A pressa do Arouca atrasou o FC Porto

“Dragões” derrotados em casa (1-2) e mais longe dos rivais na classificação. Fragilidades defensivas ditaram resultado negativo da equipa de José Peseiro, que pode queixar-se de golo mal anulado na segunda parte

Foto
Walter González foi o herói do Arouca Fernando Veludo/AFP

As perspectivas do FC Porto na luta pelo título complicaram-se com a derrota frente ao Arouca (1-2). Um adversário que entrou com pressa no Dragão, colocou-se em vantagem aos 11 segundos de jogo e criou muitas dificuldades à defesa “azul e branca”. Depois de já ter vencido o Benfica, na 2.ª jornada, a equipa de Lito Vidigal tornou a derrubar um dos “grandes” para voltar aos triunfos na I Liga após um mês sem vencer. A derrota, a primeira de José Peseiro no campeonato, deixou o FC Porto a seis pontos do Benfica, líder provisório da I Liga, e com menos cinco pontos do que o Sporting, que recebe o Rio Ave na segunda-feira à noite.

A noite começou da pior maneira para os “dragões”, que ficaram em desvantagem no marcador logo nos primeiros segundos. O Arouca deu o pontapé de saída, a bola passou por três jogadores até chegar a Zequinha, que avançou pela direita e colocou na área, onde Walter González fez o 0-1 sem oposição. Estavam decorridos 11 segundos de jogo e o reforço paraguaio dos arouquenses assinava o golo mais rápido da época.

O FC Porto demorou alguns minutos até conseguir assentar as ideias, mas aos 14’ criou o primeiro lance de perigo flagrante: Brahimi cruzou, com Aboubakar a corresponder de cabeça e Bracali a opor-se com uma grande defesa. Porém, no canto que daí resultou, o camaronês não perdoou e assinou o 10.º golo no campeonato após passe de Layún.

Os “dragões” estavam melhor, mas as oportunidades continuaram a rondar as duas balizas. Nuno Coelho rematou para defesa de Casillas (20’) e Corona obrigou Bracali a uma boa intervenção (24’). Pouco antes do intervalo, Mateus surgiu isolado após grande passe de Artur, mas, perante o guarda-redes, o angolano permitiu a defesa quando tinha tudo para repor o Arouca em vantagem.

Na segunda parte a equipa de Peseiro continuou a tentar dar a volta ao marcador, mas sem a mesma convicção com que o tinha feito no primeiro tempo. Mesmo assim, o FC Porto chegou a introduzir a bola na baliza adversária aos 63’, num lance mal invalidado pelo árbitro Rui Costa. Corona encontrou André André em posição regular e depois o português ofereceu o golo a Brahimi.

Aproveitou o Arouca, que deu a estocada fatal nos “dragões”. Numa bola longa batida por Bracali, Walter González cabeceou, com Maicon a facilitar e perder a bola para o avançado paraguaio, que acelerou e fez o segundo da noite. O FC Porto já não se recompôs e não evitou a primeira derrota de sempre com o Arouca.

Sugerir correcção