Incêndio destrói Museu da Língua Portuguesa em São Paulo

Museu era um dos mais visitados da cidade. Um bombeiro morreu no combate às chamas.

Fotogaleria
REUTERS/Paulo Whitaker
As chamas atingiram dezenas de metros da altura e chegaram à torre do edifício
Fotogaleria
As chamas atingiram dezenas de metros da altura e chegaram à torre do edifício AFP/Miguel SCHINCARIOL
Fotogaleria
AFP/Miguel SCHINCARIOL
Fotogaleria
AFP/Miguel SCHINCARIOL
Fotogaleria
REUTERS/Paulo Whitaker
Fotogaleria
AFP/Miguel SCHINCARIOL
Fotogaleria
AFP/Miguel SCHINCARIOL

O Museu da Língua Portuguesa, no centro de São Paulo, foi destruído na tarde desta segunda-feira por um incêndio de causas ainda desconhecidas.

Inaugurado em Março de 2006 pelo Presidente Lula da Silva, o músico e ministro da Cultura brasileiro Gilberto Gil e a ministra da Cultura portuguesa Isabel Pires de Lima, o museu interactivo estava fechado ao público por ser segunda-feira, dia de encerramento do espaço, mas um bombeiro civil que trabalhava no museu e foi o primeiro a tentar combater o fogo morreu asfixiado.

O incêndio, que deflagrou por volta das 16h e foi controlado ao final da tarde, começou na sala de exposições temporárias, no primeiro andar, e consumiu todo o espaço expositivo do museu, confirmou à Globonews o secretário estadual da Cultura de S. Paulo, Marcelo Araújo. Apesar da chuva que caía, o segundo e terceiro pisos, bem como o telhado do edifício histórico que albergava o Museu de Língua Portuguesa, foram destruídos pelas chamas.

O governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, visitou o local e prometeu reconstruir o museu, buscando o apoio da iniciativa privada. Segundo ele, cerca de 60 viaturas de combate a incêndios e 102 bombeiros estiveram no local.

O museu está localizado num edifício do início de século XX que integra uma das mais importantes estações ferroviárias da cidade, a Estação da Luz. A estação de comboios foi encerrada na sequência do incêndio.

O edifício foi renovado e adaptado para acolher o Museu da Língua Portuguesa pelo arquitecto Paulo Mendes da Rocha — o mesmo que assina o recém-inaugurado Museu dos Coches, em Lisboa — e o seu filho Pedro Mendes da Rocha.

Com cerca de quatro mil metros quadrados de área museológica, o museu apresenta um vasto conteúdo sobre a história da língua portuguesa, as suas variações e a exploração da língua na literatura brasileira, entre outros temas. Em 2014, foi o quinto museu mais visitado de São Paulo, com mais de 386 mil entradas. Em nove anos, apresentou exposições sobre Machado de Assis, Fernando Pessoa, Clarice Lispector, Jorge Amado e Agustina Bessa-Luís, entre outros.

Desde 20 de Outubro, apresentava uma exposição sobre a vida e obra do etnógrafo brasileiro Luís da Câmara Cascudo (1898-1986), onde terá começado o foco do incêndio. Além da exposição sobre Cascudo, o museu exibia uma mostra de cartoons, caricaturas e BD, mas as obras eram apresentadas digitalmente.

A perda causada pelo incêndio é sobretudo arquitectónica, já que o acervo do museu é virtual e encontra-se totalmente digitalizado, garantiu a curadora Isa Ferraz em declarações à imprensa brasileira. “Tudo isso pode ser recuperado. Temos todos os arquivos de todos os conteúdos”, explicou.

“O museu fez uma revolução na linguagem museológica”, disse a curadora à Globonews. “Revolucionou a maneira de tratar um tema difícil como a língua portuguesa. Durante quatro anos, uma equipa multidisciplinar de linguistas, historiadores, antropólogos quebraram a cabeça para criar algo completamente novo. O museu virou uma referência internacional.”

O ministro português dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse na noite de segunda-feira à Lusa que recebeu "com consternação" a notícia do incêndio, expressando "solidariedade" e lamentando a morte de um bombeiro em São Paulo. O museu tinha programado para 2016 uma exposição sobre José Saramago, depois de já ter feito mostras sobre Agustina Bessa-Luís e Fernando Pessoa - desde que abriu ao público, a instituição já recebeu mais de três milhões de visitantes.

Notícia actualizada às 09h03 com declarações de Augusto Santos Silva e indicação da programação prevista do museu