Wallabies quebram o coração argentino

A Austrália derrotou a Argentina e vai defrontar a Nova Zelândia na final do Mundial 2015

A imagem, no final do jogo, de Daniel Hourcade visivelmente emocionado e de lágrimas nos olhos traduz na perfeição a enorme decepção que o râguebi argentino viveu na tarde deste domingo, em Londres. Após um excelente Mundial 2015, os Pumas depararam-se nas meias-finais com uma competente e pragmática Austrália, que soube aproveitar bem os erros dos sul-americanos para marcar encontro, no próximo sábado, com os All Blacks, na grande final da competição.

 

A garra e o enorme coração que a Argentina colocou sempre em campo neste Mundial voltou a ser visto em Twickenham, mas desta vez, perante uma experiente Austrália, os Pumas cederam e a estratégia de Hourcade começou a ruir logo aos 68 segundos: um passe denunciado de Nicolas Sanchez foi interceptado por Rob Simmons e o segunda-linha, do alto dos seus 200 centímetros, fez um sprint de 30 metros que só parou depois da linha de ensaio.

PÚBLICO -
Foto

 

PÚBLICO -
Foto

Com muitos menos quilómetros nas pernas do que o rival em jogos desta responsabilidade, os argentinos acusaram algum nervosismo no arranque e acabaram por sofrer o segundo ensaio, aos 10’: excelente passe de Foley para Ashley-Cooper que, na ponta, fez o seu primeiro toque de meta no jogo.


Com Michael Hooper e David Pocock em grande destaque na luta dos packs avançados, os Wallabies começaram a gerir o jogo com inteligência e a reacção dos Pumas ficou comprometida, aos 26’, após Lavanini ver um cartão amarelo por placagem perigosa. E a vantagem numérica não foi desperdiçada pelos australianos: seis minutos depois, após uma boa circulação de bola, Ashley-Cooper voltou a marcar na ponta.

 

Com 13 pontos de desvantagem (19-6), a Argentina via-se em maus lençóis e o cenário para os Pumas ainda se tornou mais complicado com a saída por lesão na primeira meia hora de dois jogadores importantíssimo para a selecção sul-americana: Juan Imhoff e Agustin Creevy.

 

O regresso dos balneários mostrou, todavia, uma Argentina decidida a não deitar a toalha ao chão e após um ping pong de penalidade entre Sanchez e Foley, chegou-se aos últimos 10 minutos com tudo por decidir e apenas sete pontos de vantagem para a Austrália (22-15).

 

A necessitarem de um ensaio convertido para empatar, os Pumas acreditavam que era ainda possível fazerem história e chegaram pela primeira vez a uma final de um Mundial, mas a oito minutos do fim, Ashley-Cooper voltou a atacar. Após uma grande arrancada de Drew Mitchell, a bola chegou às mãos do ponta dos Warathans que completou o seu hat-trick na partida.

 

O jogo estava resolvido. No próximo sábado, em Twickenham, teremos uma inédita final entre dois velhos conhecidos: All Blacks e Wallabies.

 

Números do Argentina-Austrália (15-29)

 

Ensaios:

Argentina – 0

Austrália – 4 (Simmons, 2’; Ashley-Cooper , 10’, 32’ e 72’)

 

Penalidades convertidas:

Argentina – 5

Austrália –1

 

Posse de bola:

Argentina – 55 %

Austrália – 45 %

 

Ocupação de terreno:

Argentina – 54 %

Austrália – 46%

 

Metros percorridos:

Argentina – 556

Austrália – 352

 

Placagens realizadas:

Argentina – 95

Austrália – 142

 

Placagens falhadas:

Argentina – 28

Austrália – 33

 

Formações ordenadas a favor:

Argentina – 5 ganhas, 0 perdidas

Austrália – 4 ganhas, 2 perdidas

 

Alinhamentos conquistados ao adversário:

Argentina – 1

Austrália – 1

 

Penalidades concedidas:

Argentina – 6

Austrália – 12