Câmara oferece bicicletas a alunos de Loulé

Município adopta 28 medidas para combater alterações climática e melhorar a qualidade de vida num concelho, em risco pelo avanço do mar

Foto
A autarquia investiu 354 mil euros neste projecto em defesa das deslocações em modo suave Daniel Rocha

A câmara de Loulé ofereceu nesta terça-feira 30 bicicletas para uso partilhado nas escola da cidade. A iniciativa, inserida nas comemorações do Dia da Cidade, que se assinala nesta quarta-feira, destina-se a dar um “sinal da mudança” que autarquia pretende levar a cabo nas politicas de ordenamento e do ambiente. A faixa do litoral deste concelho é uma das mais fustigadas pela acção do mar.

O uso da bicicleta nas deslocações dos alunos de casa para a escola continua sem  coberta no seguro escolar. “Incompreensível”, diz o presidente da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores da Bicicleta, José Manuel Caetano, adiantando que existe um “diploma pendente, metido na gaveta”. No final da legislatura do anterior Governo, explicou, a Assembleia da Republica aprovou um projecto de resolução recomendando a necessária alteração legislativa, mas ainda não teve efeitos práticos. Para ultrapassar o bloqueio, a câmara de Loulé pediu a extensão da área de coberta do seguro de responsabilidade civil, em vigor para os os utentes das ruas e vias municipais quando vítimas de situações inesperadas.

O presidente da Câmara, Vítor Aleixo, aproveitou a ocasião para destacar a adopção de 28 “Opções Estratégicas” a incluir nos regulamentos municipais com vista a fazer face aos desafios  relacionados com as alterações climáticas. O empreendimento turístico Vale do Lobo, por exemplo, já sofreu as consequências de ver o mar derrubar as casas construídas em cima das arribas. Mas há outas situações de alto risco na costa algarvia: Albufeira, neste último inverno, revelou as mazelas da falta de ordenamento.

“Estamos todos convocados para o risco da mudança”, sublinhou o autarca de Loulé, referindo-se às resistências transversais na sociedade.