Coimbra Secrets/Facebook
Foto
Coimbra Secrets/Facebook

Tens 60 minutos para sair: os “Escape Games” chegaram a Coimbra

Três espaços da cidade desenvolvem jogos de fuga, em que os participantes têm de conseguir sair de uma sala em 60 minutos. Preços variam entre os 30 e os 50 euros por equipa

Três espaços em Coimbra desenvolvem o conceito de jogos de fuga, em que os participantes são desafiados a conseguir sair de uma sala em 60 minutos, resolvendo enigmas, abrindo cofres ou descobrindo portas secretas. O jogo consiste num grupo de duas a cinco pessoas que têm de tentar resolver um determinado enigma ou sair de uma sala onde estão fechados em 60 minutos. Durante esse tempo, são vigiados e podem receber pistas de fora caso estejam bloqueados. O jogo termina com os quartos completamente revirados, em que qualquer objecto de decoração, gaveta, mala ou armário pode ser sinónimo de mais um passo para se chegar ao final.

No Largo da Portagem, nasceu em Abril a Coimbra Secrets pela mão de cinco amigos que descobriram os jogos de fuga em Lisboa e decidiram exportar o conceito para a cidade, criando a história de um homicídio de um estudante como mote para os participantes se transformarem em "detectives", que têm um duplo objectivo de resolver o crime e conseguir sair do espaço. "Acho que, no fundo, todos temos um bocadinho [a vontade de ser detective] dentro de nós. E vem muita gente à procura desse espírito e aventura", sublinhou uma das gerentes do espaço, Catarina Oliveira.

Apesar de não ser um conceito "ainda muito conhecido", a adesão tem surpreendido Catarina Oliveira. No espaço, já realizaram sessões de "team building" para empresas, festas de aniversários em que nos cofres em vez de pistas para o crime havia guloseimas, despedidas de solteiro e até "um pedido de casamento", em que o anel de noivado se transformou no último objecto a ser descoberto no jogo. O jogo, apesar de "não ser muito difícil", tem uma taxa de sucesso de perto de 30%, contou Catarina Oliveira, referindo que são dadas dicas quando as pessoas "ficam muito tempo bloqueadas" num dos enigmas.

Já no Puzzle Room Coimbra, no Bairro Norton de Matos, a taxa de sucesso desce para os 15%, mas o fundador, João Alves, garante que a maioria fica muito perto de acabar. Também aqui o projecto cresceu depois de um primeiro contacto com o conceito em Lisboa. João acabou a transformar em Abril uma casa devoluta num jogo de fuga, havendo a possibilidade de "explorar os diferentes pisos". Dentro da sala do Puzzle Room, é necessário "concentração, perspicácia" e, acima de tudo, "trabalho de equipa", num jogo em que o cronómetro cria a inquietação de se ver o tempo a acabar e a música ajuda a intensificar o ambiente.

"Isso é que faz o jogo: é o cronómetro que não pára, é a música de fundo e nós a decidirmos, a dada altura, para onde vamos e às vezes chegamos a um ponto em que não vamos para lado nenhum", resumiu um participante no Puzzle Room, Rui Pinto, engenheiro que decidiu reunir um grupo de amigos para experimentar o jogo. Apesar de não terem conseguido terminar, "foi muito interessante", constatou outra participante, Patrícia Castanheiro, destacando também "a adrenalina para tentar acabar o jogo".

"Há muitas pessoas que ainda não conhecem o conceito", observa Eduardo Alves, arquitecto de formação, que abriu o Brainmaze depois de vários anos a fazer jogos de pistas para os seus filhos, transformando uma loja alugada num jogo de fuga. No seu espaço não há compartimentos trancados, apenas "um labirinto que é um guia para se chegar ao momento final", sendo que as equipas têm de "raciocinar mais do que andar à procura de coisas muito bem escondidas", explanou. Os preços dos jogos de fuga em Coimbra variam entre os 30 e os 50 euros por equipa.