Doze portugueses morrem em acidente numa carrinha sobrelotada em França

Acidente aconteceu em Moulins, no centro de França. A carrinha onde seguiam as vítimas partiu da Suíça e tinha como destino Portugal. Autoridades investigam se a viatura podia transportar os 12 passageiros.

Fotogaleria
A carrinha onde seguiam os 12 portugueses THIERRY ZOCCOLAN/AFP
Fotogaleria
Montbeugny THIERRY ZOCCOLAN/AFP
Fotogaleria
O procurador francês Pierre Gagnoud em Montbeugny, durante a conferência de imprensa sobre o acidente
Fotogaleria
A carrinha onde seguiam os 12 portugueses THIERRY ZOCCOLAN/AFP
Fotogaleria
Uma pessoa com flores no local para onde foram levados os corpos das vítimas, em Montbeugny
Fotogaleria
A carrinha onde seguiam os 12 portugueses THIERRY ZOCCOLAN/AFP
Fotogaleria
O presidente da câmara de Montbeugny no local para onde foram levados os corpos das vítimas

A carrinha que transportava os emigrantes portugueses que morreram quinta-feira à noite em Moulins, Allier, no Centro de França, estava sobrelotada. Apesar de o Ministério Público francês ainda estar a investigar o caso e de nenhuma fonte oficial ter confirmado a exacta lotação do veículo em que seguiam 13 pessoas (o condutor foi o único sobrevivente), as imagens do acidente comprovam que se trata de um furgão Mercedes Sprinter e não de um minibus, pelo que a lotação máxima nunca poderia ultrapassar os nove lugares. O mais provável, aliás, segundo fontes do meio automóvel contactadas pelo PÚBLICO, é que a lotação máxima deste veículo seja de seis lugares, uma vez que apenas tinha vidros laterais na porta do condutor e dos passageiros da frente e numa porta lateral - habitualmente, os furgões de nove lugares têm vidros laterais ao longo de todo o veículo.

Os 12 portugueses morreram quando a carrinha em que viajavam a caminho de Portugal colidiu, de frente, com um camião na noite de quinta-feira. A lotação do veículo é precisamente um dos focos da investigação das autoridades francesas, como admitiu uma fonte da polícia, citada pelo jornal La Montagne, quando foi questionada, em conferência de imprensa, sobre o facto de na carrinha seguirem 12 passageiros.

Um dos deputados do PSD eleito pelo círculo da Europa, Carlos Gonçalves, confirmou ao PÚBLICO que a carrinha é uma Mercedes Sprinter, que trazia também “um reboque enorme com bagagem e outros produtos”. “As autoridades francesas interrogam-se se o número de passageiros que transportava era o adequado para um veículo daqueles e estão a investigar”, acrescentou. 

As vítimas tinham idades entre sete e 63 anos, havendo entre elas uma criança e um adolescente. O condutor da carrinha, também português, de 19 anos, sobreviveu. Além da inexperiência, a idade do condutor levanta ainda outra questão. Mesmo que o veículo estivesse homologado para transportar estes 12 passageiros (o que não era o caso) só poderia ser conduzido por alguém com 21 anos, já que essa é a idade mínima estabelecida para conduzir veículos pesados de passageiros. Citando o procurador de Moulins, Pierre Gagnoud, a agência AFP adianta que o jovem, que sofreu uma fractura de pulso, se encontrava em estado de choque e continuava hospitalizado, à espera de ser ouvido no âmbito do inquérito ao acidente.

Os dois condutores italianos que seguiam no camião estão também hospitalizados. Tanto estes como o condutor português foram sujeitos a um teste de alcoolémia que deu resultado negativo, ou seja, não tinham bebido antes do acidente.

A carrinha onde viajavam os emigrantes portugueses pertencia a um empresário de Palhais, de onde são oriundos pelo menos três das 12 vítimas do acidente. Em declarações à SIC, o presidente da Câmara Municipal de Trancoso, município a que pertence Palhais, indicou que o proprietário da empresa é tio do condutor da carrinha, um jovem de 19 anos que sobreviveu.

Segundo o autarca, a empresa de Américo Pinto tinha outras carrinhas que faziam com regularidade o percurso onde se registou o acidente. Com a carrinha acidentada vinham outras duas, também com emigrantes oriundos da Suíça, que chegaram a Portugal sem problemas. 

Proprietário ferido

O conselheiro das comunidades portuguesas em Lyon, Manuel Lima, que também se encontra no hospital para onde foram transportados os corpos, indicou ao PÚBLICO que o proprietário da carrinha, que tem matrícula portuguesa, se encontrava no local do acidente quando as autoridades chegaram. Também estava ferido, mas seguia noutro veículo em circunstâncias que Manuel Lima ainda desconhece.  As autoridades estão à espera de poder ouvi-lo, bem como ao condutor português e aos motoristas do pesado com quem a carrinha chocou.

As vítimas mortais são dos distritos de Aveiro, Guarda e Viseu, mais concretamente dos concelhos de Cinfães, Sernancelhe, Oliveira de Azeméis, Pombal, Castelo de Paiva, Arouca e Trancoso, disse à Lusa fonte do Governo português. Segundo o deputado Carlos Gonçalves, o processo de identificação das 12 vítimas já foi concluído e estão a ser contactados os seus familiares na Suíça para procederam ao reconhecimento, o que já foi feito pela maior parte, Não se sabe ainda quando é que os corpos serão repatriados para Portugal. 

Fernando Rocha, um emigrante português em Romont, na Suíça, de onde terá saído a carrinha, lembrou à Lusa que é comum os emigrantes portugueses utilizarem este meio de transporte para se deslocarem da Suíça para Portugal. "Se for pagar agora um bilhete de avião para Portugal vai pagar uma fortuna em tempo de festas (Páscoa). As pessoas procuram esses meios (carrinhas, minibus) porque fica mais barato financeiramente", disse o português, que é treinador de futebol. 

Em declarações ao PÚBLICO, uma ex-vereadora de origem portuguesa do cantão de Vaud, que tem como capital Lausana, esclareceu que, por agora, a informação que têm é a de que todas as vítimas viviam em Romont, uma localidade do cantão de Friburgo, situada a cerca de 70 quilómetros. “É uma zona mais rural do que a nossa, mas que também tem fábricas e onde vivem muitos portugueses, mesmo os que vieram mais recentemente e que são mais qualificados”, indicou Adozinda da Silva.  

O veículo onde seguiam os portugueses saiu da Suíça por volta das 21h de quinta-feira, com destino a Portugal, e o acidente deu-se por volta das 23h45 na estrada nacional 79, em Montbeugny, no departamento de Allier. A carrinha desviou-se para a faixa contrária e colidiu de frente com o pesado, segundo o relato feito pelo jornal regional La Montagne. Na região, esta passagem é conhecida como a “estrada da morte”, escreve a AFP, que cita um vereador municipal que diz mesmo tratar-se da estrada mais mortífera de França.

Há muito que se reclamam obras na “estrada da vergonha” em França

Os corpos das vítimas foram transferidos para o centro hospitalar de Moulins, no departamento de Allier, no Centro do país, indicou um comunicado de imprensa da prefeitura de Allier enviado à Lusa. Foi aí que os familiares procederam ao seu reconhecimento. 

Para prestarem informações aos familiares e próximos das vítimas, o Ministério francês do Interior criou uma linha de emergência [o número é o 0033 (0) 811 00 06 03]. O ministério confirmou o início de um inquérito, cabendo às forças de polícias militarizadas (Gendarmerie) “apurar as circunstâncias exactas desta tragédia”.

“Os nossos serviços consulares em Lyon estão em contacto com as autoridades locais francesas para, não apenas acompanhar as conclusões do relatório policial, mas ao mesmo tempo acompanhar o processo de identificação legal das vítimas”, referiu o secretário de Estado.

Condolências

José Luís Carneiro não confirmou se, tratando-se de uma carrinha de pequena dimensão, as vítimas são todas da mesma família e pessoas conhecidas entre si. O secretário de Estado remeteu mais informação para o momento em que forem identificadas as vítimas, depois de concluído o relatório policial. Também não quis adiantar, para já, outras informações sobre os contornos do acidente. “Estamos a aguardar confirmação oficial em relação a estes factos, que nos têm vindo a ser relatados de várias fontes”.

Os Governos português e francês lamentaram as consequências do acidente. “Quero transmitir, em nome do Governo português, uma mensagem de condolências às famílias enlutadas, ainda por cima num momento tão especial da vida colectiva e também para muitos dos emigrantes portugueses que se encontram espalhados pelo mundo”, afirmou José Luís Carneiro.

Na rede social Twitter, a conta oficial do executivo reproduzia uma mensagem do primeiro-ministro, António Costa: Em meu nome e do Governo português, expresso as mais sentidas condolências às famílias dos portugueses falecidos no acidente em França.

 

Da parte do Executivo francês, reagiram o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, e o secretário de Estado dos Transportes, Alain Vvidalies, que em comunicado conjunto deixaram “aos familiares e próximos das vítimas as suas condolências e o seu inteiro apoio neste momento difícil”. O primeiro-ministro, Manuel Valls, deixou uma mensagem no Twitter, enviando as condolências aos familiares das vítimas.

Ao regional La Montagne, o autarca de Montbeugny também deixou uma mensagem de condolências. Guy Charmetant é uma das vozes críticas do traçado onde ocorreu o acidente, mas hoje quis deixar esse combate de lado, dizendo que o seu pensamento está com as famílias e unicamente para as famílias” das vítimas. com Lusa e H.D.S.