Bloco de Esquerda quer proibir transgénicos nos Açores

A única deputada bloquista no parlamento regional dos Açores defende que se deve aplicar "o princípio da precaução", e relembra que desde 2010 que os OGM estão proibidos na Madeira. Em 2012 foi entregue uma petição com 1400 assinaturas pela regulação dos OGM.

Incerteza sobre os efeitos do consumo humano de OGM limita expansão da cultura
Foto
Zuraida Soares afirma que há plantações de milho transgénico nas ilhas. Foto: João Henriques

O Bloco de Esquerda (BE) nos Açores defendeu esta quinta-feira a proibição total do cultivo, importação e comercialização de organismos geneticamente modificados (OGM) vegetais na região, alegando ter conhecimento de produções de milho transgénico nas ilhas de São Miguel e Terceira.

"O BE não vai fazer o trabalho de Governo [Regional]. O BE sabe é que o Governo não está a fazer o seu trabalho, porque existem campos de ar aberto, em ambiente descontrolado onde se está a produzir OGM", afirmou a deputada bloquista, Zuraida Soares, numa conferência de imprensa em Ponta Delgada.

O BE entregou esta quinta-feira no parlamento açoriano um projecto de decreto legislativo regional que proíbe o cultivo, importação e comercialização de OGM vegetais e um requerimento ao Governo Regional, com quatro questões relativas à aplicação da legislação sobre os OGM em vigor nos Açores.

Em 2012, por proposta do Governo Regional, o parlamento açoriano aprovou legislação sobre os organismos geneticamente modificados, que regula a sua utilização nas ilhas. A iniciativa do Executivo açoriano surgiu após uma petição popular, com mais de 1400 assinaturas, que pedia a proibição do cultivo de variedades de OGM na região.

Zuraida Soares explicou que o decreto legislativo regional em vigor "apenas regula", mas os bloquistas pretendem a proibição, recordando que "há riscos para a saúde pública e preservação do ecossistema" associados aos OGM.

"Os Açores com uma marca 'Açores' que se pretende vender como verde, puro como a água, cristalina, não pode, de maneira nenhuma, estar a enganar as pessoas", disse a única deputada bloquista no parlamento regional, argumentando que "até se ter a certeza absoluta de que os OGM não são nocivos deve aplicar-se o princípio da precaução".

Segundo Zuraida Soares, a legislação em vigor nos Açores permite a existência de campos experimentais, sem a exigência de serem em ambiente fechado e controlado, e a comercialização, no que define como "contra-sensos que devem ser corrigidos".

Além da proibição, importação e comercialização de OGM, o projecto de decreto legislativo regional do BE prevê a existência de cultivo em ambiente controlado, "espaço interior ou exterior que garante a total ausência de contaminação biológica do meio envolvente", e apenas para fins de investigação científica.

Os bloquistas querem que o Governo Regional informe quantos requerimentos deram entrada nos serviços a solicitar permissão para cultivo de OGM nos Açores, quantas autorizações foram concedidas e o último relatório sobre o que se passa nas nove ilhas em termos dos campos experimentais de OGM, entre outros aspectos.

Zuraida Soares alegou que a iniciativa bloquista visa defender os Açores e recordou que, na Madeira, a produção e comercialização de OGM é proibida desde 2010.