfica não desacelerou na segunda parte. Aos 65’, foi Gaitán a fazer o 3-0 em recarga a um primeiro cabeceamento de Mitroglou, após cruzamento de Jonas.

O título era irreversível e não haveria nenhum benfiquista que não tivesse um sorriso estampado no rosto. Até o fleumático Rui Vitória não continha as emoções e naqueles momentos só queria, por certo, que os minutos passassem depressa. Pizzi fez o 4-0 aos 84’ e Agra ainda fez um golo para o Nacional, batendo o recém-entrado Paulo Lopes, que também entrou para ser campeão. Pouca mossa para o que todos naquele estádio já sentiam.

Quando o árbitro Nuno Almeida apitou pela última vez, toda a gente gritou a uma só voz “tricampeões”. A faixa que estava preparada foi exibida numa das bancadas a dizer isso mesmo e a prometer uma sequela para a próxima época.