Nos e Meo lutam pelo Sporting

"Interessa-nos muito mais o dinheiro que entra no Sporting do que, propriamente, fazer figuras de grandes negócios e depois o dinheiro não entrar no clube”, diz Bruno de Carvalho.

Foto
Bruno de Carvalho, presidente do Sporting Bruno Simões Castanheira

Depois dos contratos milionários estabelecidos entre a Nos e o Benfica e a Meo e o FC Porto para a aquisição dos direitos televisivos dos jogos de futebol, o Sporting permanece como o único "grande" ainda sem acordo directo com nenhuma das operadoras a actuar no mercado nacional. Com vínculo activo com a PPTV, do empresário Joaquim Oliveira, até ao final da temporada de 2017-18, os jogos de futebol disputados pelos “leões” em Alvalade para o campeonato são o próximo grande alvo das empresas de telecomunicações, tendo duas delas (pelo menos) já apresentado propostas aos responsáveis do clube lisboeta. O desfecho das negociações deverá estar para breve, apesar de o presidente Bruno de Carvalho garantir que quer tratar este processo sem pressa.

“Sei que os operadores olham para nós com o carinho e respeito que o Sporting merece, mas, mais uma vez, como em tudo na vida, com calma e sem stress”, avisou esta segunda-feira o dirigente “leonino”, durante a apresentação da equipa de ciclismo do clube. Bruno de Carvalho confessou que estava expectante em relação ao desfecho das negociações que envolveram a Nos e a Meo com Benfica e FC Porto e quer agora um desfecho proporcional para os seus interesses, realçando que o Sporting “não estava, não está e não estará em saldo”.

“Fico feliz de verificar que os clubes têm contratos desta dimensão. Mas vamos ver depois nos relatórios e contas o que são esses contratos, de facto, em termos de cash. Interessa-nos muito mais o dinheiro que entra no Sporting do que, propriamente, fazer figuras de grandes negócios e depois o dinheiro não entrar no clube”, avisou. O objectivo de Bruno de Carvalho passa agora por aproveitar a guerra entre os principais operadores no mercado pelos exclusivos do futebol para garantir um acordo financeiramente tão compensador para os “leões” como os alcançados por Benfica e FC Porto.

Já em relação a números, o presidente sportinguista, segundo uma informação avançada esta segunda-feira pela TVI24, terá colocado em cima da mesa uma proposta entre os 35 e os 32 milhões de euros por temporada. Um valor que, ainda segundo a mesma estação de televisão, foi considerado excessivo pela Nos e pela Meo, que apontavam para verbas mais próximas dos 25 milhões de euros. De referir que a estes montantes, poderão ainda ser acrescentadas verbas referentes aos direitos de transmissão em exclusividade da Sporting TV e do patrocínio das camisolas “leoninas”, tal como ocorreu com o Benfica, em relação à Benfica TV, e com o FC Porto, que incluiu no contrato com a Meo o Porto Canal e o patrocínio nas camisolas dos “dragões”.

Seja qual for o valor definitivo acordado nas negociações com as operadoras é uma certeza que os “leões”, tal como os seus principais adversários, irão ver a rubrica de receitas televisivas das suas contas francamente valorizadas. O contrato com a PPTV actualmente em vigor garante ao Sporting uma receita de 15 milhões de euros por temporada (eram 11 milhões de euros no anterior acordo com a mesma empresa que cessou em 2012-13) e o montante poderá ser duplicado. Resta agora saber se a parceria será com a Nos ou com a Meo.