Eritreia, as razões de um exílio desesperado

Um vida sem futuro num país pobre, domado com mão de ferro por um temível ditador levam milhares de eritreus a fugir do país

Refugiado eritreu em Israel
Foto
Refugiado eritreu em Israel Baz Ratner/Reuters

Terceiro grande grupo de migrantes, logo a seguir aos sírios e afegãos, a tentar chegar à Europa para pedir asilo, os eritreus têm múltiplas razões para tentar fugir do país, submetido há 22 anos ao firme regime ditatorial do Presidente Issayas Aferworki.

“Queremos partir! Não importa para onde, mas simplesmente partir!”, repetem os jovens eritreus que vão matando o tempo debaixo de uma tenda no campo de refugiados de Hitsats, na Etiópia, a poucos quilómetros da fronteira com a Eritreia.

O número de jovens fardados com quem o repórter da AFP falou atesta uma das causas principais da fuga dos eritreus. O ditador Aferworki estabeleceu um serviço militar obrigatório, oficialmente de 18 meses, mas que pode durar décadas. Na verdade, nem sequer é bem um serviço militar, já que os jovens recrutas são utilizados pelo Estado para as tarefas mais ingratas. Trata-se de “trabalho forçado”, segundo a ONU

Todas as pessoas abaixo dos 50 anos são recrutadas por um período indefinido. Em Março de 2014, a revista Economist escrevia que cerca de um em cada 20 eritreus vivia em enormes aquartelamentos no deserto. Os “soldados” são chamados a trabalhar em obras públicas, como construção de estradas e pontes, recebendo um máximo de 30 dólares por mês. Os recrutas não podem ir para a universidade ou arranjar um emprego normal a menos que sejam oficialmente libertados do serviço militar, algo que depende da vontade arbitrária deste ou daquele comandante, explica a revista britânica.

A Eritreia continua a ser um dos países mais pobres do mundo e, numa nação em que 80% da população é constituída por pequenos agricultores, a falta de mão-de-obra para as colheitas (porque os agricultores estão no exército) faz com que as necessidades alimentares fiquem regularmente por cumprir. Também a falta de mão-de-obra para os produtos manufacturados, lê-se no mesmo texto da Economist, faz com que estes sejam dos mais caros de África.

O país que conseguiu a sua independência da Etiópia em 1993, figura sistematicamente nos últimos lugares das classificações internacionais em matéria de liberdades políticas, liberdade de expressão ou direitos humanos. Prisões arbitrárias, torturas e desaparecimento de opositores são regularmente denunciados.

Um relatório do Conselho dos Direitos do Homem das Nações Unidas denunciou em Junho “violações sistemáticas, generalizadas e flagrantes dos direitos humanos dos direitos humanos” pelo governo eritreu, que podem constituir crimes contra a humanidade.”

Depois de ter ganho em 1991 uma guerra de independência de 30 anos contra a Etiópia na liderança da Frente Popular de Libertação da Eritreia, Issayas Aferworki tornou-se Presidente em 1993. E assim se manteve no poder, sem oposição nem eleições. Não há imprensa independente e mesmo a liberdade religiosa está ameaçada.

Descrito por um antigo embaixador americano como um “desequilibrado provocador”, Afeworki, de 68 anos, fundou o único partido político do país, a Frente Popular para a Democracia e a Justiça, que dirige com mão de ferro.

Mesmo antes da imposição de sanções pela ONU em 2009, a economia eritreia, quase inteiramente controlada pelo Estado já estava em farrapos. Em 2013, a Eritreia ocupava o 181.º lugar (num total de 187) no índice de desenvolvimento humano da ONU.

Mudar de vida
Mais de 33 mil refugiados eritreus foram registados na vizinha Etiópia em 2014 pelo Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR), um êxodo considerável para este pequeno país de seis milhões de habitantes.

No campo de Hitsat, que mais parece uma aldeia miserável onde se misturam tendas com pequenas casas de tijolos e madeira, ninguém pensa em regressar à Eritreia. Todos querem partir, seja para a Europa, Israel, América ou África do Sul.

Mas os vistos e o estatuto de refugiado num país terceiro são dados a conta-gotas. Apenas um milhar de eritreus refugiados na Etiópia receberem uma proposta de reinstalação nos Estados Unidos e no Canadá patrocinada pelo ACNUR em 2014. Nesse ano, os únicos países europeus a oferecerem asilo – França, Noruega, Suíça – apenas acolheram 12 pessoas.

Na ausência de uma via legal, os refugiados transformam-se em migrantes. Os eritreus não têm qualquer dificuldade em sair clandestinamente dos campos de refugiados para se misturarem com a população etíope. Falam a mesma língua, têm a mesma cor de pele. À sua espera estão redes de traficantes muito bem organizadas.

Toda a gente sabe as tarifas de uma viagem simples para a Europa: mil dólares para chegar ao Sudão, 4000 ou 5000 dólares suplementares por um lugar numa embarcação que faça a viagem a partir da Líbia até às costas europeias.

“Eu conheço os riscos. Os nossos amigos disseram-me exactamente aquilo que nos espera. Eu sei que, sendo mulher, arrisco-me a ser sexualmente agredida. Um dos meus familiares morreu no Mediterrâneo. É uma questão de sorte”, disse à AFP Maeza, 25 anos, que deixou a Eritreia com um grupo de duas dezenas de amigos que têm como destino a Europa e o Canadá. “Quero mudar a minha vida”, afirma. “A minha e a da minha família que ficou na Eritreia”.