A novidade chama-se PAN

O Pessoas-Animais-Natureza (PAN) elegeu um deputado pelo círculo eleitoral de Lisboa, juntando-se aos cinco partidos que já tinham representação parlamentar.

Foto
André Silva (à direita) será deputado pelo PAN Enric Vives-Rubio

As projecções que, logo, após o fecho das urnas, apontavam para a eleição de um a dois deputados pelo Partido Democrático Republicano e de um pelo Livre-Tempo de Avançar acabaram por não se confirmar depois da contagem dos votos. No primeiro momento, o presidente do PDR, António Marinho e Pinto, e o cabeça de lista do Livre, Rui Tavares, prometiam fazer a diferença no Parlamento. Depois foi a desilusão. A surpresa da noite estava, no entanto, reservada pelo PAN (Pessoas-Animais-Natureza), que acabaria por conseguir eleger um deputado para a Assembleia da República. André Lourenço e Silva foi eleito por Lisboa com o partido a obter, no total, mais de 74 mil votos (1,39%).

Já o Partido Democrático Republicano (PDR) obteve pouco mais de 60 mil votos (1,14%), enquanto o Livre ficou mais abaixo (mais de 38 mil votos, correspondentes a 0,72%). Rui Tavares assumiu no final a derrota do partido por não ter conseguido eleger nenhum deputado, mas disse sentir-se honrado e orgulhoso pelo trabalho desenvolvido.

"Nós não atingimos os resultados que queríamos atingir e isso significa evidentemente, do ponto de vista político, uma derrota", afirmou Rui Tavares aos apoiantes presentes no Teatro Maria Matos, em Lisboa, onde o partido acompanhou a noite eleitoral, mas vincando que "uma derrota não envergonha ninguém". Rui Tavares salientou ainda ser necessário juntar forças à esquerda, tendo felicitado o Bloco de Esquerda e o Partido Comunista pelos "excelentes resultados", e considerado poder "contar com estes dois partidos para a transformação do país".

"À esquerda há também sempre uma vontade de mudança e uma vontade de participação que é grande, devemos refletir, devemos trabalhar em conjunto, devemos esforçar-nos para que essa vontade de mudança se materialize e que seja efectiva em Portugal e na Europa e no futuro", afirmou. "A luta continua e nós continuamos nela", disse Rui Tavares, para quem o país continua "numa situação muitíssimo difícil, em crise" e que, "provavelmente, passará agora por uma situação de uma grande indefinição política".

PDR prevê novas eleições
Também Marinho e Pinto (PDR) assumiu o falhanço: "Falhámos porque pretendíamos eleger um grupo parlamentar e não conseguimos", disse aos jornalistas na sede do partido, em Lisboa.

O presidente do PDR adiantou que o partido vai começar já a trabalhar nas eleições autárquicas, embora considere que vão realizar-se eleições legislativas antecipadas, tendo em conta que a votação de ontem "não proporciona condições de governabilidade para Portugal".

"Portugal vai entrar numa fase de instabilidade e de turbulência política a nível do Estado e de alguns partidos, pelo menos há um partido político que é fundamental que esteja coeso e estável internamente", afirmou, referindo-se ao PS.

Marinho e Pinto considerou ainda "improvável" um acordo entre o BE, CDU e PS, sublinhando que o Partido Socialista está mais próximo do PSD. E disse ainda que os resultados das legislativas aproxima Portugal da Grécia, sublinhando que "a votação do Bloco de Esquerda é um espécie de efeito do Syriza retardado".

Por seu lado, o cabeça de lista por Lisboa do Juntos Pelo Povo (JPP), Nuno Moreira, lamentou que as eleições tenham demonstrado "que, mais uma vez, os mesmos continuam a ganhar e a controlar", mas garantiu que os resultados que obteve — pouco mais de 14 mil votos (0,17%) —, são "apenas o início de um trabalho de continuidade", com a consciência que o seu partido fez "o melhor trabalho possível".

O partido Juntos pelo Povo nasceu na Madeira e foi a primeira vez que tentou concorrer a nível nacional. A projecção da Intercampus para a TVI e PÚBLICO, realizada à boca das urnas, punha a possibilidade de o JPP poder eleger um deputado, tal como o Livre e o PAN, o que só acabou por acontecer no caso deste último.

Já o Partido Nacional Renovador (PNR) superou em muito a votação obtida em 2011, tendo passado de cerca de 15 mil votos para quase 27 mil (0,50%). Apesar desta subida, fica muito aquém dos resultados obtidos por partidos do mesmo espectro político em outros países da Europa, como é o caso da Frente Nacional, em França, que passou de 6,9% nas legislativas de 2009 para 25% nas europeias de 2014.

O seu líder, José Pinto Coelho, disse ontem não ter dúvidas que um próximo governo PSD/CDS-PP "não durará quatro anos" face à oposição que terá e criticou "a mentalidade estúpida do voto útil".

"Tenho dúvidas que este governo dure quatro anos, com a oposição de esquerda e o crescimento do Bloco (BE). Adivinho que vamos ter eleições antecipadas e acho que aí podemos chegar aos 50.000 votos", disse José Pinto Coelho. com Lusa

Resultados completos e comparativo com 2011