Crónica de jogo

Benfica sofreu a abrir e apanhou susto a fechar

“Encarnados” ficaram em desvantagem logo aos 13 segundos, mas deram a volta ao resultado. Segunda parte com menos intensidade provocou alguns calafrios, mas não impediu regresso à liderança da I Liga

Jonas voltou a marcar
Foto
Jonas voltou a marcar Patrícia de Melo Moreira/AFP

Cerca de 48 horas depois de ter sido ultrapassado pelo Sporting, o Benfica recuperou a liderança da I Liga com um triunfo sobre o Vitória de Setúbal (2-1). Os “encarnados” viram-se em desvantagem no marcador logo no primeiro lance do encontro, mas assumiram o controlo do jogo e aos 24’ consumaram a reviravolta no resultado, que um inspirado guarda-redes dos sadinos só conseguiu adiar. No segundo tempo, o Benfica perdeu intensidade e não se livrou de um valente susto no último minuto, mas o triunfo não escapou.

O V. Setúbal apresentou-se na Luz com o centro da defesa reforçado com um terceiro elemento, mas mesmo assim os sadinos desferiram um golpe logo aos 13 segundos. A equipa de Quim Machado deu o pontapé de saída e a bola chegou a Gorupec, que teve espaço para avançar pelo lado direito. O croata fez o passe para a área, com a bola a passar por toda a gente até chegar a André Claro, que não desperdiçou a oferta.

Golpeado a sangue frio, o Benfica partiu para um período de domínio que culminou na reviravolta no marcador. Mas, antes, foi Ricardo a brilhar: o guarda-redes dos sadinos contrariou as tentativas de Jardel, Mitroglou e Jonas, e foi adiando o golo do empate. Mas, aos 19’, foi impotente para travar o remate de Jonas – o brasileiro só teve de encostar para o 1-1, após um cruzamento de Eliseu desviado por Gaitán, assinando o seu 31.º golo no campeonato.

O Benfica chegou ao 2-1 logo a seguir, com Jardel a desferir um cabeceamento potente após canto. E pôde então gerir como entendeu o ritmo da partida. Os “encarnados” voltariam a estar perto do golo antes do intervalo com Pizzi, diante de Ricardo, a fazer a bola passar por cima do guarda-redes. Mas Frederico Venâncio recuperou a tempo e evitou o golo.

A noite prometia ser tranquila, apesar de o Benfica não ter sentenciado a partida nas oportunidades de que dispôs. Só que os “encarnados” entraram para o segundo tempo sem a mesma intensidade e começaram a passar por calafrios. A baliza de Ricardo começava a ficar longe para a equipa de Rui Vitória, com alguns elementos a acusarem o desgaste físico acumulado.

No lado oposto, Ruca obrigou Ederson a uma boa defesa (60’), mas a melhor oportunidade surgiu já no período de compensação: um passe disparatado de Pizzi deixou Arnold Issoko isoladíssimo, mas Ederson tirou a bola ao avançado. Na recarga, André Claro atirou ligeiramente ao lado. E a Luz respirou de alívio.