Luís Monteiro acredita que a "mudança real" é possível
Foto
Luís Monteiro acredita que a "mudança real" é possível Ana Marques Maia

O “Pablo Iglesias do Porto” é o benjamim do Parlamento

“Formou-se” no associativismo estudantil e no Bloco de Esquerda e acaba de se tornar o mais novo deputado da próxima legislatura. Ensino, precariedade, desemprego, emigração. Luís Monteiro, estudante de 22 anos, promete ser uma voz activa contra a “nova escravatura do século XXI”.

Quando as mensagens de incentivo começaram a pingar no telemóvel de Luís Monteiro na tarde de 4 de Outubro, o mundo dele era ainda um terreno conhecido. Companheiros de activismo, amigos emigrados, desempregados, precários — muitos quiseram dizer-lhe que tinham votado no Bloco de Esquerda e cruzavam os dedos para que pudessem ter finalmente alguém da idade deles a representá-los no Parlamento.

O cair da noite aconteceu e o inesperado também: o BE elegeu cinco deputados pelo Porto e a vida de Luís mudou. O mais novo deputado da próxima legislatura tem 22 anos e acredita que uma “mudança real” é possível. Ser o benjamim “é uma responsabilidade e, sobretudo, uma grande oportunidade de levar outras vozes ao Parlamento”, disse ao PÚBLICO na primeira grande entrevista que deu como deputado eleito. O local foi ele que o escolheu: a escola artística Soares dos Reis, onde completou o ensino secundário. E, por lá, os antigos professores gostaram de o ver:

- Como vai a vida, Luís?

- Vai mudar, vai mudar...

Como se combate os elevados níveis de abstenção? A resposta do deputado bloquista

A felicidade está-lhe estampada no rosto. E os holofotes não o desviam do estilo — traz a barba por fazer, piercing no nariz e brinco numa orelha, cabelo comprido e desalinhado, camisa aos quadrados, calças de ganga e mochila às costas. Na campanha que fez nas ruas nas últimas semanas, Luís Monteiro sentia “uma proximidade e uma simpatia” ímpares e ia acreditando que algo de grande podia acontecer. Mas as sondagens não o mostravam assim: “Se no dia 3 tivesse dito que o Bloco ia ter 10,2% dos votos, teriam dito que era lunático.” O portuense admite que era uma batalha intricada, feita entre o “apelo do voto útil” do Partido Socialista e uma situação europeia que lhes podia ser “desfavorável”. “Mas o povo disse uma coisa diferente.”

No círculo eleitoral do Porto, o povo disse que queria enviar para a capital cinco deputados bloquistas — nas últimas legislativas foram apenas dois — e, com isso, deu ao estudante de mestrado em Museologia, número três na lista, um bilhete de ida. “Estamos disponíveis para assumir todos os lugares com a combatividade de sempre, mas foi sem dúvida uma grande surpresa. Mais do que a minha eleição, a da Domicilia [Costa] e a do Jorge Campos, [números quatro e cinco da lista]”

A Assembleia da República (AR) não o assusta. Apesar dos 22 anos de vida, a experiência em palcos de luta tem já uns respeitáveis sete. E, na verdade, até já estava lá antes disso. A mãe, actualmente desempregada, é também filiada no Bloco e foi toda a vida activista de esquerda. O padrinho também. O pai, emigrado em Angola desde o ano em que Luís nasceu, sempre o apoiou. O bisavô materno, homem de luta contra o fascismo, deu-lhe livros, ensinou-lhe o mundo e “teve sempre o coração à esquerda”. À mesa e aos serões, falava-se de política. E, aos 15 anos, Luís começou a ler programas eleitorais e a dar espaço aos “clássicos marxistas” nas estantes do quarto.

Um dia, depois de uma visita ao antigo pediatra na Maternidade Júlio Dinis, passou à porta da sede do Bloco de Esquerda e decidiu entrar.  “Já seguia o que Francisco Louça dizia, Luís Fazenda, Miguel Portas, Fernando Rosas... Nesse dia, ainda com 15 anos, fui perguntar o que podia fazer”, recorda. Foi o primeiro passo. Tempos depois, Luís entrou no curso de Design de Produto na escola artística Soares dos Reis e promoveu uma “revolução” na associação de estudantes. “Existiam estatutos, mas não havia associação há uns anos. Fizemos uma assembleia geral,  um abaixo-assinado para que se marcassem eleições e apresentámos uma lista. Durante três anos fui o presidente.”

No anfiteatro grande onde a entrevista decorre, o admirador da Yanis Varoufakis vê o longo corredor onde teve a primeira grande vitória das lutas estudantis. “Foi mesmo aqui a manifestação. Estava cheio...”, sorri. Com a mudança para as novas instalações da escola, em 2008, a gestão da cantina passaria a ser privada e as funcionárias perderiam o posto de trabalho. Mas a associação de estudantes não deixou: fez um abaixo-assinado e uma manifestação, conseguiu unir alunos, direcção da escola, professores e funcionárias. Exigiram que elas ficassem e que o recibo verde passasse a contrato, impuseram a colocação de mais uma pessoa, pediram que fosse servida mais comida. “Um representante da empresa apareceu aqui, muito aflito com a presença da comunicação social e com a manifestação, e garantiu que as nossas reivindicações iam ser aceites. Foi um momento marcante.”

Da Soares dos Reis, Luís passou para a Faculdade de Letras da Universidade do Porto, onde fez uma licenciatura em Arqueologia e se tornou também representante dos estudantes. A escola pública é para ele um assunto muito sério: “Devo-lhe grande parte do que aprendi e do que sou.” E esse é um dos temas nos quais que vai agarrar na AR. “Nos quatro anos em que presidi à associação, em Letras, vinha ter connosco tanta gente. Porque tinha perdido a bolsa, não tinha dinheiro para as propinas e, para além disso, tinha de emigrar. Não por escolha, mas por obrigação e por chantagem de um Governo que lhe dizia que não tinha lugar aqui.”

Reverter as políticas de austeridade e possibilitar o regresso destes jovens é uma das apostas inscritas no manifesto do Bloco, que vai bater-se também pelo fim das empresas de trabalho temporário, pedir uma maior fiscalização dos recibos verdes e lutar para que as empresas que pedem estagiários ao Instituto de Emprego e Formação Profissional sejam obrigadas a contratar uma em cada duas pessoas. Luís conhece bem o fenómeno que tanto afecta a sua geração. Chama-lhe a “nova escravatura do século XXI”, criada nas bases de uma “geração altamente qualificada” a quem se oferece pouco mais do que “empregos de call center ou caixas de supermercado”. “É muito difícil acreditar num país que a única coisa que tem para oferecer a uma geração é a precariedade.”

A mala do “Pablo Iglesias do Porto” (a alcunha, inspirada no líder do Podemos espanhol, foi dada por um amigo e colou entre alguns companheiros) ainda não está feita, mas a busca por casa em Lisboa já começou. Nos próximos quatro anos, andará entre Norte e Sul do país, entre o último ano do mestrado em Museologia e a luta no hemiciclo, entre as aguarelas e trabalhos manuais que faz questão de manter e a convicção de que “mudança real” está mais próxima. Depois disso, o futuro dirá. “O que sei é que a minha vida política nunca vai acabar. Fora ou dentro do Parlamento, estarei sempre na luta a defender aquilo em que acredito.” Ver mais em p3.publico.pt