Dez anos depois, Guimarães é um impasse

O Centro Cultural Vila Flor começa hoje a comemorar uma década de vida, condicionado pelos constrangimentos financeiros que o têm fragilizado nos tempos mais recentes. O lugar que colocou a cidade no mapa é hoje motivo de preocupação: anatomia de uma crise.

Fotogaleria
Os números de público do Centro Cultural Vila Flor têm decrescido: mais de 120 mil há dois anos, poucas hipóteses de chegar aos 100 mil em 2015 PAULO PIMENTA
Fotogaleria
As dificuldades financeiras tiveram ainda como consequência um abrandamento no ritmo da programação artística do CCVF, com reflexos ao nível de público PAULO PIMENTA

O pedido feito no café-concerto demora menos do que era hábito a chegar. Não é um bom sinal. Há menos clientes para atender e o frenesim que se chegou a viver, há bem pouco tempo, nestas mesas perdeu-se. Antes dos espectáculos no Centro Cultural Vila Flor (CCVF) também se encontram menos pessoas conversando à porta do grande auditório. Nos últimos três anos, este espaço tem abrandado o ritmo da sua programação regular e perdido constantemente público. O que aconteceu a Guimarães, dez anos depois da inauguração do equipamento que colocou a cidade no mapa artístico nacional e três anos volvidos desde a Capital Europeia da Cultura (CEC)?

Não é fácil encontrar uma única resposta a estas questões, mas o diagnóstico merece alguma unanimidade entre os agentes culturais locais. Esta “não é a cidade” que Ricardo Areias, um dos directores do Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura (CAAA), imaginava três anos depois da Guimarães 2012: “A ruptura foi muito maior do que seria de esperar e isso não foi nada benéfico para o público." Rui Dias, da promotora e editora discográfica Revolve!, concorda. Vê “muitos mais visitantes” no centro histórico, mas “o lastro que podia ter ficado a nível cultural perdeu-se”. “A cidade fez uma grande revolução em termos culturais. E, como todas as revoluções, chegou a um impasse, sintetiza Miguel Moreira, director da Útero, companhia associada do CCVF.

A ideia de que o projecto cultural da cidade vive um momento de indefinição é admitida pelos responsáveis da cooperativa municipal A Oficina, que gere o centro. Para o director-executivo da estrutura, Frederico Queiroz, era expectável que 2013 fosse um ano “de ressaca” da CEC, após o qual seria necessário lançar “novas linhas” para o projecto. “É aqui que entra o problema criado pela lei 50/2012”, assegura.

Que dificuldades criou a Lei do Sector Empresarial Local à cooperativa? A Oficina tem-se deparado com vários obstáculos para receber os três milhões de euros anuais que lhe são destinados pela Câmara de Guimarães para executar a programação cultural. A lei não considera as cooperativas entidades do sector empresarial local, e como tal o Tribunal de Contas (TC) tem o entendimento de que aquela entidade teria de estar sujeita a um concurso público como qualquer outra empresa ou instituição. A autarquia tentou várias soluções para este problema ao longo dos últimos três anos (concurso público, protocolo de colaboração), mas foram sucessivamente chumbadas pelo TC, desde 2013. A cooperativa tem por isso vivido em permanentes dificuldades financeiras, mantendo a actividade com recurso à banca, a receitas próprias e a apoios pontuais da autarquia. “Ficámos completamente atados”, ilustra Frederico Queiroz. O problema criado pelos sucessivos chumbos do TC “limita e às vezes retira força e tempo", impedindo a Oficina de se "focar no que é essencial”, justifica o mesmo responsável.

Fruto destes problemas, no final do ano passado a cooperativa cultural de Guimarães acordou rescisões com dez pessoas, entre as quais estavam produtores, técnicos de luz e som e os dois únicos actores com contrato permanente na companhia de teatro residente, o Teatro Oficina. Saíram também da estrutura dois dos directores: Tiago Andrade, responsável pela produção, e a directora do Serviço Educativo, Elisabete Paiva – que assumiu a direcção do Festival Materiais Diversos. Em poucas semanas, a Oficina ficou sem um quinto do seu efectivo.

As dificuldades financeiras tiveram ainda como consequência um abrandamento no ritmo da programação artística do CCVF, com reflexos ao nível de público. O número de espectadores (contabilizando apenas as entradas pagas) tem estado em quebra nos últimos três anos. Se em 2013 foram 122 mil pessoas a passar pelo Vila Flor, no ano passado já não chegaram às 120 mil. A manter-se o ritmo registado até ao momento, em 2015, o total deste ano deverá ficar à volta dos 100 mil espectadores. Ainda assim, o equipamento tem mantido uma procura acima de outros teatros municipais da região, como a Casa das Artes de Famalicão ou o Theatro Circo, em Braga – entretanto, no Porto, reabriu o Rivoli.

A crise de público no CCVF também se tem sentido nos festivais que marcam a sua programação anual. A edição 2015 do festival de dança contemporânea GuiDance foi a menos concorrida dos últimos três anos (ao todo recebeu 1660 espectadores, contra os 2800 de 2013) e os Festivais Gil Vicente também tiveram uma quebra de 20% no público (totalizando 713 entradas em Junho último). Apenas o Guimarães Jazz, prestes a completar 25 anos, consegue escapar a este cenário, com crescimento da procura entre as duas últimas edições: 7.964 espectadores, em 2013, e 8.371, em 2014.

PÚBLICO -
Foto
PAULO PIMENTA
PÚBLICO -
Foto
PAULO PIMENTA

Ultrapassar a estagnação
Os números confirmam a opinião dos agentes locais que o Ípsilon contactou, e também a percepção que se tem ao revisitar alguns dos espaços que, há três anos, estavam cheios de vida. No café-concerto do CCVF acabaram os encontros inusitados com artistas que passavam pela cidade; nos espectáculos, há menos pessoas nas plateias; as inaugurações de exposições, nos equipamentos municipais ou em espaços independentes, como o CAAA ou o Laboratório das Artes, são menos concorridas.

A fábrica ASA, que foi um dos principais espaços de programação em 2012 – e onde a estrutura que organizou a Capital da Cultura gastou mais de meio milhão de euros – voltou a ser o centro de negócios multifunções que tinha sido inicialmente pensado. O sector G, por exemplo, onde decorreram as exposições da programação de Arte e Arquitectura, é hoje um campo de futebol sintético. O único espaço cultural que se mantém activo é a black box criada durante a Guimarães 2012, mas têm sido raros os espectáculos ali apresentados.

Como se ultrapassa este momento de estagnação? A resposta do vereador da Cultura, José Bastos – que, antes de ter sido eleito para o cargo, em 2013, foi o principal responsável pelo CCVF –, volta a entroncar no problema criado pela Lei do Sector Empresarial Local. Nos últimos meses, o Governo aprovou uma alteração do diploma que passa a incluir as cooperativas municipais no universo do sector empresarial local, o que parece abrir a porta a um desbloqueio da situação. “Passa a haver a possibilidade de assinatura de um contrato-programa, que pode ser a solução para esta situação”, explica Bastos.

O contrato-programa com a Oficina ao abrigo da nova versão da lei deverá ser votado na primeira reunião do executivo municipal. Assim que o acordo for validado pelo TC, a cooperativa poderá receber os três milhões de euros relativos a este ano e começar a normalizar as suas contas, espera aquele responsável. “Ultrapassada essa dificuldade, já está em fase final de definição a nova estratégia da Oficina e do CCVF”, promete José Bastos. A cooperativa e o centro cultural vão continuar a ser “parceiros fundamentais” na política municipal para a cultura, mas não serão os únicos, anuncia: a Câmara também quer dar um novo papel às associações e demais instituições culturais da cidade.

O vereador aponta também para a mesma altura a nomeação de um novo director artístico para o CCVF. José Bastos coordenou a programação do centro cultural até sair para a Câmara. Nessa altura, entraram Frederico Queiroz para a direcção-executiva – mas sem responsabilidades directas na programação – e o coreógrafo Rui Horta foi apresentado como director artístico. A relação durou, porém, pouco tempo e, antes do final de 2014, Horta deixou Guimarães para voltar a concentrar-se no trabalho de criação  desde então o Vila Flor está sem direcção artística.

Festa condicionada
Esta indefinição na cooperativa A Oficina obrigou a reformular os planos iniciais para celebrar o 10.º aniversário do CCVF, admitem os seus responsáveis. Os festejos da primeira década da vida do centro cultural vimaranense serão, por isso, condicionados, mas o cartaz tem motivos para atrair público a Guimarães ao longo do mês de Setembro: tudo começa já este fim-de-semana com o Manta, um ciclo de dois concertos que “não é um festival de Verão”, como sublinha o coordenador da programação, Rui Torrinha. “Se for um festival, o Manta é um festival autoral, porque tentamos sempre ter no cartaz artistas que tenham uma assinatura evidente”, valoriza.

PÚBLICO -
Foto
PAULO PIMENTA

Tal como nos últimos anos, a escolha recai num artista nacional e noutro internacional. Assim, na noite desta sexta-feira toca em Guimarães Manel Cruz, antigo vocalista dos Ornatos Violeta e fundador de vários projectos posteriores, num concerto em que promete fazer uma retrospectiva da carreira, mostrando também algumas das canções de um novo disco. No sábado, o palco será da norte-americana Angel Olsen, que se estreia em Portugal em nome próprio (dias depois, a 8 e 9, tocará também no Campo de Santa Clara e na ZDB, em Lisboa, respectivamente), depois de já ter passado por Guimarães, em 2011, integrada na banda que acompanhou Bonnie ‘Prince’ Billy. Os concertos do Manta realizam-se no jardim do CCVF e têm entrada gratuita.

Até ao fim do mês, a data redonda continua a festejar-se com propostas que pretendem ser “uma amostra do percurso” que o CCVF tem vindo a fazer, explica Rui Torrinha: além de Pântano (Grande Auditório, 12 de Setembro), criação da Útero, companhia associada do CCVF, haverá duas estreias de teatro, Pantagruel, encenado por Gonçalo Amorim, numa co-produção entre o Teatro Oficina e o Teatro Experimental do Porto (17 a 20 de Setembro), e Festival, da mala voadora, companhia que regressa a Guimarães depois de, há dois anos, também ter trabalhado em co-criação com o Teatro Oficina (26 de Setembro).

Mesmo em crise, até ao final do ano do seu 10.º aniversário o Vila Flor deve atingir a marca de um milhão de espectadores.

Uma década no mapa
Apesar da indefinição na Oficina e no CCVF, o panorama cultural de Guimarães está bem longe de ser um deserto. O CAAA tem mantido nos últimos três anos uma programação regular e foi uma das estruturas apoiadas este ano pela Direcção-Geral das Artes. Depois da pausa de Verão, a actividade é retomada, a 12 de Setembro, com duas exposições: Cláudia Clemente (fotografia) e Marta Leite (artes plásticas). Da programação fechada até ao final do ano constam a residência dos performers Lisa Parra e Daniel Pereira e exposições de Albuquerque Mendes.

Em Outubro (dias 4 e 5), acontece a quarta edição do Noc Noc, um festival multidisciplinar que intervem em lugares inusitados da cidade, como casas particulares, e que este ano recebeu o selo Europe for Festivals/Festivals for Europe (juntamente com o GuiDance e o Guimarães Jazz, organizados pelo CCVF). Uma semana mais tarde, no dia 10 de Outubro, a Revolve! organiza a terceira edição do festival Mucho Flow, com Girl Band, Circuit des Yeaux e Pega Monstro já anunciados no cartaz. A promotora, nascida em 2009 mas a que 2012 deu um empurrão definitivo – foi então responsável por um ciclo de concertos indie e pelo 20 20 20, em parceria com a Lovers&Lollypops –, lançou-se também como editora discográfica, com edições em vinil de 7 polegadas de Pontiac e Papaya, no ano passado, às quais se juntam este ano um LP do novo projecto Filho da Mãe e Ricardo Martins e o primeiro disco de Toulouse. A jovem banda de Guimarães é o melhor exemplo de outra das mudanças recentes na cidade: nos últimos anos, começaram finalmente a surgir projectos musicais com relevo nacional, ao contrário do que acontecera na década anterior. O trio, que deu o primeiro concerto no Mucho Flow do ano passado, em Outubro, já andou, entretanto, pelo Mexefest e por Paredes de Coura. Os conterrâneos The Wild Booze também estiveram no aquecimento do festival do Alto Minho e Captain Boy foi um dos nomes do cartaz do Super Bock, Super Rock deste ano.

A este movimento independente, junta-se também o crescimento da procura do mais caro investimento da Guimarães 2012 (16 milhões de euros), o Centro Internacional das Artes José de Guimarães. O espaço, que reúne obras do artista plástico nascido na cidade, juntamente com as suas colecções privadas de arte pré-colombiana, arte africana e arte arqueológica chinesa reunidas, tem mantido uma programação regular de exposições de artistas contemporâneos em diálogo com a colecção permanente. Nos últimos dois anos, o número de visitantes aumentou 18%, fixando-se em 16.248 entradas ao longo de 2014.

PÚBLICO -
Foto
PAULO PIMENTA

Estes fenómenos não são independentes dos dez anos de vida do CCVF que agora se comemoram. Por muito importante que fosse a actividade das associações locais, Guimarães nunca tinha tido um equipamento que lhe permitisse ter uma programação artística regular e foi o centro cultural municipal que ocupou esse espaço. A aposta no território contemporâneo, da música ao teatro, e em particular na dança, permitiu conquistar um reconhecimento no meio e atrair público exterior aos limites concelhios, colocando a cidade no mapa nacional.

“Guimarães sempre tinha desejado ter o seu teatro e passou a rever-se na sala”, lembra Carlos Mesquita, presidente do veterano Cineclube de Guimarães, que programa a oferta de cinema do CCVF. “Além do equipamento, que é excelente, passou a haver uma verba substancial para fazer programação cultural como nunca antes [houve] na história da cidade”. Maria Luís Neiva, do CAAA, faz uma avaliação semelhante, considerando que o centro cultural “dinamizou e fidelizou um público que tem sido importante para a afirmação de Guimarães". A programadora daquele espaço independente afirma mesmo: “Se o CCVF não existisse, nós também não existíamos."

Rui Dias e Bruno Abreu, dois dos quatro elementos da Revolve!, são de uma geração ainda mais jovem. Nasceram nos anos 1980 e lembram-se do que era a vida cultural de Guimarães para quem cresceu na década seguinte: “Havia a programação de Verão, o Cineclube e o Guimarães Jazz. E uns concertos de bandas de garagem." É essa memória que os leva a elogiar o papel que o CCVF teve na afirmação pública da política cultural da cidade. E que leva Rui Dias a dizer: “Há uma Guimarães antes do CCVF e outra Guimarães depois do CCVF, mais do que antes da CEC e depois da CEC."