Torne-se perito

João Soares quer expor as 85 obras de Miró em Serralves

Ministro da Cultura diz já ter falado com o Ministério das Finanças para que se possa organizar a exposição da colecção.

Foto
Daniel Rocha

O ministro da Cultura, João Soares, disse neste sábado ter proposto à Fundação de Serralves que a primeira exposição das obras do catalão Joan Miró, na posse do Estado desde a nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN), se realize em Serralves, no Porto, já no próximo ano.

“Já abordei com o Ministério das Finanças que nós faríamos uma exposição pública desse acervo de Miró, que pertencia ao BPN, para que se possa fazer uma inventariação e depois uma avaliação e para que ele passe a pertencer ao acervo dos museus portugueses”, afirmou João Soares aos jornalistas, à margem de uma reunião com o presidente da Fundação de Serralves, Luís Braga da Cruz.

O ministro da Cultura sublinhou que seria “muito interessante, embora sem nenhuma espécie de data marcada, que, para o ano, a primeira exposição pública deste acervo do Miró [fosse] feita aqui em Serralves”, no Porto.

Questionado sobre os cortes orçamentais que instituições como Serralves sofreram nos últimos anos, João Soares realçou que a reunião com Braga da Cruz, que termina as suas funções no Conselho de Administração da fundação no final deste mês, foi “quase só de cortesia”.

“Não esperem de mim respostas em cima do joelho para questões que são sérias e que têm de ser tratadas com tranquilidade e maturidade como serão. É nessa perspectiva que nós aqui estamos e na perspectiva do que Serralves é e vai continuar a ser para o Porto e para o país”, afirmou o governante.

João Soares anunciou ainda que vai propor que Braga da Cruz receba a medalha de mérito cultural assim que termine o seu mandato à frente de Serralves.

Desde que o Governo de Passos Coelho anunciou a venda das 85 obras de Joan Miró, num leilão que devia ter acontecido na Christie's de Londres em Fevereiro do ano passado, que o Partido Socialista se manifestou contra esta posição. Além de defender a manutenção das peças em Portugal, o PS lamentava como estas nunca tinham sido expostas. Para o anterior Governo, a exposição das obras nunca foi uma opção em cima da mesa, uma vez que a prioridade que estas fossem vendidas "o mais depressa possível" de forma a abater o buraco do BPN.

Tal só não aconteceu porque o Ministério Público se opôs, desde logo, à venda, levando o caso para tribunal, onde correm ainda dois processos. Entetanto, este mês 41 obras deste conjunto completaram os dez anos em Portugal, podendo por isso ser classificadas sem a autorização dos seus proprietérios, a Parvalorem e a Parups (sociedades criadas para abater a dívida do BPN). 

Sugerir correcção