Crónica de jogo

Jonas abriu as contas e o Benfica já soma 16 golos na Luz

Triunfo folgado sobre o Paços de Ferreira aproxima Benfica dos principais adversários na luta pelo título. Nortenhos cederam aos argumentos "ncarnados", mas deixaram boa impressão na primeira metade.

Jonas festeja o primeiro golo no Estádio da Luz
Foto
Jonas festeja o primeiro golo no Estádio da Luz PATRICIA MELO MOREIRA/AFP

Não há nada como o Estádio da Luz para o Benfica curar mágoas dos desaires fora de portas esta temporada. À derrota com o FC Porto, no Dragão (1-0), na última ronda, os “encarnados” responderam este sábado com um triunfo tranquilo, por 3-0, frente ao Paços de Ferreira. Apesar do resultado volumoso, os lisboetas demoraram a carrilar, face a um adversário aguerrido e bem organizando, valendo um lance de génio de Jonas para abrir o caminho dos três pontos. A diferença para FC Porto e Sporting é agora de apenas dois pontos.

Se a equipa de Rui Vitória ainda não conseguiu marcar nos seus compromissos externos, nos jogos em casa, esta seca transforma-se em fartura. Em quatro encontros, o Benfica soma 16 golos (uma média de quatro por jogo) que lhe dão o estatuto de equipa mais concretizadora da I Liga. Para esta contabilidade tem contribuído o talento particular de Jonas, que soma sozinho sete golos (dois apontados ontem) e mais duas assistências.

O resultado, ainda que incontestável, acabou por ser demasiado pesado para o Paços de Ferreira, por tudo aquilo que a equipa fez na primeira metade e no princípio da segunda parte. O conjunto de Jorge Simão subiu ao relvado da Luz sem qualquer derrota fora de casa e apostou numa atitude idêntica àquela que valeu um empate a uma bola frente ao Sporting, no Estádio José Alvalade, à passagem da segunda jornada. Pressionou alto, reduzindo espaços para o Benfica organizar o seu jogo ofensivo a partir de trás, mostrou-se bem equilibrado defensivamente e sempre com um olho no ataque.

Com o mesmo “onze” que defrontou o FC Porto há uma semana, o conjunto de Rui Vitória tinha dificuldades em aproximar-se da baliza pacense, valendo uma ou outra iniciativa individual para levar algum perigo ao último reduto adversário. Perante as dificuldades dos lisboetas, os nortenhos foram acreditando e, na sequência de um livre, aos 32’, Miguel Vieira cabeceou mesmo para dentro das redes de Júlio César, mas o lance seria (justamente) anulado por fora-de-jogo.

PÚBLICO -
Foto

Não deixou de ser um sério aviso e Jonas foi quem mais depressa reagiu. Dois minutos depois, o brasileiro demonstrou toda a sua classe e qualidade técnica, com um grande remate em arco, de fora da área, com o pé esquerdo, levando a bola a tocar ainda na barra antes de confirmar o primeiro golo da equipa da casa. O mais difícil estava feito, mas o Paços não desanimou, respondendo no instante seguinte com Diogo Jota a atirar por cima.

Os nortenhos procuraram manter a estrutura e os índices de agressividade na segunda metade e até assumiram as despesas do encontro durante alguns momentos após o reatamento, mas o desgaste físico foi condicionando a equipa. Para piorar as coisas para os visitantes, a partir da última meia-hora, Nico Gaitán iniciou um recital no lado esquerdo, passando a fazer o que queria de João Góis. Mas antes do argentino mostrar o seu talento, Mitroglou ainda protagonizou uma perdida escandalosa, aos 60’, quando, isolado por Jonas, não conseguiu bater Marafona, cedendo, pouco depois, o lugar a Raúl Jiménez na frente atacante. O mexicano mexeu com o jogo, abrindo espaços na área, até então praticamente inexistentes.

A vantagem mínima não deixava o Benfica particularmente descansado e, aos 67’, Gaitán trabalhou bem a bola na esquerda, antes de encontrar no miolo Gonçalo Guedes que, tirou um adversário da frente, e rematou rasteiro junto ao poste direito para o segundo golo da sua equipa. Com o argentino de novo no lance, o jovem português voltaria a destacar-se no encontro, aos 73’, quando assistiu Jonas para o brasileiro bisar. Mais um golo do avançado benfiquista que tem em Marafona uma vítima preferencial. Na temporada passada, quando o guarda-redes representava o Moreirense, apontou-lhe quatro golos e soma agora seis neste duelo particular.

Com a partida resolvida, o Benfica entrou em poupanças para o encontro com o Atlético de Madrid, na próxima quarta-feira, na capital espanhola, da segunda jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões, mas mesmo assim ainda conseguiu fabricar uma oportunidade soberana para desnivelar ainda mais o resultado. Na sequência de um canto cobrado por Gaitán, aos 87’, Luisão cabeceou ao poste, falhando Jonas a recarga. O apito final chegou pouco depois e, face aos escorregões de FC Porto e Sporting, a distância da equipa da Luz para o topo da tabela classificativa é agora de apenas dois pontos.