Huawei apresenta bateria que carrega 50% da capacidade em cinco minutos

Bateria de iões de lítio carrega em minutos e permite conversação de até dez horas.

Foto
Bobby Yip/Reuters

O gigante tecnológico chinês Huawei apresentou dois protótipos de baterias removíveis de iões de lítio de 600 mAh que permitem ser carregadas em 68% em dois minutos, apesar de na prática não permitir um período muito alargado de conversação telefónica, e de 3,000 mAh em 48% em cinco minutos, dando uma autonomia de cerca de dez horas ao utilizador.

Não é a primeira vez que é avançado um protótipo de bateria que pode ser carregada em minutos, resolvendo o problema do tempo de espera que pode levar em média duas horas para a capacidade da mesma ser reposta.

Ainda este ano, uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, na Califórnia, alegou ter criado a primeira bateria de alumínio de alta-performance que é rápida a carregar (cerca de um minuto), de longa duração e de baixo custo. O ano passado, investigadores da Universidade Tecnológica de Nanyang, em Singapura, desenvolveram uma bateria de iões de lítio que permite recarregar até 70% um telemóvel em apenas dois minutos e tem uma durabilidade de mais de 20 anos, dez vezes mais que as baterias existentes com as mesmas características.

Ainda mais rápida foi a proposta apresentada também em 2014 pela StoreDot Ltd, uma startup israelita, com sede em Telavive, de uma bateria desenvolvida para o Samsung Galaxy 4 que carregou o smartphone em apenas 26 segundos. Mais recentemente, a Samsung anunciou que as baterias do seu novo Galaxy 6 poderia funcionar durante quatro horas com apenas dez minutos de carregamento.

Agora é a vez da Huawei mostrar o que vale. A empresa explica em comunicado que usou heteroátomos – átomos que não são carbono ou hidrogénio –, o que aumentou a velocidade de carregamento em dez vezes sem afectar a densidade de energia ou o tempo de vida da bateria.

“A Huawei está confiante de que este avanço no carregamento rápido de baterias vai levar a uma nova revolução em dispositivos electrónicos, especialmente no que diz respeito a telemóveis, veículos eléctricos, dispositivos portáteis e fontes de alimentação móveis. Em breve, todos seremos capazes de carregar na totalidade as nossas baterias no tempo em que leva tomar um café!”, acrescenta a empresa chinesa.

Ainda não previsões para a comercialização das baterias.