Arquitectura

Casa Casal dos Claros: a poesia dos pátios

Fotogaleria

É entre o bucolismo dos campos do rio Lis e urbanidade da periferia da cidade de Leiria que se situa a Casa Casal dos Claros. Projectada pelo atelier Contaminar, fundado em 2005 pelos arquitectos Joel Esperança e Ruben Vaz e pelo designer de equipamento e interiores Romeu Sousa, esta moradia de dois pisos está cercada por estufas e zonas de cultivo — é a própria habitação que vinca as fronteiras, rodeando-se, para isso, de pequenos pátios. São eles que "asseguram a privacidade e transportam o utilizador para um lugar diferente, de ambiente introspectivo, criando uma composição de cheios e vazio na planta e nos alçados", descreve o atelier em comunicado enviado ao P3. No centro do edifício, um pátio atravessa todo o edifício até à cave, onde se situa um pequeno jardim, dividindo também, no piso superior, a área social da privada. Um outro pátio separa a suite dos restantes quartos. Junto à cozinha, um terceiro pátio, revestido a madeira sucupira, comunica com o que está lá fora e, tal como o pátio da suite, lança a questão: estaremos no interior ou no exterior? Depois, ao longo de toda a casa, aberturas circulares quebram a rigidez do edificado. Para introduzir a "poesia necessária" nos espaços. Mais?

Sugerir correcção