André Carrilho vence World Press Cartoon

Trabalho distinguido pelo júri com o Grande Prémio da edição 2015 é sobre o ébola e, sobretudo, sobre o abismo entre a forma como os casos registados em África e no Ocidente são tratados pela comunicação social.

Fotogaleria
A ilustração de André Carrilho sobre a cobertura noticiosa da epidemia do ébola ganhou o Grande Prémio do World Press Cartoon
Fotogaleria
A caricatura de Eça de Queiroz, assinada pelo português Santiagu, teve uma menção honrosa
Fotogaleria
Messi e Papa Francisco, do brasileiro Cau Gomez, ganhou o 1º Prémio de caricatura
Fotogaleria
David Bowie, pelo brasileiro Dalcio, teve o 2º Prémio de caricatura
Fotogaleria
Caricatura do presidente chinês Xi Jinping, do sueco Riber, recebeu o 3º Prémio
Fotogaleria
2º Prémio de desenho editorial para Ébola, do búlgaro Tchavdar
Fotogaleria
3º Prémio de desenho editorial para Maidan, do belga Cost., sobre os protestos anti-Rússia na Ucrânia
Fotogaleria
1º Prémio de desenho de humor para o grego Kountouris
Fotogaleria
2º Prémio de desenho de humor para o mexicano Boligán
Fotogaleria
3º Prémio de desenho de humor para o iraniano Khalaji

O ilustrador português André Carrilho recebeu este sábado ao início da noite em Cascais o Grande Prémio da edição de 2015 do World Press Cartoon (WPC). A escolha do júri presidido pelo organizador, o cartoonista António Antunes, recaiu sobre um trabalho de Carrilho para a edição de 10 de Agosto de 2014 do Diário de Notícias. Nele este autor que colabora regularmente com publicações internacionais como as revistas Vanity Fair e The New Yorker ou o diário The New York Times expõe - e critica duramente - a atenção diferenciada com que a comunicação social trata a epidemia de ébola em África e os casos de contágio que chegaram à Europa e aos Estados Unidos.

Carrilho, nome obrigatório quando em Portugal se fala de ilustração para a imprensa, já tinha visto este cartoon agora seleccionado tornar-se viral, intensamente partilhado e debatido nas redes sociais.

“Parece-me que a atenção que se dá às epidemias nos media ocidentais não tem a ver com uma medida universal de sofrimento humano, mas com a maior ou menor possibilidade de nos atingirem", disse ao PÚLICO em Outubro do ano passado. "Os meios de comunicação social tendem a passar de alguma indiferença para a sobreexposição e pânico, sem nunca deixarem de tratar o assunto numa perspectiva que opõe 'eles' [África] a 'nós' [EUA e Europa]."

Nesta edição do WPC muitos são os outros autores premiados e distinguidos com menções honrosas em categorias como Caricatura, Desenho Editorial ou Desenho de Humor. Vêm do Brasil, Bulgária, França, Grécia, Irão, México, Portugal e Suécia.

Michael Kountouris, um veterano que já foi Grande Prémio WPC em 2013, está entre eles. Desta vez é no Desenho de Humor que se destaca, com um cartoon alusivo à crise grega, como não poderia deixar de ser. A portuguesa Cristina Sampaio também abordou a epidemia de ébola e isso valeu-lhe uma menção honrosa (Desenho Editorial). Na Caricatura o primeiro prémio foi para o brasileiro Cau Gomez, com um Papa Francisco a "venerar" a megaestrela do futebol mundial Lionel Messi. 

Além de António Antunes, o júri desta edição do WPC incluiu Firoozeh Mozaffari (Irão), Augusto Cid (Portugal), Xaquín Marín (Espanha) e Agim Sulaj (Albânia).