O “tri” é All Black

Num grande jogo de râguebi, a Nova Zelândia derrotou a Austrália, por 34-17, e conquistou pela terceira vez o título mundial

Primeiros a ganharem três vezes o Campeonato do Mundo e primeiros a defenderem com sucesso o título. Os All Blacks escreveram neste sábado, em Londres, mais uma página de ouro na história do râguebi mundial e com uma vitória indiscutível, por 34-17, contra a Austrália, quebraram um tabu com mais de duas décadas: os neozelandeses nunca tinham levantado a taça Webb Ellis fora do seu país.

 

"Eu quero ser um grande All Black, mas não há possibilidades de seres um grande All Black sem conquistares o Campeonato do Mundo. Não podes negar que o Richie [McCaw] é o melhor número 7 do mundo. Não podes negar que o Daniel [Carter] é o melhor número 10 do mundo. Mas eles sabem, e eu sei, que, para sermos lembrados, temos que ganhar o Campeonato do Mundo." Há quatro anos, antes da final entre a Nova Zelândia e a França no Mundial 2011, a frieza da análise de Ali Williams, jogador que vestiu a camisola neozelandesa por 77 vezes, era reveladora da forma como a mentalidade All Black estava mudada.

PÚBLICO -
Foto

 

PÚBLICO -
Foto

Vencedores da primeira edição da competição, em 1987, os neozelandeses foram, nos cinco campeonatos seguintes, sempre considerados como os principais favoritos, mas nos momentos decisivos, um cocktail de soberba, excesso de confiança e prepotência acabou por se revelar explosivo e os All Blacks saíram sempre de cabeça baixa, sem levantarem a taça Webb Ellis. O chip, no entanto, mudou em 2007, com o afastamento nos quartos-de-final, o pior registo da história da Nova Zelândia.

PÚBLICO -
Foto

 

Conscientes de que serem os melhores nem sempre era receita suficiente para ganhar, os jogadores All Blacks deixaram de olhar apenas para o próprio umbigo e começaram a procurar, também, jogar em função do adversário que tinham pela frente para, assim, colocarem os seus nomes na história do râguebi mundial. Esse objectivo começou a ser conseguido com a vitória em 2011, mas para McCaw, Carter e companhia faltava superar um último teste: serem campeões fora da Nova Zelândia e tornarem-se nos primeiros a conquistar o “tri”. Para isso, os neozelandeses precisavam de derrotar os seus principais rivais e a última equipa que, apenas 85 dias antes, os tinha vencido.

 

Na grande final de Twickenham, certamente uma das melhores de todos os Mundiais, a entrada em campo dos All Blacks foi avassaladora e decisiva para o desfecho final. Nos primeiros 40 minutos os neozelandeses dominaram por completo a Austrália, mas merecido ensaio da Nova Zelândia apenas chegou no último minuto da primeira parte, marcado pelo ponta Milner-Skudder.

 

A supremacia All Black manteve-se no regresso dos balneários e, menos de 90 segundos depois do recomeço, Nonu serpenteou pelo meio da defesa Wallaby, marcando um grande ensaio que parecia sentenciar a final: 21-3. Porém, 10 minutos depois, a exclusão de Ben Smith virou o jogo ao contrário. Em inferioridade, os All Blacks tremeram pela primeira vez e a Austrália, com dois ensaios (Pocock, 53’ e Kuridrani, 64’), num ápice reentrou na discussão da vitória (21-17), dando nova emoção a um duelo que parecia decidido.

 

O segundo toque de meta australiano coincidiu, no entanto, com o regresso de Smith ao relvado e em igualdade numérica, os All Blacks colocaram um travão na reacção da Austrália, contando para isso com a inconfundível classe de Carter: aos 70’, o abertura, a 40 metros de distância, colocou a bola entre os postes com um pontapé de ressalto e, cinco minutos depois, com uma penalidade, cavou um decisivo fosso de 10 pontos de diferença (27-17).

 

O “tri” já estava entregue e a festa dos “homens de negro” prestes a começar, mas ainda houve tempo para Beauden Barrett fazer o terceiro ensaio da Nova Zelândia, fixando o marcador final em 34-17.

 

Foi a despedida perfeita para Dan Carter, sem dúvida o “homem do jogo”, e provavelmente para Richie McCaw, que no final da partida disse “nim”, quando questionado se era o último jogo com a camisola All Black. 

 

Números do Austrália-Nova Zelândia (17-34)

 

Ensaios:

Austrália – 2 (Pocock, 53’; Kuridrani, 64’)

Nova Zelândia – 3 (Milner-Skudder, 39’; Nonu, 42’; Barrett, 79’)

 

Penalidades convertidas:

Austrália – 1

Nova Zelândia – 4

 

Pontapé de ressalto:

Austrália – 0

Nova Zelândia – 1

 

Posse de bola:

Austrália – 47 %

Nova Zelândia – 53 %

 

Ocupação de terreno:

Austrália – 46 %

Nova Zelândia – 54 %

 

Metros percorridos:

Austrália – 415

Nova Zelândia – 501

 

Placagens realizadas:

Austrália – 111

Nova Zelândia – 107

 

Placagens falhadas:

Austrália – 26

Nova Zelândia – 15

 

Formações ordenadas a favor:

Austrália – 4 ganhas, 1 perdida

Nova Zelândia – 3 ganhas, 0 perdidas

 

Alinhamentos conquistados ao adversário:

Austrália – 0

Nova Zelândia – 1

  

Penalidades concedidas:

Austrália – 10

Nova Zelândia – 7