Líder histórico da UDP e do BE tem nome em rotunda no Funchal

Procurador não requereu procedimento juridiscional em 11 das 39 auditorias que detectaram infracções financeiras na Madeira
Foto
O suspeito foi denunciado por uma jovem de 17 anos apontando-o como o alegado autor de um crime RUI GAUDÊNCIO

A Câmara Municipal do Funchal descerrou neste sábado a placa que atribui o nome do comendador Paulo Martins, líder histórico da UDP e do BE, falecido em 2014, a uma das rotundas mais movimentadas da capital madeirense.

O presidente da autarquia, Paulo Cafôfo, disse que se trata de uma "homenagem justa" a um homem "marcou a vida politica na Madeira" e será sempre uma "fonte de inspiração".

"O Paulo [Martins] foi um despertar de mentalidades, numa altura muito difícil, em que poucos ousavam arriscar, poucos ousavam levantar a voz. Foi a voz dos madeirenses e essa voz ainda não a esquecemos, ainda ecoa nas nossas cabeças e nas nossas mentalidades", salientou.

Paulo Martinho Martins foi eleito deputado à Assembleia Legislativa da Madeira pela União Democrática Popular em 1976, onde se manteve até 2006, quando já representava Bloco de Esquerda. Foi um dos líderes partidários com maior destaque na região ao longo dos anos, sendo que em 2002 o Presidente da República, Jorge Sampaio, distinguiu-o comendador da Ordem da Liberdade.

"Foi um homem sobretudo lutador pela liberdade e pelos direitos das pessoas; um defensor da diversidade de opiniões; uma pessoa empenhada em tudo o que significasse avanço na sociedade", disse a viúva Guida Vieira, que, juntamente com a filha Joana Martins, descerrou a placa que identifica a rotunda.

Guida Vieira, também ela figura marcante do sindicalismo regional, disse que Paulo Martins "amava a verdadeira política do confronto de ideias" e sempre defendeu que "a autonomia só fazia sentido se fosse para servir os madeirenses com melhores condições de vida".

O presidente da Assembleia Municipal, Rodrigo Trancoso, realçou, por seu lado, que Paulo Martins foi um opositor aos "desmandos" e às "diatribes" de um regime que usou a autonomia, durante quase 40 anos, "para ostracizar, humilhar e para por de lado todos os que pensavam de forma diferente".

A proposta de atribuição do nome de Paulo Martins à rotunda foi aprovada por unanimidade na Câmara do Funchal, liderada pela coligação Mudança (PS, BE, PAN, MPT e PTP). No entanto, os vereadores da oposição (PSD, CDS-PP e CDU) não compareceram na cerimónia.