Crónica de jogo

Benfica volta a exorcizar fantasmas no último quarto de hora

"Encarnados" estiveram a perder durante largos minutos, mas acabaram por se impor ao Moreirense por 3-2.

Fotogaleria
Patrícia Melo Moreira/AFP
Fotogaleria
Rafael Marchante/Reuters
Fotogaleria
Rafael Marchante/Reuters

Depois do desaire em Aveiro frente ao Arouca, o Benfica voltou a somar três pontos mas teve de sofrer (e muito) para levar de vencido o Moreirense (3-2). À 3.ª jornada, os campeões nacionais somam seis pontos, enquanto os “cónegos” continuam sem ganhar: três partidas e outros tantos desaires somados.

Mãos nas ancas, olhar pensativo, a andar de um lado para o outro e cabisbaixo. Era esta a imagem de Rui Vitória nos minutos finais da primeira parte do. E o treinador dos bicampeões nacionais tinha razões para estar preocupado: as “águias” estavam em desvantagem no marcador e com muitas dificuldades para importunar o adversário. Foi à passagem dos 30 minutos que o inferno da Luz congelou: Vítor Gomes aproveitou a passividade do meio-campo dos “encarnados” para galgar metros no terreno, aproximar-se da área e assistir Rafael Martins, que, com um remate cruzado, inaugurou o marcador. Foi chegar, treinar, jogar e marcar. O avançado brasileiro chegou ao Moreirense a meio da semana, proveniente do Levante, foi titular e silenciou o grito da águia.Os detentores do título tinham mais posse de bola – 71% ao intervalo – mas era um domínio estéril. Não havia dinâmica, mudanças de velocidade nem criatividade. Desde o apito inicial de Jorge Ferreira que o Benfica se mostrou apático, intranquilo e parco em ideias. Miguel Leal sabia ao que vinha, montou a equipa num 4-3-3, que a defender se transformava num 4-5-1, com os alas Iuri Medeiros e Ernest a fecharem por dentro, superiorizando-se, assim ao meio-campo contrário, que contava apenas com Samaris e Pizzi. Com excepção de um remate de Victor Andrade aos 32’, que por escassos centímetros não bateu Stefanovic, e de um falhanço clamoroso de Jonas quatro minutos volvidos, pouco se viu do Benfica demolidor, que sufocava os adversários sempre que jogava no seu reduto.  Ao intervalo, Rui Vitória deixou Pizzi e Victor Andrade no banho e apostou em Talisca e Gonçalo Guedes, mais um produto “made in Seixal”. Gerou-se mais velocidade e imprevisibilidade no encontro e um Benfica mais pressionante, a acercar-se cada vez mais da baliza de Stefanovic.Na melhor jogada do ataque do Benfica, houve Gaitán a conduzir, Mitroglou, que minutos antes tinha obrigado o guarda-redes adversário a defesa apertada, a assistir e Jonas a desperdiçar. O relógio marcava 67 minutos. Segundos depois, Gaitán cruzou e o ponta-de-lança grego cabeceou ao ferro.

Os minutos passavam e ansiedade ia tomando conta dos adeptos do Benfica. Perdido por cem, perdido por mil, Rui Vitória arriscou, tirou o lateral esquerdo e colocou em campo o avançado Jiménez. Segundos depois, Gaitán centrou e o mexicano, com um cabeceamento mortífero, fez o empate na primeira vez que tocou na bola.

No minuto seguinte, Samaris, após assistência do compatriota Mitroglou, quis ser feliz, arriscou um remate do meio da rua e bateu Stefanovic. Estava feita a reviravolta, mas o jogo não estava sentenciado. Ao cair do pano, minuto 84, Ramón Cardozo aproveitou o facto de estar em posição irregular e uma fífia da dupla de centrais para fazer o 2-2.
Nervos em franja, partida frenética, resultado incerto. Nico Gaitán teve, então, sangue frio para, dois minutos depois, voltar a assumir as rédeas da partida, cruzar e oferecer a Jonas o golo que assegurou o triunfo “encarnado”. Um triunfo conseguido na raça que não esconde as (inúmeras) fraquezas do bicampeão. O Benfica, versão Rui Vitória, terá de melhorar e muito se quiser revalidar o título.